Ilaria Capua havia sido interrogada pelo promotor público. Aqui está o relatório

Ilaria Capua havia sido interrogada pelo promotor público. Aqui está o relatório

Em 2007, o virologista veio espontaneamente com o advogado para responder a perguntas do proprietário da investigação de Capaldo. A investigação foi então dividida em três procurações. Somente em Verona terminou com a absolvição

Ilaria Capua, a cientista que deixou a Itália por estar envolvida em uma investigação judicial que se arrastava há dez anos e da qual exonera, afirma nunca ter sido ouvida pelos magistrados. Isso não é verdade. Existe um relatório de interrogatório de 57 páginas datado de 2 de julho de 2007, no qual "o suspeito Capua Ilaria" (indicado expressamente) responde às perguntas do promotor romano Giancarlo Capaldo, no contexto do processo criminal n. 24117/06. Trata-se de uma investigação sobre a produção e comercialização clandestina de vacinas para aves de corte inferior, iniciada com testes realizados pelo Nas após a epidemia de gripe aviária que atingiu as fazendas de Veneto, Lombardia e Emilia Romagna entre 1999 e 2003.

Não foram apenas os que ganharam dinheiro com esses infortúnios: poderia-se temer que surgissem epidemias. O procedimento é o mesmo que foi descompactado em 2015 e distribuído a vários promotores da Itália. A hipótese acusatória - que mais tarde caiu - foi que Ilaria Capua, chefe do laboratório de virologia do Instituto Zooprofilático de Pádua, centro nacional de referência, havia colaborado na transferência ilegal do vírus H7N3 para a empresa Merial spa, uma das multinacionais multinacionais de vacinas para animais. .

No interrogatório, a Dra. Capua se apresentou espontaneamente, mas sabia, como sabia seu advogado Oliviero De Carolis, que substituiu o milanês Paolo Dondina nomeado seu defensor, que ela estava em um processo criminal.

Se há uma coisa pela qual o judiciário deve se desculpar, é ter passado 9 anos antes de chegar à audiência preliminar, em 15 de maio de 2015, em frente ao Gup em Roma, onde o procedimento foi desmembrado para diferentes competências: uma seção foi para Pavia, uma para Verona e a terceira para Pádua. Pavia desapareceu do radar. Em Verona, a juíza investigadora Laura Donati decidiu na segunda-feira a absolvição, enquanto em Pádua, onde Ilaria Capua não aparece, a promotora Maria D'Arpa fez o mesmo pedido, mas a juíza investigadora ainda não se pronunciou. Detalhes não insignificantes: não é solicitado o registro de alguns crimes, como tentativa de suborno ou corrupção, porque o fato não existe, mas devido a receita médica.

Mas voltemos às atas do interrogatório de 2 de julho de 2007 em frente ao promotor Giancarlo Capaldo. Quem tinha que ter uma imagem bastante precisa dos acontecimentos, a julgar pelas perguntas que ele colocava para Ilaria Capua. A primeira coisa que ele está interessado em esclarecer é a contradição entre o comportamento de Cápua e o da comissão consultiva de medicamentos, referente à importação de Dindoral, uma vacina viva para o tratamento de perus. O dindoral foi seqüestrado assim que chegou à Itália, porque a comissão havia estabelecido que não havia emergência, enquanto Cápua havia dado uma opinião favorável ao ministério da saúde. Como os dois foram juntos? Cápua não sabia do não da comissão, ela se dava bem dizendo: "São pontos de vista diferentes".

A discussão muda para os mecanismos de marketing de drogas animais. "Não sei nada sobre marketing, cuido da parte técnica", responde Capua. "Me pediram uma opinião." "Mas a opinião era sobre marketing", insiste o promotor, que também quer saber quem cuidou disso no Instituto Zooprofilático. "O diretor administrativo Francesco Favretti e o gerente geral Igino Andrighetto" são a resposta. Os dois ainda estão sob investigação na seção de Paduan.

