O preço das vacinas está aumentando: a obrigação afeta os gastos e é controversa

O preço das vacinas está aumentando: a obrigação afeta os gastos e é controversa
(Tempo de leitura: 2 - 3 minutos)

O requisito de vacinação introduzido pelo decreto de Lorenzin levou a um aumento geral nos gastos públicos.

Revelar esse aumento, que chega a 36%, é o Relatório Osmed amplamente distribuído na AIFA (Agência Italiana de Medicamentos). Dados em mãos passou de 358 milhões de euros em 2016 gastos em vacinas pago pelo Sistema Nacional de Saúde, para os 487,4 milhões registrados em 2017. Um aumento também previsível se considerarmos que em 10 vacinações obrigatórias introduzido pela provisão, há também outras 4 que é altamente recomendável executar.

De acordo com os dados indicados pela Aifa, entre 2016 e 2017, o despesa total com vacinas aumentou 130 milhões de eurosMas para determinar o aumento é o preço da dose única que passou de 14,02 € para 22,74 € em média. Fala-se, portanto, de cerca de 8 euros a mais por dose, um valor que, se multiplicado pelo número de vacinados (aumentando devido à obrigação), revela um acordo a zero. Para ganhar isso 62% mais elas são as multinacionais da droga, mas são o Estado, ou os próprios cidadãos, que pagam.

Em virtude disso, deve-se considerar que uma mudança no fornecimento de vacinas, também causa repercussões econômicas nas despesas públicas. Nesse caso, é fácil imaginar como a obrigação de vacinar só pode ter um impacto importante, despertando também a atenção da política. E foi o que aconteceu no dia 15 de outubro de 2015 no Senado, quando foi feito um pedido de detalhamento dos custos previstos para a compra das vacinas tendo em vista a "expansão significativa da oferta de vacinas definida em nível nacional".

O jornal "La Verità" foi ao fundo e, através dos dados e números fornecidos pela AIFA, foi possível constatar que esse aumento substancial nos preços afetou acima de tudo vacinações obrigatórias como sarampo (+14,2 milhões de euros) e meningocócicos (+84,1 milhões de euros), mas em geral afeta todos os tipos.

Quais são as cinco empresas farmacêuticas que registraram o maior faturamento? GlaxoSmithKline é o que mais observou um aumento no volume de medicamentos comprados em 2017 (em comparação a 2016), para um total de Aproximadamente 97,4 milhões de euros. A Pfizer seguiu registrando +19,249 milhões de euros, Merck com +8.850 milhões de euros, Sanofi Pasteur com +4.768 milhões de euros e Seqirus com +3.781 milhões de euros.


fonte: quifinanza.it