Sombras chinesas em Covid, que não querem que a emergência termine

Sombras chinesas em Covid, que não querem que a emergência termine

Covid está acabando, mas há quem continue alimentando o medo para manter as limitações sociais. E assim o alarme da China para casos de contágio em Pequim foi recriado: 130 pessoas ao todo em uma cidade de 21 milhões de habitantes, tudo menos uma emergência. E mesmo na Itália, as evidências científicas falam de um vírus cada vez mais agressivo e virulento, o Instituto Mario Negri também documentou que novos positivos não são mais contagiosos. Mas a obstinação com que são alimentados medos irracionais não pode deixar de suscitar suspeitas sobre os interesses políticos e econômicos por trás dessa epidemia que não devem terminar.

A Covid está se esgotando, mas há quem simplesmente não queira se resignar a essa evidência, e persistentemente continua argumentando que a ameaça está sempre aparecendo, que devemos continuar mantendo as limitações da vida social.

Como os dados não correspondem a essa narrativa, aqui recorremos à China, um bicho-papão que sempre pode ser útil. E assim, nos últimos dias, a mídia do regime nos falou de uma situação "extremamente séria", de um Pequim envolvido "em uma luta contra o tempo" para interromper o contágio, através de "as medidas mais estritas, mais decisivas e determinadas", segundo o modelo chinês clássico que foi então importado para a Itália.

Então fomos ver o número dessa nova emergência, e conte-nos cerca de 130 casos de infecção em uma semana na capital. Pequim - deve-se lembrar - é uma cidade com mais de 21 milhões de habitantes. Portanto, temos um caso de pessoas infectadas por 200.000 habitantes. É como se tivéssemos cinco casos em Milão. E estamos falando sobre os infectados, não os hospitalizados ou os mortos.

Então, de que emergência estamos falando?

No entanto, o governo italiano continua a insistir sobre a existência de novos casos de Covid diagnosticados. Segundo o Ministério da Saúde, isso deve ser cauteloso, pois denotaria "que em algumas partes do país a circulação do vírus ainda é significativa", lê o relatório semanal do período de 8 a 14 de junho do Fase 2 de Acompanhamento. em toda a Península - continua o documento - foram diagnosticados novos casos de infecção na actual semana de monitorização, tendo os casos aumentado face à semana de monitorização anterior ”.

No entanto, o número de pacientes internados - principalmente em unidades de terapia intensiva - continua a declinar, assim como a mortalidade. O que essa evidência significa, que o governo faz de tudo para esconder? Que o vírus está perdendo sua agressão e virulência.

Ao tentar reacender o medo, A avaliação de um cientista autoritário, o professor Remuzzi, diretor do Instituto Mario Negri de Pesquisa Farmacológica, uma das instituições de maior prestígio na Europa, chegou na sexta-feira passada como um banho frio. "Os novos pontos positivos não são contagiosos", disse ele em entrevista. E isso ocorre porque a carga viral se tornou muito baixa. Isso foi descoberto analisando-se as zaragatoas realizadas no curso de pesquisa promovida pelo próprio Instituto, que demonstrou que os casos atuais de positividade têm uma carga viral não muito contagiosa e muito baixa. Nós os chamamos de contágios, mas eles são simplesmente pessoas positivas. São positividades que não têm conseqüências clínicas: não são pessoas doentes e não podem transmitir a doença a ninguém.

Alguém pode objetar que é um único estudo, mas, na realidade, estão surgindo outros trabalhos oficiais que confirmam esse quadro, como o de Centro de Prevenção de Doenças da Coreia do Sul feita em 285 pessoas assintomáticas positivas, que rastrearam 790 de seus contatos diretos. Quantos novos positivos? Zero.                         

Segundo o diretor de Mario Negri, O Istituto Superiore di Sanità e o governo devem qualificar a nova positividade, ou permitir que os laboratórios o façam, explicando às pessoas que uma positividade de menos de cem mil cópias não é contagiosa, portanto, não faz sentido ficar em casa, isolar, pois não é mais útil fazer traços bons no início da epidemia.

A existência de novos positivos não deve criar nenhum alarmismo: não é o mesmo tipo de positividade que nos últimos meses. Uma positividade que não pode mais dar as formas clínicas graves que vimos nos três primeiros meses da epidemia.
O governo, portanto, precisa tomar nota de quanto e como a situação mudou desde o distante 20 de fevereiro. E aja e se comunique de acordo.

Continuar alimentando medos irracionais só pode despertar suspeitas razoáveis ​​de que interesses políticos e econômicos estão sendo apresentados nessa epidemia que não devem "passar". Não é por acaso que os círculos governamentais não fazem nada além de repetir - surdos a qualquer evidência científica - que duas coisas são indispensáveis ​​para pôr um fim ao caso Covid: rastrear aplicativos e vacinas. Tertium non datur, mesmo que a evidência científica diga muito mais.


fonte: https://lanuovabq.it/it/ombre-cinesi-sul-covid-chi-non-vuole-che-lemergenza-finisca