Italian Italiano

A indústria farmacêutica investe o dobro da pesquisa em marketing

A indústria farmacêutica investe o dobro da pesquisa em marketing

A medicina agora é um produto de consumo e somos bombardeados com notícias sobre a última cura milagrosa de plantão. Então, nos últimos anos, até pessoas saudáveis ​​foram transformadas em pacientes em potencial para vender algumas pílulas para ele

«Doutor, bom dia, estou doente. O que eu tenho? Não é fácil dizer, eu tento. " O quadro clínico se espessa com notas: sintomas, valores de colesterol, pressão, açúcar no sangue. Além de adjetivos: estressado, apático, deprimido. Mas não é só isso. O script possui três cenários possíveis: o médico prescreve uma lista de análises e verificações de diagnóstico; requer a visita de um especialista; vá para a compilação da receita. Raramente acontece que o médico escapa dessas três soluções e líquidos que o paciente diz: «Você é tão saudável quanto um peixe. Seus são obedientes como hipocondríacos ».

Neste caso, o paciente imaginário ele tem um cenário livre pronto, a peregrinação de um médico para outro em busca de quem descobrirá seu "problema". E ele certamente o encontrará. Assim como aqueles que o encontrarem o encontrarão prescreverá pílulas. Frequentemente útil apenas para quem os produz. Saúde, como Iona Heath escreve em seu ensaio "Against the health market" agora é um produto de consumo. E, juntamente com a demanda por bem-estar, muitas vezes alimentada pela publicidade disfarçada de informação, a tendência a medicalizar tudo cresce.

Se a medicina fez um grande progresso nas últimas décadas, entretanto, a saúde se tornou uma mercadoria e, como tal, fornece uma oferta. A demanda costuma ser condicionada por uma indústria farmacêutica que investe um terço de seu orçamento geral em marketing, o dobro do que gasta em pesquisa, como lembra Marcia Angell em “Farma & Co”. Não se passa um dia sem que os meios de comunicação proponham (promovam) a última terapia resolutiva para esta ou aquela doença (real ou presumida).

O que importa, pelo menos para isso, leva a acreditar nas mensagens que chegam aos médicos e aos pacientes é que "a última" terapia é a melhor. Os próprios especialistas tendem a acreditar que é o mais eficaz, mesmo que não seja o mais documentado do ponto de vista científico. Vantagens e deficiências que surgem levam tempo e nunca como nestes anos (os casos bem conhecidos de Lipobay, Vioxx, Avandia, todos os três medicamentos comercializados e retirados pelos graves efeitos colaterais demonstram isso) o processo de aprovação dos medicamentos sofreu uma aceleração questionável desejada pela indústria farmacêutica, em busca de lucros rápidos, mas também tolerado (favorecido) pelas agências reguladoras, que devem supervisionar a segurança dos medicamentos.

Por falar nisso, euAgência Europeia de Medicamentos (Ema), que Milão perdeu no empate a favor de Amsterdã, a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA), 80% são financiados pela indústria farmacêutica e suas decisões podem ser "condicionadas" por um inevitável conflito de interesses. A falta de transparência e independência por parte daqueles que devem desempenhar o papel de "controlador" lança uma sombra sobre sua confiabilidade. E, apesar da extraordinária melhoria do conhecimento, agora estamos em um estado de maior incerteza, como escreve Marco Bobbio, em "O paciente imaginado". 

Se até meados do século passado, apenas os doentes eram atendidos, hoje as doenças são curadas antes que ocorram, você joga antecipadamente convencido de que pode evitar todos eles. E transforma aqueles que são saudáveis ​​em doentes. Comitês de especialistas (com conflitos de interesse freqüentemente não declarados) diminuíram gradualmente os valores de colesterol e hipertensão, criando condições pré-doença, como pré-hipercolesterolemia ou pré-hipertensão. Condições que obviamente aumentam o número de pessoas que recorrem a drogas.

Surgiram dúvidas sobre a triagem oferecida para prevenir patologias temíveis, como o câncer: À medida que as técnicas de diagnóstico melhoram, o número de lesões muito pequenas identificadas aumenta (às vezes alguns milímetros) que levam a tratamentos desnecessariamente invasivos. No caso da mamografia, um estudo canadense, publicado no British Medical Journal há dois anos e durou 25 anos, questionou se poderia reduzir a mortalidade por câncer de mama. O lado sombrio do progresso tecnológico é chamado de sobrediagnóstico: em pessoas que não apresentam sintomas, é diagnosticada uma doença que nunca será sintomática ou causará mortalidade precoce.

E o poder excessivo atribuído à medicina traz riscos inevitáveis. Especialmente se a ciência médica, como acontece hoje, se move em uma encruzilhada de poderes econômicos, sociais, intelectuais e profissionais. Estamos imersos em um medicamento que "corre rápido e não é mais capaz de avaliar honestamente seus sucessos e fracassos; em um medicamento que utiliza ferramentas de diagnóstico e terapêuticas sem um conhecimento completo dos riscos e benefícios; em um medicamento que está perdendo de vista o significado da peculiaridade do encontro entre médico e paciente ", escreve Bobbio.

Metade a um terço dos estudos de pesquisa biomédica não são publicados porque não há obrigação de publicar a pesquisa realizada. e estudos com resultados negativos, denunciam os promotores da iniciativa AllTrials, têm menos probabilidade de serem publicados. A petição lançada pela AllTrials exige que todos os ensaios clínicos sejam tornados públicos e disponibilizados aos pesquisadores: sua falha na publicação leva a uma perda de informações vitais. Em 2008, as conclusões de uma pesquisa coordenada pelo inglês Irving Hull, publicado na revista online PloS, causaram sensação após ter adquirido do FDA os dados de ensaios clínicos (nunca publicados) sobre os antidepressivos de última geração, os ISRSs ou inibidores da recaptação de serotonina (incluindo o famoso Prozac, um medicamento cult para a depressão), o pesquisador concluiu que a melhora nos pacientes era comparável ao efeito de um placebo, ou seja, um medicamento não. Enquanto isso, milhões de pessoas em todo o mundo fizeram uso dele.

Il O setor farmacêutico é um dos poucos, apesar da crise econômica, que não conhece retrações.. Não tanto graças à descoberta de novas moléculas, como Ben Goldacre afirma em "Bad Pharma", quanto à promoção na qual os gigantes farmacêuticos alocam dezenas de bilhões de dólares todos os anos. A pressão é exercida com viagens, convites para conferências, presentes, campanhas de informação, financiamento para sociedades científicas e associações de pacientes. "Muitos médicos passaram a considerar suas relações perigosas com empresas farmacêuticas" normais ", escreve Goldacre.

Os nós para desatar, entre medicina e poder, identificados nos anos 70 por Giulio Maccacaro, permanecem atuais. E eles não estão fechados na medicina, mas expressam uma relação geral de poder. Médicos e medicina não constituem um mundo separado, uma espécie de área protegida. Porque a medicina se tornou efetivamente um setor econômico. E para citar um famoso aforismo de Aldous Huxley, autor de "O Novo Mundo", "a medicina fez tanto progresso que ninguém mais é saudável".


fonte: http://espresso.repubblica.it/attualita/2017/12/05/news/l-industria-farmaceutica-investe-in-marketing-il-doppio-rispetto-alla-ricerca-1.315133

Imagem

Newsletter

Lembre-se de confirmar sua inscrição com o link que você encontrará nos e-mails que lhe enviamos

0
ações

Estão interessados?

Siga-nos também nos nossos canais sociais ...

0
ações