A Big Pharma verifica médicos e órgãos de saúde. É necessário garantir total transparência aos pacientes

A Big Pharma verifica médicos e órgãos de saúde. É necessário garantir total transparência aos pacientes

O alarme lançado pela Ema, oAgência Europeia de Medicamentos, devido ao risco de que alguns medicamentos contenham substâncias potencialmente cancerígenas, mais uma vez coloca o complexo relacionamento entre empresas multinacionais de medicamentos e instituições de saúde no centro do debate público.

Nas mesmas horas, chegou a notícia de que na Itália em um ano, em 2018 e 2017, as despesas com medicamentos oncológicos aumentaram em 659 milhões: hoje um ciclo de terapia com novos medicamentos anticâncer pode ser caro 100.000 €. Esse preço não tem relação real com o custo de produção e pesquisa das substâncias colocadas no mercado.

Esses fatos, diferentes um do outro, destacam o enorme poder e liberdade de ação que possui Big Pharma. Uma força que mais de uma vez foi usada para subornar figuras políticas e líderes ministeriais em todo o mundo, incluindo especialistas daOrganização Mundial da Saúde.

 Tem um certo efeito descobrir que o especialista, a quem você confiou os cuidados de sua saúde, recebeu uma compensação econômica de uma das maiores empresas farmacêuticas do mundo e a surpresa aumenta quando você percebe que mesmo o hospital super especializado, onde você está foi, também recebe recursos da mesma multinacional. Você tenta se consolar pensando que eles prescrevem medicamentos e testes de controle validados por órgãos científicos, acima de todas as suspeitas. Mas então você descobre que várias escolas de medicina e as mesmas sociedades científicas encarregadas de receber financiamento da mesma empresa atualizar as diretrizes indicando as melhores terapias para cada patologia; há também o Istituto Superiore di Sanità, um órgão científico do Ministério da Saúde, que tem o dever de monitorar os ensaios em andamento.

Nesse ponto, restam muito poucas certezas.

Há alguns meses, o Codacons “Decidiu publicar a lista de médicos e fundações / universidades / institutos italianos financiados pela empresa farmacêutica Glaxo-Smith-Kline, divulgada pela EFPIA (Federação Europeia das Indústrias e Associações Farmacêuticas) ... a Glaxo-Smith-Kline - escreve Codacons - tornou públicas, entre outras coisas, também as listas de médicos italianos que em 2015/2016/2017 receberam finanziamenti (por meio de serviços, consultoria, eventos diversos) ... o total doado pela Glaxo-Smith-Kline aparece crescendo: mais de 11 milhões em 2015, mais de 13 milhões em 2016, quase 15 milhões em 2017. Agora a pergunta é legítima: para que serve esse dinheiro? Entre universidades, fundações e hospitais, é surpreendente, em particular - continua Codacons - ler o nome do Istituto Superiore di Sanità (125.660,00 em 2016, 93.940,00 euro em 2017 para "serviços e consultoria"): parece pelo menos inapropriado que o corpo técnico-científico do Serviço Nacional de Saúde esteja incluído na lista e seria realmente adequado explicar os motivos dessas transferências "[Radio Popolare, transmissão "37e2", queixa do presidente da Codacons, do minuto 27,58].

Glaxo obviamente não é a única empresa farmacêutica desenvolver tal política e, de fato, em um episódio subsequente A Codacons publicou dados relacionados a outros protagonistas das grandes indústrias farmacêuticas tais como: Abbvie, Almirall, Merck, Msd, Hospira, Pfizer, Pfizer Italia, Pierre Fabre Pharma, Pierre Fabre Italial.

A queixa do Codacons foi seguida por pesquisa publicada pelo Fundação Gimbe em fevereiro de 2019 "2107 transferências de valor da indústria farmacêutica para operadores e organizações de saúde ": “As análises foram realizadas sobre transferências de valor de 14 empresas farmacêuticas que juntas representam 51,5% do volume de negócios total do setor em 2017 (10.997 euros / 21.337 milhões de euros) "naquele ano", as 14 empresas transferiram completamente € 288,1 milhões - dos quais- € 45,9 milhões (15,9%) foram destinados a profissionais de saúde, € 124,8 milhões (43,3%) para organizações de saúde e € 117,3 milhões (40,7%) para pesquisa e desenvolvimento ".

Su o manifesto 9 de setembro de 2018 Andrea Capocci cita uma pesquisa de 2016 publicada no BMJ Open, segundo a qual 65% das associações médicas italianas são patrocinadas por empresas farmacêuticas, mas apenas as 6% destes, insere esses fundos em seu orçamento anual.

Para todo ser humano, a saúde é o maior bem; deve ser garantido transparência total em tudo relacionado ao mundo da medicina, nenhum paciente, quando um médico prescreve uma cura, deve ter a dúvida de que o interesse econômico de alguém pode estar por trás desse tablet. É urgente que, conforme solicitado por uma parte substancial do mundo científico, instituições nacionais e internacionais intervenham, cada uma em sua esfera, com medidas que possam proteger nossa saúde dos danos causados ​​por voracidade de poder farmacêutico.


fonte: https://www.ilfattoquotidiano.it/2019/09/29/big-pharma-controlla-medici-ed-enti-sanitari-ai-pazienti-va-garantita-totale-trasparenza/5485545/