O Zooprofilático de Pádua funcionava como um banco de vacinas. "Fizemos o diagnóstico da gripe aviária em toda a África", explica Ilaria Capua. "Fomos os pioneiros da vacinação". "Mas como ocorre a transição para as empresas?" pergunta Capaldo. "A pedido deles, mas nem sempre o fazemos", responde a Cápua. No entanto, por insistência do magistrado que deseja entender as passagens, ele é incapaz de especificar. "Para quem é a autorização para entregar?" não desista da tarde. "Não me lembro se o pedido vem diretamente da empresa ou do ministério". "Mas é ela quem deve autorizar." "Não, eu não estou dando a autorização." "A autorização implicitamente ao funcionário, que vai pegar o registro e depois entregá-lo." "Então, o pedido chega a mim: Ilaria entrega dois registros ao Dr. Tizio, que virá buscá-los e concordar, e eu faço."

Sabe-se que a vacinação aviária na Itália foi suspensa em 31 de dezembro de 2006, com a decepção de Cápua, porque é evidente que mais do que a epidemia a pandemia da mídia: "Fala-se em colapso no consumo de carne e 70% de ovos, que custam muito aos produtores ", diz o pesquisador. “Como custa dinheiro vacinar animais, até onde eu entendi os produtores queriam o co-financiamento do ministério. Um mecanismo que eu não conheço foi acionado ”.

As campanhas de vacinação animal levam à descoberta da briga latente entre as três empresas multinacionais de virologia, que estão competindo pelo mercado: Merial, Ford Dodge e Intervet. "O diretor geral dos serviços veterinários do ministério, Mirabelli, ficou irritado", diz Capua. "Os holandeses da Intervet isolaram a vacina por conta própria e tivemos que usá-la porque era a única disponível". Romano Mirabelli também é um dos suspeitos. A primeira campanha de vacinação foi realizada com o H7N3 da Merial, vendido sob a mesa - segundo as investigações de Nas - pela própria Capua, com o apoio de Stefano Marangon, em troca de dinheiro.

Este é o ponto que deve ser esclarecido. Mas o promotor não leva as perguntas nessa direção: evidentemente ele não quer descobrir as cartas. O advogado de defesa De Carolis percebe isso, que toma a iniciativa: "A pergunta que estou fazendo ao Dr. Capua é a seguinte: existem interesses econômicos com empresas farmacêuticas que podem se relacionar com a sua posição?" "Absolutamente não", responde o Cápua. "Você recebe contribuições de qualquer tipo?" insiste De Carolis. "Absolutamente não."
"Você conhece alguma dessas empresas, tem relacionamentos constantes?" insira o pm Capaldo. "Trabalho com eles há dez anos, conheço-os, é claro", responde Capua. "Os técnicos ou mesmo os administradores?", Pergunta novamente o promotor. "Bem, eu conheci o CEO da Merial italiana, não sei se ainda é ele, o nome dele é Crippa".
"E outros personagens em particular, com quem você tem mais contatos?", Resume o advogado De Carolis. "Para a Intervet, existe a Dra. Meini", responde Ilaria Capua. "Esta é a resposta à pergunta do defensor", é o esclarecimento sibilino do promotor Capaldo, com o qual a ata é encerrada.

Sibillina porque Amelio Meini era o gerente da Intervet a quem "Capua e Marangon queriam fazer o teste discriminatório Diva patenteado pela Zooprophylaxis, em troca de lucros patrimoniais pródigos para Marangon e Capua". Isso pode ser lido nos jornais de Paduan, dos quais emergem mesmo "pagamentos injustificados feitos pelo Instituto em favor do marido de Cápua, Richard John William Currie".
Tudo prescrito. O clamor permanece em torno de um caso judicial que quebra a opinião pública.


fonte: https://espresso.repubblica.it/attualita/2016/07/08/news/ilaria-capua-era-stata-interrogata-dal-pm-ecco-il-verbale-1.276821