Burioni zombou de nossa pesquisa, agora os dados são claros - Pasquale Bacco

(Tempo de leitura: 2 - 4 minutos)

O estudo conduzido pelo professor de medicina forense Pasquale Mario Bacco, juntamente com sua equipe, chegou a conclusões capazes de questionar muitas das Verdades absolutas gritadas até agora com redes unificadas. A conclusão mais chocante é que na Itália o vírus já havia infectado mais de 2019% da população desde outubro de 35, enquanto em fevereiro de 2020 ainda havia pessoas nas salas de TV tranquilizando instituições e cidadãos explicando que na Itália o risco era zero. A pesquisa, realizada em 7 mil pessoas em toda a Itália e financiada pela Meleam SpA, também esclarece o número de mortes: "Os números da Proteção Civil são falsos - explica Bacchus - o vírus não tem possibilidade de matar uma pessoa saudável, o risco de 'é apenas para aqueles com baixa resposta imune ".

E quanto aos tratamentos: "Se o vírus voltar a ocorrer em outubro, será muito diferente do que é agora, por esse motivo a vacina não resolverá nada, a solução está lá e é chamada de droga".

Faça o download do estudo completo: https://go.byoblu.com/IDatiParlanoChiaro


O QUE O ESTÚDIO NOS DISSE

  1. a presença real do COVID-19 no território nacional. 30% da população entrou em contato com COVID19;
  2. a incidência do clima no desenvolvimento e seleção do COVID19: o COVID19, como todos os coronavírus, é influenciado de maneira decisiva pelo clima. Depois desaparecerá no verão e reaparecerá quando as temperaturas caírem.
  3. Quais são as áreas mais expostas da Itália: sendo sensível ao clima, o COVID19 sempre se manifestará de maneira mais incisiva nas áreas mais frias da Itália. Assim, mesmo na mesma "concentração", a patogenicidade do vírus sempre será maior no norte, em comparação com o sul da Itália / Europa.
  4. Indicações concretas do movimento do vírus no território nacional: o COVID19 mudou-se para o sul a partir do final de 2019 e já estava presente no início de 2020 (resultado evidenciado pela incidência de IGG entre os positivos). Concentrações mais baixas e capacidade menos agressiva devido ao clima tornaram a maioria das infecções, principalmente as primeiras, quase assintomáticas.
  5. A incidência de assintomáticos: quase 90% dos infectados não apresentaram nenhum dos sintomas atribuíveis ao COVID19, antes de tudo o aumento da temperatura corporal.
  6. A taxa de mortalidade real: a mortalidade direta do COVID19 não excede 2%. Se a faixa etária acima de 55 anos não for considerada, a incidência cai abaixo de 1%.
  7. O papel, na difusão, dos vários grupos etários: os verdadeiros lubrificantes foram os indivíduos até os 30 anos, quase sempre completamente assintomáticos, infectaram e ampliaram o restante da difusão.
  8. Confirmação do papel do estrogênio na expressão de receptores celulares, na menor incidência no sexo feminino: as mulheres em todos os lugares, exceto em casos muito raros, têm menor incidência da capacidade do COVID19 de infectar. Portanto, é evidente que eles apresentam um obstáculo mais difícil para o vírus na fase inicial da infecção (onde os receptores celulares são fundamentais), e não na manifestação clínica.
  9. Os indivíduos mais expostos: as faixas etárias mais jovens, com pelo menos 30 anos de idade, apresentam uma incidência de positividade de anticorpos mais que o dobro em comparação com as mais velhas, que são as que quase manifestam apenas os sintomas.
  10. Correlação entre o hábito de fumar e a infecção: a porcentagem de positivos entre os fumantes é um pouco maior (+ 3%), mas não é capaz de determinar uma conclusão válida; com um excesso de zelo, poderíamos vinculá-lo à resposta imune, que em fumantes é geralmente mais lenta e menos eficaz. Certamente sabemos que o curso clínico é fortemente influenciado por fumar ou não por vários motivos, o mais importante dos quais é uma condição inflamatória basal que acentua os danos causados ​​pela doença.
  11. Correlação entre vacinação e infecção da gripe: os dados negam a possibilidade de maior exposição ao vírus dos indivíduos vacinados.
  12. Correlação entre hábitos alimentares (alimentação vegana, vegetariana e onívora) e incidência de infecção: não foi encontrada diferença significativa entre indivíduos com hábitos alimentares diferentes, exceto por uma ligeira incidência mais alta em onívoros. Também neste caso, pode-se supor que uma resposta imune notoriamente mais lenta e menos eficaz em consumidores habituais de proteína animal possa desempenhar um papel, com mecanismos semelhantes ao tabagismo.
  13. Incidência em indivíduos com talassemia beta: a talassemia beta testada foi, com exceção de 5, todas negativas. Isso confirmaria que a alteração das cadeias beta é uma profilaxia muito válida para covid19, muito mais eficaz do que como terapia.