Vírus infeccioso na respiração exalada de casos sintomáticos de gripe sazonal de uma comunidade universitária

Vírus infeccioso na respiração exalada de casos sintomáticos de gripe sazonal de uma comunidade universitária

Nesta tradução, relatamos apenas um dos nossos RESUMO e CONCLUSÕES. Deixamos a consulta de todo o estudo disponível nos links na parte inferior da página.

Prefácio (de Corvelva)

Novas pesquisas científicas publicadas pela Academia Nacional de Ciências (PNAS) revelam que as pessoas que recebem a vacina contra a gripe emitem 630% mais partículas do vírus influenza no ar do que indivíduos não vacinados. In effetti questa scoperta documenta la prova che i vaccini antinfluenzali diffondono l'influenza e che la cosiddetta "immunità della gregge" è una bufala medica perché "il gregge" in realtà si trasforma in portatori e diffusori di influenza 6,3 volte in più dei non vaccinati.
Lo studio, che ha esaminato 355 volontari con sintomi simil-influenzali, ha scoperto che le persone che in precedenza avevano ricevuto vaccini antinfluenzali emettevano quantità più elevate di particelle di virus influenzale.


Dallo studio: "L'RNA virale nelle particelle esalate era anche positivamente associato alla vaccinazione antinfluenzale sia per la stagione corrente che precedente ... Forniamo prove schiaccianti che gli esseri umani generano particelle esalate infettive e dati quantitativi per migliorare i modelli matematici di trasmissione e interventi di sanità pubblica ... La nostra osservazione di un'associazione tra la vaccinazione ripetuta e l'aumento della generazione di particelle esalate virali hanno dimostrato la potenza del nostro metodo, ma hanno bisogno di conferma.

Sorprendentemente, le persone che hanno ricevuto vaccinazioni antinfluenzali emettono 6,3 volte (o 630%) il numero di particelle di virus influenzali emesse da individui non vaccinati.


Proc Natl Acad Sci EUA
Jing Yana, Michael Granthama, Jovan Pantelica, P. Jacob Bueno de Mesquitaa, Barbara Alberta, Fengjie Liua, Sheryl Ehrmanb, Donald K. Miltona e EMIT Consortium
Setembro 2017


Abstrato

Pouco se sabe sobre a quantidade e infecciosidade do vírus influenza no hálito exalado. Isso contribui para a incerteza sobre a importância da transmissão da gripe aviária. Triamos 355 voluntários sintomáticos com doença respiratória aguda e relatamos 142 casos com infecção confirmada por gripe que forneceram 218 amostras respiratórias nasofaríngeas (DN) e 30 minutos de respiração nos dias 1-3. após o início dos sintomas. Avaliamos o número de cópias virais do RNA para todas as amostras. Nós recuperamos o vírus infeccioso de 52 (39%) do "aeresol fino" e 150 (89%) dos swabs de NP com culturas válidas. Os números médios geométricos de cópias de RNA foram 3,8 x 104/30 minutos minutos, 1,2 x 104/30 minutos minutos de aerossol e 8,2 x 108 por tampão NP. O RNA viral de "end aeresolo" e bruto associou-se positivamente ao índice de massa corporal e ao número de tosses e negativamente associado ao aumento de dias desde o início dos sintomas nos modelos ajustados. O RNA viral de "end aeresolo" ele também foi associado positivamente à vacinação contra a gripe nas temporadas atual e anterior. O RNA viral do tampão NP foi associado positivamente aos sintomas respiratórios superiores e negativamente associado à idade, mas não foi significativamente associado ao RNA viral do aerossol fino ou grosso ou seus preditores. Espirrar era raro, e espirros e tosse não eram necessários para a geração de aerossóis infecciosos. Nossas observações sugerem que a infecção por influenza nas vias aéreas superiores e inferiores é compartimentalizada e independente.


fonte: www.ncbi.nlm.nih.gov