Os milhares de vítimas causadas pelas empresas multinacionais de drogas

Os milhares de vítimas causadas pelas empresas multinacionais de drogas
(Tempo de leitura: 2 - 3 minutos)

Enquanto na Itália toda influência clama contra a praga e a ameaça de epidemias terríveis (e, portanto, eles querem nos forçar a vacinar as formigas em nossos jardins também), as multinacionais farmacêuticas são protagonistas de outro escândalo ...

Enquanto na Itália toda influência grita contra a praga e a ameaça de epidemias terríveis (e, portanto, elas querem nos forçar a vacinar as formigas em nossos jardins também), as multinacionais farmacêuticas são protagonistas de outro escândalo que causou milhares de vítimas devido a analgésicos prescritos por médicos compatíveis como se fossem amendoins e tornassem os pacientes viciados em morte.

Há uma epidemia de dependência que causou nos Estados Unidos 70 mil mortes por overdose somente em 2017 e 400 mortes de 1999 até hoje. A multinacional farmacêutica norte-americana Johnson & Johnson foi condenado pela promoção de analgésicos opióides 572 milhões em danos.  

Mas mais horror é adicionado à tragédia. De fato, com a notícia da condenação da multinacional Johnson & Johnson, a bolsa reagiu positivamente com um sinal de mais 4% porque se esperava uma sentença maior. Imaginemos o acionista comemorando porque apesar dos milhares de mortos seu investimento não foi afetado, ao contrário, aumentou ...

Mas que tipo de pessoas é essa? Quem pune essas empresas e seus líderes? Onde está a justiça? Tudo isso acontece pela simples razão de que aqueles que mantêm a política na posição vertical e forrageira são os mesmos que talvez estejam no topo da Corporação, os de todos os campos, da energia aos produtos farmacêuticos, dos alimentos à química, com consciência. em seus próprios incontáveis ​​"entalhes"; mas, sendo capaz de pagar tudo e todos, os mortos não valem nada, pelo contrário, é brindado se as multas impostas forem inferiores ao esperado. E amanhã eles continuarão fazendo o mesmo, se não pior, tanto quanto for calculado, mesmo as possíveis perdas decorrentes de multas, são os chamados "custos do mal".

Um mundo completamente invertido, onde aqueles que contribuem para a morte de milhares de pessoas vêem seus lucros aumentarem; mas se alguém simplesmente quer optar por ser vacinado ou não, é apontado como um criminoso. 

As corporações nunca vão mudar, elas são e vivem em um mundo que nada tem a ver com o real, um mundo feito apenas de dinheiro, onde o ganho nunca é suficiente em uma espiral perversa sem fim. Não podem mudar, mas quem prescreve seus produtos deve necessariamente fazer objeções de consciência e se perguntar se obedecer a essas pessoas é verdadeiramente humano e correto. Se houver pessoas que estudaram para curar outras pessoas, a primeira coisa que deveriam fazer é rejeitar os próprios venenos considerados remédios. Felizmente, entre os luminares da folha de pagamento das multinacionais farmacêuticas também existem aqueles que questionam a homeopatia, dizendo que ela tem pouca ou nenhuma eficácia, apesar de milhões de pessoas usá-la e com uma literatura científica sem fim para apoiá-la. Serão milhões de idiotas? Eu duvido fortemente. No entanto, não é verdade que a homeopatia faz pouco, mas mesmo que fosse, é melhor fazer pouco do que matar pessoas, isso é certo.

Recomendamos o filme Corporação, tão oportuno como sempre para descrever sua esquizofrenia absoluta que apenas produz danos.


fonte: http://www.ilcambiamento.it/articoli/le-migliaia-di-vittime-provocate-dalle-multinazionali-dei-farmaci