Médicos que recebem presentes de empresas farmacêuticas prescrevem mais

Médicos que recebem presentes de empresas farmacêuticas prescrevem mais

Um estudo publicado em 6 de novembro de 2019 reforça "a suposição de que a indústria farmacêutica pode influenciar as prescrições dos clínicos gerais".

Médicos franceses que recebem presentes de empresas farmacêuticas tendem a fazer "prescrições mais caras e de menor qualidade"pelo contrário, aqueles"que não recebem nenhum benefício da indústria farmacêutica estão associados, em média, a melhores indicadores da eficácia de suas prescrições e geralmente custam menos", tudo isso surgiu de um estudo recente do Center Hospitalier Universitaire de Rennes.

A Escola de Estudos Avançados em Saúde Pública declarou 1 que esses resultados não demonstram um nexo de causalidade, mas "reforçam a hipótese de que a indústria farmacêutica pode influenciar as prescrições dos clínicos gerais e oferecer informações sobre a extensão dessa influência".

"Essa influência, às vezes desconhecida pelos médicos, pode levar a um tratamento abaixo do ideal, às custas da saúde do paciente e dos custos da comunidade".

"Prescrições mais genéricas"

O estudo mostra que "em média (...) o grupo de médicos que não recebeu nenhum benefício está associado":

  • prescrições mais baratas;
  • várias prescrições de medicamentos genéricos comparado com os mesmos medicamentos não genéricos (para três tipos de medicamentos: antibióticos, anti-hipertensivos, estatinas);
  • menor prescrição de vasodilatadores e benzodiazepínicos por longos períodos, cuja utilização não é recomendada pelo Medicare;
  • menos prescrições sartan em comparação com outra família de medicamentos, recomendada por sua eficácia semelhante a custos mais baixos.

Por outro lado, "não há diferença significativa na prescrição de aspirina, antidepressivos genéricos ou inibidores genéricos da bomba de prótons", medicamentos antiácidos.

"Muito dinheiro para promoção"

Os autores também mostram que, quanto maior a quantidade total de benefícios recebidos, maior o custo incremental médio por prescrição, bem como o déficit de versões genéricas para antibióticos, anti-hipertensivos e estatinas.

"As empresas farmacêuticas gastam muito dinheiro na promoção de medicamentos cujos presentes são apenas uma parte", diz o Dr. Goupil, citando um relatório da Comissão Europeia publicado em 2009.

"Parece improvável que esse dinheiro seja gasto com prejuízo e que os resultados de nosso estudo sejam consistentes com os estudos existentes para influenciar as prescrições".

90% dos médicos "receberam pelo menos um presente" desde 2013

O estudo, publicado no British Medical Journal (BMJ), baseia-se na interseção de dois bancos de dados. O primeiro é o portal Trasparenza Santé, (2) no qual devem ser declarados todos os "elos de interesse" dos profissionais de saúde; (3) em particular, os custos de equipamentos, refeições, transporte ou hotéis oferecidos por empresas do setor (laboratórios farmacêuticos). , fabricantes de dispositivos médicos, etc.), a partir de 10 euros.

Segundo esse banco de dados, "quase 90% dos clínicos gerais receberam pelo menos um presente desde 2013", diz Pierre Frouard, clínico geral de Rennes e coordenador do estudo. "Este é o primeiro estudo dessa magnitude na França" que explora os dados deste portal, diz Bruno Goupil, primeiro autor do estudo, entrevistado pela AFP.

A segunda base é o Sistema Nacional de Dados de Saúde (NSDS), (4) que lista consultas, procedimentos médicos, prescrições médicas e hospitalizações reembolsadas, mantendo o anonimato do segurado.

Os autores revisaram as prescrições de pouco mais de 41.000 médicos de clínica geral que trabalham exclusivamente no setor público e os classificaram em seis grupos, com base na quantidade de benefícios recebidos durante o ano de 2016.


  1. https://www.ehesp.fr/wp-content/uploads/2019/11/CP-sous-embargo-Etude-rennaise-generalistes-avantages-BMJ-6nov19-1h.pdf
  2. https://www.transparence.sante.gouv.fr/flow/main;jsessionid=B46E18D94BAB45FB312370CE4800E581?execution=e1s1
  3. https://www.lemonde.fr/sante/article/2014/06/26/un-site-eclaire-les-liens-d-interets-entre-laboratoires-et-professionnels-de-sante_4446315_1651302.html
  4. https://www.snds.gouv.fr/SNDS/Accueil

fonte: https://www.lemonde.fr/societe/article/2019/11/06/les-medecins-qui-recoivent-des-cadeaux-des-laboratoires-pharmaceutiques-prescrivent-plus-et-moins-bien_6018197_3224.html