Essure, o tribunal espanhol também investiga os contraceptivos da Bayer

Essure, o tribunal espanhol também investiga os contraceptivos da Bayer

O Tribunal Superior da Espanha, a Audiencia Nacional, abriu um processo criminal contra a Bayer, a Sociedade Espanhola de Ginecologia e a Agência Espanhola de Medicina (Aemps) depois de receber uma série de reclamações relacionadas aos danos do contraceptivo Essure. A decisão do tribunal espanhol vem depois disso no EU e a venda do contraceptivo foi proibida na Europa.

Vendido pela Bayer, o Essure é um implante anticoncepcional permanente que é inserido cirurgicamente nas trompas de falópio de uma mulher. A bobina de metal causa fibrose, que atua como uma barreira para impedir que os espermatozoides cheguem aos ovários. A Bayer enfrenta cerca de 16.000 ações judiciais contra Essure nos Estados Unidos enquanto França uma ação de classe está pendente.

A acusação criminal privada foi iniciada no início de julho pela Essure Victims Association em nome de 30 mulheres, que denunciaram crimes de saúde pública. Este grupo afirma que as mulheres não foram deliberadamente informadas sobre os riscos para a saúde do produto. Segundo os advogados, “os pacientes nunca foram adequadamente informados sobre possíveis complicações relacionadas ao produto que poderiam afetar sua saúde. Esta é uma omissão intencional".

As mulheres afirmam que o Essure o causou dor contínua, sangramento, vômito, diarréia, perda de cabelos e dentes e lacrimejamento do útero e das trompas de falópio. "Eles perderam seus órgãos reprodutivos", comenta o advogado Francisco Almodóvar, "tornando-se completamente estéril", enquanto aqueles a quem as trompas de falópio foram removidas só podem engravidar por meio de inseminação in vitro.

A Bayer, uma das empresas farmacêuticas mais poderosas do mundo, gradualmente retirou o Essure do mercado global. No ano passado, a empresa parou de distribuir na Espanha, mas alegou que a decisão não estava relacionada a reclamações sobre sua segurança. Em um comunicado de imprensa publicado em setembro de 2017, a Bayer afirmou que a mudança foi "por razões comerciais", alegando que a demanda pelo produto na Espanha "havia diminuído drasticamente".


fonte: