"5G, porque é certo se preocupar"

"5G, porque é certo se preocupar"

Mandrioli, do Instituto Ramazzini de Bolonha, fala. O centro de carcinógenos de última geração busca recursos para testar a tecnologia. "3G já causa tumores."

jump.bz: Daniele Mandriolicoordenador de pesquisa paraInstituto Ramazzini de Bolonha, o centro de ponta da Itália para estudos experimentais sobre substâncias cancerígenas, em Bolzano você conversará com o conselho da cidade sobre os possíveis efeitos da tecnologia de quinta geração para telefones celulares e a Internet das coisas. Os cidadãos precisam se preocupar com o 5G?

Daniele Mandrioli: o principal problema com o 5G é que ainda não existem estudos sobre as frequências e intensidades mais altas das ondas eletromagnéticas que demonstram a segurança ou não dessa tecnologia. Nosso principal interesse como entidade de pesquisa seria estudar os possíveis efeitos, porque já estudamos frequências de rádio, como as das antenas de rádio base 3G, no 1,88 GigaHertz, usadas, por exemplo, pela telefonia móvel.

O que você descobriu?

Destacamos um aumento dos tumores gliais em 2018, em particular devido às doses mais elevadas que em todo o caso ultrapassam as doses máximas de exposição italianas, de 50 volts / metro, sendo o limite de 20 volts / metro. Os nossos estudos - feitos com exposições de 5, 25 e 50 volts / metro - estão em linha com os resultados do governo americano, publicados alguns meses antes, nomeadamente um aumento dos tumores gliais para exposições equivalentes às dos telemóveis. Estudamos o campo de uma base de rádio, mesmas frequências, mas doses mais baixas de exposição, seus telefones celulares, mas as formas de câncer eram as mesmas.

Em nosso estudo experimental concluído em 2018, estabelecemos que o 3G "antigo" causa tumores gliais nas doses de exposição mais altas. Os resultados estão em linha com os dos EUA do Programa Nacional de Toxicologia

Então existe uma correlação entre as ondas de telefones celulares e a incidência de tumores?

Em modelos experimentais, sim, quero dizer em nossos estudos em modelos animais. Em particular, a Organização Mundial da Saúde, no ramo que estuda substâncias cancerígenas (Iarc), já havia avaliado as radiofrequências como possíveis substâncias cancerígenas justamente porque os seres humanos haviam visto um aumento nos gliomas vestibulares e nos schwannomas muito semelhantes aos que vimos em modelos animais, tanto na Itália quanto nos Estados Unidos. A primeira evidência epidemiológica mostrou aumentos de risco em linha com os observados empiricamente nos estudos com ratos Sprague Dawley, o principal modelo usado para pesquisas de laboratório sobre carcinogênese. 

O 5G ainda é um campo desconhecido?

É, mesmo que seja um tópico de interesse, considerando os aspectos adicionais de complexidade dessa tecnologia, desde a orientação das antenas até o uso de várias frequências juntas. É interessante observar os efeitos, porque vimos que, com o aumento da intensidade das ondas, os efeitos cancerígenos nos animais também aumentavam. Deve-se considerar que, enquanto o 3G é limitado a frequências de 1,8 GigaHertz, o 5G deve atingir 50 vezes mais, com um aumento de intensidade ainda a ser verificado, mas que pode atingir 60-70 volts por metro dos atuais 20 volts por metro .

5G, o sistema de telecomunicações de quinta geração, infelizmente ainda é um campo desconhecido. Porém, deve ser estudado, também porque a intensidade das ondas pode ser 50 vezes maior do que a tecnologia atual. Mas os fundos são necessários para os experimentos

Em suma, os cidadãos têm motivos bem fundamentados de preocupação?

Eu acredito que os cidadãos deveriam pedir estudos para ter alguma evidência. Fala-se muito, mas muito pouca evidência é produzida. A esperança de todos nós é claramente que o campo 5G terá poucos ou poucos efeitos; por outro lado, faria pouco sentido fazer o experimento quando tivermos habilidades laboratoriais consolidadas para antecipar e descobrir se um agente é cancerígeno ou não.

Instituto Ramazzini
A missão dos pesquisadores: para os especialistas do Instituto Ramazzini de Bolonha é descobrir os agentes cancerígenos. Mas também se uma substância ou tecnologia colocada no mercado não é prejudicial. No entanto, os estudos custam e precisam de financiamento. Foto: Instituto Ramazzini

O Instituto Ramazzini, nascido em 1971, na sequência do projeto de Cesare Maltoni sobre cloreto de vinila, está se candidatando a esses estudos?

