Italian Italiano

45.000 mortes todos os anos por negligência médica

45.000 mortes todos os anos por negligência médica

Os dados que trazemos para você são um pouco datados, mas não tanto desde que estamos falando de 2011. "45.000 mortes por negligência médica em hospitais italianos" era o título do Newsletter quinzenalmente, sobre questões bioéticas e de direitos civis, edição 46, de 6 de dezembro de 2013, por Carlo Troilo, Luca Coscioni Association.

A Associação Luca Coscioni pediu a um gerente da mesma associação, além de professor de Análise e organização de sistemas de saúde no Politecnico di Milano, Prof. Marcello Crivellini, para comentar um artigo anterior que apareceu no "Corriere della Sera" e a resposta foi cuidadosa análise dos quais relatamos o texto inteiro. Gostaríamos de antecipar um dado acima de tudo:

Todos os anos na Itália, há pouco menos de 500.000 erros devido a negligência médica, incluindo mais de 45.000 mortes. Em média, 4.000 pessoas morrem de acidentes de trânsito por ano, mil do trabalho.


Quantas mortes por negligência médica?

Os efeitos negativos dos cuidados de saúde sobre a saúde e as finanças dos cidadãos são devidos a pelo menos 3 tipos de comportamento:

  1. comportamentos dos operadores que cometem erros devido a incapacidade profissional ou má gestão corporativa
  2. comportamentos de operadores e empresas que visam intencionalmente colher benefícios econômicos, mesmo que em contraste com a saúde (e as finanças) dos usuários
  3. comportamentos de operadores e empresas que apóiam os medos dos doentes (ou presumem que sejam) e favorecem o poder econômico-social de operadores e empresas, enquanto se opõem à proteção da saúde e da ética profissional.

O tipo 1 inclui verdadeiros erros clínico-sanitários devido à falta de competência, superficialidade ou negligência na gestão do processo de tratamento por operadoras individuais ou empresas de saúde. Os exemplos podem ser: diagnósticos errados, intervenções cirúrgicas ou administração de medicamentos errados ou em doses erradas, atrasos, trocas de pacientes, etc ... Paradoxalmente, são os mais facilmente evitáveis.

O tipo 2 geralmente inclui serviços desnecessários e intervenções terapêuticas que são realizadas para benefício pessoal e / ou corporativo: muitas operações "sugeridas" aos pacientes, muitas prescrições para medicamentos e testes de diagnóstico (o Serviço Nacional de Saúde ou o paciente) não é necessário para a saúde dos cidadãos, mas é útil para o orçamento daqueles que prescrevem. Estudos internacionais estimam que cerca de 30-40% de todos os cuidados de saúde são desnecessários. E no caso de intervenções no corpo, intervenções desnecessárias também são prejudiciais ao paciente, tanto em termos de saúde quanto de economia. Essa massa de assistência médica inútil e prejudicial ao paciente (mas útil para profissionais e empresas de saúde) é chamada de "assistência médica induzida".

O terceiro tipo de comportamento aproveita as condições frágeis dos enfermos (ou daqueles que temem que o sejam) e seus medos, apoiando-os na atribuição de habilidades diagnósticas ou terapêuticas a intervenções que não deveriam ser prescritas, mas que são prescritas sob a "pressão" dos pacientes ou para construir álibis futuros; renuncia-se assim aos deveres profissionais, alimentando conscientemente as ilusões e proporcionando um "placebo" caro e também inútil (portanto potencialmente prejudicial). É o que os médicos costumam chamar de "medicina defensiva", esquecendo-se de definir os dois primeiros comportamentos como "medicina ofensiva".

Todos os três tipos de comportamento estão presentes e difundidos na área da saúde, com enormes dimensões e efeitos. Portanto, a distinção entre "negligência médica" e saúde é, em alguns aspectos, enganosa. A distinção que se deve ter sempre em mente é entre saúde e saúde, medindo e avaliando a saúde única e exclusivamente com base em seus efeitos reais (e cientificamente comprovados) sobre a saúde.

Mesmo o debate sobre financiamento ou cortes deve se basear apenas nesta distinção. Por outras palavras, a confusão entre saúde e saúde leva as operadoras, as empresas de saúde, os interesses internos ou os ribeirinhos da saúde (na Itália 9,2% do PIB, mais de 140 mil milhões de euros por ano são gastos com saúde) a pedir mais dinheiro para cuidados de saúde, gabando-se de que eles se transformarão automaticamente em mais saúde para os cidadãos. Não é o caso: todos os dados comparativos sobre saúde e saúde dos países industrializados desmentem essa fábula do uso e consumo da saúde e de suas necessidades internas.

Voltando ao que a mídia chama de "negligência médica", é bom saber que os casos notificados relatados periodicamente são apenas a ponta do iceberg do que realmente ocorre.

Desde a década de 90, muitos estudos internacionais quantificaram erros nos cuidados de saúde e, em particular, aqueles no hospital. Eles mediram que o número de "eventos adversos" (erros que causam danos aos pacientes) está entre 4 e 12% das hospitalizações e que pelo menos 4% desses eventos adversos resultam na morte do paciente.

Somente recentemente (2011) uma pesquisa séria semelhante foi realizada na Itália, cujas conclusões foram:

  1. 5,2% dos hospitalizados sofrem um evento adverso,
  2. 9,5% deles levam à morte do paciente.

Essas conclusões obrigam a afirmar que os erros dos hospitalizados são na Itália pouco menos de 500 mil por ano e que as mortes por eles são superiores a 45 mil por ano. As mortes no trânsito são de cerca de 4, enquanto as que trabalham cerca de XNUMX por ano.

Não houve transmissão televisiva sobre esses dados assustadores e os únicos artigos estão confinados às páginas "técnicas" de alguns jornais.

Certamente o artigo de Ravizza e Santucci deve ser considerado positivamente; trata de um aspecto importante, mas marginal, com relação aos fenômenos vistos, sua natureza e tamanho.


fonte: 

Imagem

Newsletter

Lembre-se de confirmar sua inscrição com o link que você encontrará nos e-mails que lhe enviamos

Política de Privacidade
0
ações

Estão interessados?

Siga-nos também nos nossos canais sociais ...

0
ações