Desinformação sobre Coronavírus da Saúde Mundial

Desinformação sobre Coronavírus da Saúde Mundial

LA OMS faz uma reverência a Pequim, comprometendo a resposta global à pandemia

A pandemia de coronavírus oferecerá muitas lições sobre o que fazer da próxima vez para salvar mais vidas e reduzir os danos econômicos. Mas já existe uma maneira de impedir que futuras pandemias sejam tão letais: reformar ou retirar fundos da OMS.

Na semana passada, o senador da Flórida, Rick Scott, solicitou uma investigação do Congresso (inquérito parlamentar) sobre o papel da agência das Nações Unidas "em ajudar a China comunista a esconder informações sobre a ameaça do coronavírus". O relacionamento sujo com a OMS vai além da troca de derrames com Pequim, mas é um bom ponto de partida.

A pandemia de coronavírus começou em Wuhan, China, no outono, talvez já em novembro, e acelerou em dezembro. A Caixin Global informou que os laboratórios chineses sequenciaram o genoma do coronavírus no final de dezembro, mas receberam ordens de instituições chinesas para destruir as amostras e não divulgar os resultados de suas pesquisas. Em 30 de dezembro, o Dr. Li Wenliang alertou os médicos chineses sobre o vírus e, vários dias depois, as autoridades locais o acusaram de mentiras que causavam "um sério distúrbio à ordem social".

Instituições de Taiwan alertaram a OMS em 31 de dezembro de que eles tinham evidências de que o vírus poderia ser transmitido de homem para homem. Mas a agência, curvando-se para Pequim, não tem um relacionamento normal com Taiwan. Em 14 de janeiro, a OMS twittou "As investigações preliminares conduzidas pelas autoridades chinesas não encontraram evidências claras sobre a transmissão de homem para homem". A agência levou mais uma semana para reverter essa desinformação.

Nos dias 22 e 23 de janeiro, uma comissão de emergência da OMS discutia se declararia o Covid-19 uma "emergência de saúde pública de interesse internacional". O vírus já havia se espalhado para vários países e fazer tal declaração teria preparado melhor o mundo. Deveria ter sido uma decisão fácil, apesar das objeções de Pequim. No entanto, o gerente geral Tedros Ghebreyesus recusou e foi para a China.

Finalmente, ele fez a declaração em 30 de janeiro - perdendo uma semana de tempo precioso - e sua retórica sugere que a viagem a Pequim foi mais sobre política do que saúde pública. "O governo chinês merece nossos parabéns pelas medidas extraordinárias que tomou", declarou. "Comecei com absoluta certeza sobre o compromisso da China com a transparência".

Um estudo da Universidade de Southampton sugere que o número de casos de coronavírus poderia ter sido reduzido em 95% se a China tivesse se mudado três semanas antes para conter o vírus. No entanto, o Dr. Tedros disse que Pequim estabeleceu "um novo padrão para responder à epidemia". Ele também elogiou a velocidade com que a China "sequenciou o genoma e compartilhou [a descoberta] com a OMS e o resto do mundo". A China não fez isso até 3 de janeiro.

Em 30 de janeiro, o Dr. Tedros também declarou que "a OMS não recomenda limitar o comércio e a circulação". O presidente Trump ignorou o conselho e anunciou restrições às viagens de e para a China no dia seguinte, retardando a propagação do vírus. As elites americanas progressistas que se referem à OMS criticaram Trump. A OMS não declarou o coronavírus uma pandemia até 11 de março.

Não que tudo isso tenha levado a um exame de consciência. Aludindo à China, o oficial da OMS Michael Ryan disse na semana passada "Também devemos ter muito cuidado para não delinear algumas partes do mundo como não cooperativas". Pequim fez propaganda dessas declarações, bem como de outras declarações da OMS.

Esse relacionamento é trágico, mas não surpreendente. Grande parte da culpa pelos fracassos da OMS está no Dr. Tedros, que é político, não médico. Como membro da ala esquerda da Frente de Libertação do Povo de Tigray, ele cresceu no governo autocrático da Etiópia como Ministro da Saúde e Relações Exteriores. Depois de assumir o cargo de gerente geral em 2017, ele tentou instalar o ditador do Zimbawe Robert Mugabe como embaixador da boa vontade na OMS.

A China inevitavelmente ganha mais influência internacional à medida que sua economia cresce. Mas por que a OMS parece temer muito mais a raiva de Pequim do que a de Washington? Apenas 12% da contribuição estimada dos Estados membros para a OMS vem da China. As contribuições dos EUA são de 22%. Os americanos em relação à OMS são genuinamente leais à instituição, enquanto as autoridades chinesas colocam os interesses da China à frente, caso contrário eles sofreriam a indignação de Pequim.

A influência da China na OMS foi organizada e coerente, enquanto a resposta dos EUA foi aleatória. Washington precisa de um apoio total para liderar a luta contra a China pelo domínio da OMS e de outras organizações internacionais. No entanto, o Gabinete do Departamento de Estado para Assuntos Internacionais da Organização não possui um oficial político.

Os Estados Unidos terão aliados em um esforço para reformar a OMS. O frustrado vice-ministro japonês chamou a OMS de "Organização Chinesa de Saúde". O primeiro-ministro britânico Boris Johnson está repensando as leis do Reino Unido-China por causa da falta de franqueza em relação ao vírus.

O Congresso deve investigar como a OMS agiu contra o coronavírus e se seus julgamentos foram corrompidos pela influência política da China. De todas as instituições internacionais, a OMS deve ser a menos politizada. Sua principal missão é coordenar os esforços internacionais contra epidemias e fornecer orientação honesta em saúde pública.

Se a OMS é apenas uma linha Maginot politizada contra epidemias, é pior do que inútil e não deve mais receber financiamento dos Estados Unidos. E se as elites da política externa querem saber por que tantos americanos desconfiam de instituições internacionais, a OMS é a razão.


fonte: https://www.wsj.com/articles/world-health-coronavirus-disinformation-11586122093