Decreto-lei 5 de janeiro de 2021: Tso autorizado?

Decreto-lei 5 de janeiro de 2021: Tso autorizado?
(Tempo de leitura: 3 - 5 minutos)

Parece que no último decreto publicado no Diário Oficial há uma desagradável surpresa para todos aqueles que acreditam no direito fundamental à liberdade de escolha terapêutica: em desacordo com a lei do consentimento informado, a possibilidade de agir contra a vontade expressa pelo paciente ou seu tutor!
Estamos falando do DL nº 1 de 5 de janeiro de 2021, que você pode ler na íntegra aqui, no site do Diário Oficial.

Em nossa opinião, o teor do artigo 5º é muito grave, o que deve causar mais do que preocupação a todos aqueles que têm entre os seus entes queridos pessoas que residam em unidades de saúde (incluindo as famosas RSAs) e em residências para idosos.

Art. 5º Consentimento para o tratamento de saúde da vacina anti Covid-19 para indivíduos incapacitados internados em unidades de saúde assistidas 


Aqui, descrevemos quais precauções são impostas na proposta de vacinação para Covid-19. Há muito, inicialmente, de consentimento informado, lembrando também a lei específica que lembramos ser a 219 de 2017.

1. Pessoas incapacitadas admitidas em unidades de saúde assistidas, qualquer que seja a designação, dão o seu consentimento para tratamento de saúde para vacinações anti Covid-19 do plano estratégico nacional referido no artigo 1.º, n.º 457, da lei n.º 30, por meio do familiar tutor, curador ou administrador auxiliar, ou o curador a que se refere o art. 2020º da lei de 178 de dezembro de 4, n. 22, e em qualquer caso com observância do disposto no art. 2017º da mesma lei nº. 219 de 3 e da vontade já expressa pelo interessado nos termos do referido artigo 219º registado na base de dados referida no artigo 2017º, nº 4, da Lei de 1 de Dezembro de 418, n. 27, ou o que presumivelmente teria expressado onde capaz de compreender e querer.

também é especificado que:

4. O consentimento a que se refere o n.º 3, dado de acordo com a vontade do interessado expressa nos termos dos artigos 3.º e 4.º da lei n.º. 219 de 2017 ou, na sua falta, no cumprimento do das pessoas a que se refere a primeira frase do mesmo n.º 3, tem efeito imediato e definitivo. O consentimento não pode ser expresso em desvio da vontade do interessado, expressa nos termos dos artigos 3º e 4º da lei n. 219 de 2017 ou, na sua falta, pela das pessoas a que se refere a primeira frase do mesmo n.º 3.


Tudo bem, você vai dizer ... Os problemas vêm depois, quando começamos a conversar sobre o que pode acontecer em caso de recusa da vacinação proposta (pelo próprio interessado ou pelo vizinho, parente, responsável, etc.). O artigo 4 continua:

No entanto, em caso de recusa deste, o diretor médico, ou o diretor médico da estrutura em que o interessado está internado, ou o diretor de saúde da ASL ou seu delegado, podem requerer, com recurso ao juiz tutelar para nos termos do artigo 3º, parágrafo 5º da Lei nº. 22, ser autorizado a realizar a vacinação de qualquer maneira.


Desculpe, mas estamos falando da possibilidade de aplicar a vacina mesmo contra a vontade do interessado e de seus representantes ???
Lembramos que a vacina contra a Covid-19 é um produto experimental, fornecido apenas com autorização "emergencial", condicionada aos dados que serão coletados nos próximos anos. Não é uma “cura” e não apresenta até à data um certo perfil de segurança estabelecido de forma incontestável, assim como a sua eficácia ou duração ao longo do tempo não é garantida !!!
Mas isso não é tudo, infelizmente: o juiz tutelar tem bem (por assim dizer) 48 horas para validar ou negar a validação do pedido de vacinação. Outras 48h é o limite estabelecido para a comunicação desta validação ou recusa; mas depois desses termos, observe o que acontece:

9. Decorrido o prazo a que se refere o parágrafo 7º sem que tenha sido feita a comunicação nele prevista, o consentimento expresso nos termos do parágrafo 5º considera-se validado para todos os efeitos e torna-se definitivamente eficaz para os fins de administração da vacina. "




Em conclusão, vemos um perigo muito grave, especialmente para os idosos internados em asilos, hospícios, asilos: não só foram privados durante meses da oportunidade de se divertir e receber visitas regulares de parentes próximos; não só já havia sido decretado que era impossível pedir sua renúncia durante a emergência, como agora estão sendo tomados como alvos de “consentimentos” que não o são de forma alguma! O cônjuge, o filho, quem represente a família e parentes próximos, mesmo em caso de recusa, pode vacinar o seu ente querido, talvez até contra a sua vontade, por decisão direta do gestor ou gestor de saúde, se não do gestor ASL, que pode nem conhecer a pessoa em questão ...


Infelizmente, não temos nenhum conselho para podermos defendê-lo dessa deriva, a não ser monitorar atentamente, estar sempre disponível e tentar obter informações a respeito, também entrando em contato com um advogado caso suspeite de manobras pouco claras.
É muito grave que estejamos procurando uma forma de contornar as vontades de pessoas que, ao contrário, se decidiu, devem ser submetidas à experimentação, além de recordar a mesma lei que deveria tê-las protegido.


Encerramos com a esperança de que este triste capítulo da história termine o mais rápido possível.