É assim. Lembro que somos o instituto que na Europa estudou mais substâncias, mais de 200, perdendo apenas no mundo para o programa nacional de toxicologia, que é governamental e analisou 700. Metade dos agentes estudados por nós provou ser cancerígena, o outro metade não. Isso é importante porque, mesmo que o interesse da mídia em nós se concentre em descobertas prejudiciais, também é essencial esclarecer o que não é perigoso. Na mesma edição do jornal que relatou nosso estudo em 3G, também informamos que as baixas frequências de eletricidade não têm efeito prejudicial, mas o espaço atribuído aos dois itens era completamente diferente.

Os cidadãos precisam se preocupar com uma coisa: pedir estudos. Talvez o 5G seja inofensivo

Natural que a descoberta de uma substância perigosa crie mais alarme. Mas você já iniciou um projeto no 5G?

No momento, infelizmente não. Existe algum município que gostaria de financiar nossos estudos, alguma pequena entidade interessada, mas nada estruturado para iniciar uma aventura como a do 5G que custa vários milhões de euros. O 3G nos custou 5 milhões, o dos EUA 25.

Você diz: A Itália possui uma estrutura de excelência em estudos sobre substâncias cancerígenas, se deveria ser financiada adequadamente, com atenção a uma tecnologia como 5G com grande potencial de difusão?

Ficaríamos emocionados se órgãos e cidadãos públicos decidissem apoiar um estudo neste setor. A pior coisa que penso é indecisão, sem saber se uma tecnologia que pode afetar 6 bilhões de pessoas em um futuro próximo é prejudicial ou não. Não faz sentido, do ponto de vista científico, também porque, se não faz nada, não há nada a esconder.

Após nosso estudo sobre 3G, não vimos nenhuma alteração específica. Mas os órgãos reguladores terão que tomar uma decisão. Na Itália, a palavra pertence ao estado

Alguma coisa mudou após o seu estudo em 3G?

Do ponto de vista dos limites, pelo menos na Itália, não vimos nenhuma mudança específica. No entanto, os resultados on-line produzidos por nós e pelo instituto americano agora serão avaliados pelos órgãos reguladores. No caso da Itália, a palavra pertence ao legislador, portanto ao estado e ministérios. Nos EUA, no entanto, a toxicologia nacional também é um órgão regulador, portanto eles já esclareceram o efeito sobre os tumores em modelos animais.

O princípio não deve ser revertido, primeiro que uma tecnologia não é prejudicial e depois colocá-la no mercado?

De fato, o que se aplica, por exemplo, à química, não se aplica ao princípio "sem dados, sem mercado" para outros setores. Infelizmente, no caso das radiofrequências, não há restrições deste ponto de vista, não é necessário provar a segurança do produto, em termos de efeitos crônicos a longo prazo, antes de vendê-lo.

Em química, não se aplica nenhum princípio de mercado, em outros campos não. Sem os estudos experimentais que fizemos nos anos 80, ainda estaríamos aqui discutindo os riscos potenciais do amianto.

O medo é que possamos repetir o que aconteceu com o fumo ou com o amianto.

Se uma substância causa tumores em humanos, descobrimos 30, 40 anos depois para latência fisiológica. Mas em nosso modelo experimental em três anos, existe toda a vida do rato, o equivalente a 3 para os seres humanos. Assim, você tem a análise do potencial efeito cancerígeno da substância em um tempo muito curto, podendo assim adotar medidas preventivas.

Como resultado, testes em animais são úteis e necessários, certo?

Não fazer um estudo experimental pode significar sacrificar milhares de pessoas, como no caso do amianto. Fomos nós nos anos 80 que fizemos os estudos experimentais sobre o material - assim como em toda a nossa atividade analisamos cloreto de vinila, monômero de PVC, benzeno, formaldeído, diesel, gasolina, pesticidas, radiação ionizante, a lista é longa - e lamento dizer que sem nós ainda estaríamos aqui falando sobre riscos, não certezas. Tantas vezes os estudos epidemiológicos não são suficientes, há necessidade de evidências comprovadas para estabelecer se um agente é cancerígeno ou não.

O Tirol do Sul é uma terra atenta ao meio ambiente e à saúde. Espero que possamos iniciar uma captação de recursos em 5G, como a de pesticidas. O crowdfunding para glifosato foi iniciado

A convite dos Verdes, você participará da audiência sobre 5G na Câmara Municipal junto com Luca Verdi da agência provincial para o meio ambiente e Elena Marchetto da Fastweb. Você aproveitaria a oportunidade para estender o apelo ao Tirol do Sul para encontrar fundos úteis para estudos sobre a Quinta Geração?

Absolutamente, o Tirol do Sul é uma terra que conhecemos bem e com a qual tivemos e temos muitos relacionamentos. Um território sensível em geral às questões ambientais. Com um milhão de euros, poderíamos começar. De maneira semelhante, iniciamos a experiência de estudo sobre o glifosato, o pesticida mais vendido no mundo, que usa a campanha de crowdfunding que até agora arrecadou € 200.000. Poderíamos repetir esse caminho.


fonte: https://www.salto.bz/it/article/05112019/5g-perche-e-giusto-preoccuparsi