Escândalo da Aifa: corrupção ou presentes?

Escândalo da Aifa: corrupção ou presentes?

"Matteo Mantovani admitiu: fez alguns presentes, mas não corrompeu ninguém. Os interrogatórios ocorreram ontem em Roma para mais um capítulo negro da saúde, uma história de supostos favores para as empresas farmacêuticas para ajudá-las a comercializar medicamentos sem as garantias da lei. Dois funcionários da AIFA estavam envolvidos, a Agência de Medicamentos criada para cancelar o período mais sombrio da Farmacópolis, que envolvia a Comissão Única de Medicamentos e Duilio Poggiolini, e acabou novamente em um processo judicial ".

Matteo Mantovani é advogado da empresa farmacêutico e está sob investigação por corrupção. Durante o interrogatório de ontem do Ministério Público de Roma (responsável pela maioria dos trinta suspeitos no território) e da magistrada de Turim, Sandra Recchione, admitiu ter pago a Pasqualino Rossi, representante da AIFA na Agência Medicamentos Europeus (EMEA) a renovação de janelas domésticas, móveis e viagens por cerca de 20 mil euros.

Pasqualino Rossi é representante da Itália da Agência Europeia de Medicamentos e é o principal suspeito na investigação. Mesmo para ele, o crime de corrupção é assumido. Seu interrogatório durou cinco horas: ele admitiu ter recebido presentes, mas especificou claramente que "nunca havia feito nada contra a saúde dos cidadãos e nada contra a administração pública".

Leia sobre La Stampa

fonte: https://www.lastampa.it/2008/05/24/blogs/diritto-di-cronaca/scandalo-aifa-corruzione-o-regali-Rj5fvrSrxt7P1qWrVZCSdJ/pagina.html