Relatório, a cadeia de suprimentos suja da Índia para a Itália

Relatório, a cadeia de suprimentos suja da Índia para a Itália

Um rio que se tornou um laboratório ao ar livre, onde bactérias resistentes a antibióticos proliferam e correm o risco de matar os indivíduos mais fracos da Itália; medicamentos contaminados por uma cadeia de suprimentos desmarcada e pouco transparente; um sistema que, em nome da economia, põe em risco a segurança da saúde europeia e mundial: a jornada do Report, transmitida esta noite no Rai 3 e da qual podemos antecipar, é uma explicação do que a recente retirada de alguns medicamentos tem em comum pela pressão (Valsartan, Losartan e Irbesarta) e pelo estômago (Zantac e Randil) devido à contaminação de seus ingredientes ativos e às mortes que ocorreram na Toscana devido a uma bactéria resistente a antibióticos chamada "Nova Délhi ".

O problema bactericida: contaminado por substâncias cancerígenas nos países mais pobres, eles também geram organismos resistentes a medicamentos

TUDO COMEÇA no dia 19 de setembro, quando a Ema, Agência Europeia de Medicamentos, pede às empresas farmacêuticas que verifiquem os medicamentos que fabricam porque podem estar contaminados com nitrosaminas, que anos de literatura científica identificaram como cancerígenos e que atacam o fígado, estômago e esôfago. As "impurezas" também são encontradas em medicamentos muito populares e, segundo estimativas da Ema, podem causar um tumor para cada 3500 pacientes. Mas a agência também admite que o escopo não é precisamente quantificável. A qualidade está faltando, os controles estão ausentes, o chamado Mdma não deve estar presente, mesmo em limiares muito baixos. Subir a cadeia de produção é muito complicado. Os folhetos relatam apenas os últimos lugares de onde o lote de remédios se mudou, mas, na realidade, 60% dos ingredientes ativos são de países não europeus: Índia, China, Brasil, Armênia e Argentina. Cada pílula, como é explicado na investigação de Giulio Valesini, pode ter componentes de 12 países e quatro continentes. O Ema, que é 80% financiado pela indústria farmacêutica, deve decidir sobre a oportunidade de informar a fonte. As empresas, de fato, afirmam que a China e a Índia são os melhores locais para estocagem, de onde também chegam os ingredientes ativos dos medicamentos genéricos. A filosofia - eles dizem - é ir aonde custa menos, mas apenas se os produtores forem bons e verificados de acordo com os padrões europeus. Pena que as inspeções são "pilotadas" ou detectam máquinas enferrujadas e condições de higiene insuficientes sem conseqüências aparentes.

Então, chegamos à Índia, onde existe a fábrica de Saraca, uma das que vende ranitidina contaminada e também usada para venda de medicamentos na Itália. Está no centro de um distrito farmacêutico no sul da Índia, um dos mais importantes do mundo com 170 implantes. Aqui também está a Aurobindo, a gigante fornecedora indiana de genéricos, mas, acima de tudo, existem empresas que fornecem os produtos intermediários necessários para desencadear as reações químicas que levam ao ingrediente ativo. As câmeras de reportagem mostram solventes químicos, sujeira, máquinas enferrujadas, reatores, barris de plástico. "Não parece higiênico", diz o repórter. "Fabricamos produtos semi-acabados aqui e seguimos seus padrões - responde o proprietário -. Se seguíssemos mais alto, os custos se multiplicariam e as pessoas comuns não poderiam pagar medicamentos mais baratos ". Mostra o sistema de água de resfriamento, o lixo acaba nos rios. Poluem e os sistemas de tratamento não são eficazes.