O golpe das pandemias

OMS eleva o nível de alarme Pânico global construído artisticamente?

OMS eleva o nível de alarme Pânico global construído artisticamente?

O primeiro filho infectado com a gripe suína se chama Enrique Hernandez e hoje joga futebol, sobe em árvores. Um pirralho animado e sorridente que jura na frente dos jornalistas: "Eu me sinto bem". Difícil não acreditar nele. Em Genebra, a Organização Mundial da Saúde continua a jogar com níveis de alarme. Eram três, depois se tornaram quatro, ontem atingiu cinco em uma escala de seis. Mas, lendo cuidadosamente seus lançamentos ansiosos, os dados são encontrados como tudo menos preocupantes. As mortes confirmadas pelo vírus suíno são sete. Na verdade, oito, calculando o bebê mexicano que morreu ontem em uma clínica no Texas. Eight? Mas eles não estavam apenas no México? E os casos suspeitos não foram dois mil e quinhentos?

Algo está errado. A dúvida de que a história foi ampliada artisticamente é cada vez mais forte, cada vez mais concreta. Também porque as semelhanças com a gripe aviária são evidentes, antes de tudo, considerando como o contágio surgiu. O surto do vírus das aves foi identificado no sul da China em uma fazenda de gansos, mantida, como de costume naquelas partes, em condições higiênicas desastrosas. E hoje? Na aldeia de La Gloria, 2500 habitantes no estado de Veracruz, no México, famosos por sua pobreza e pelas fazendas gigantes de porcos, certamente não são exemplos de limpeza e conformidade com as regras de proteção à saúde.

E quem morreu então? Aqueles que viviam em contato com animais infectados sem tomar as precauções necessárias e cujo corpo estava enfraquecido por outra doença ou com deficiências imunológicas que diminuíam o nível de anticorpos; coincidentemente, como hoje. Não foram (e não são) as pessoas saudáveis ​​que adoeceram, mas predispuseram, de uma maneira ou de outra.

Evidentemente, isso não significa que uma influência emprestada de animais deva ser negligenciada. Pelo contrário, uma coisa é monitorar uma situação e tomar precauções na proporção certa; outra é ampliar um problema local e transformá-lo em um alarme mundial, alimentando o espectro de uma pandemia.

Quando isso acontece, é aconselhável ter cuidado. Há cheiro de rotação ou daquelas técnicas que permitem orientar e, às vezes, manipular a opinião pública. Para o benefício de quem e por quê? Em aves - como, entre outras coisas, uma esplêndida investigação de Sabrina Giannini para o Report - beneficiaram-se uma empresa americana de pesquisa, Gilead Science, presidida por muito tempo pelo ex-chefe do Pentágono Donald Rumsfeld, que criou o Tamiflu. E a Roche, como é conhecida, produz e comercializa o agora famoso antiviral, cujas vendas explodiram. Nunca se soube quem era o diretor; mas o filme da época é muito semelhante ao de hoje, porque espalhar o pânico coletivo é menos complicado do que pensamos. Desde que as instituições estejam envolvidas, o que muitas vezes garante inconscientemente o efeito de alavancagem.

A operação requer: primeiro, um cliente, que sempre permanece na sombra. Segundo, especialistas em comunicação que sabem como usar a dinâmica da sociedade da informação moderna a seu favor. Terceiro, um teste, verdadeiro ou aparente: algumas mortes suspeitas, outras infectadas. Quarto, um mistério angustiante: a doença desconhecida e capaz de evocar medos atávicos como o da gripe espanhola. Enquanto o alarme se limitar a uma realidade local, a opinião pública permanecerá quieta; mas assim que um governo ou uma instituição internacional toma conhecimento do problema, o pânico começa a se espalhar e se alimenta de si mesmo.

O alarme de suínos disparou quando o governo mexicano falou com o país em tom dramático, seguido algumas horas depois pelo americano. Nesse momento, a OMS entrou em fibrilação e, por sua vez, em todos os governos do mundo. Qual estado pode correr o risco de ser acusado de subestimar a "praga do ano XNUMX"? E assim por diante, com press releases e conferências de imprensa, que geralmente enviam mensagens contraditórias. O vírus está lá, mas não é sério. De fato, sim, e tem "potencial pandêmico". A vacina está faltando? Ajuda, mas está chegando; de fato, não e, de qualquer forma, existem antivirais. As pessoas estão confusas. Quanto menos ele entende, mais medo ele tem. Um medo de que alguém se beneficie e muito. Por razões que ainda não sabemos.


fonte: https://www.ilgiornale.it/news/l-oms-alza-livello-d-allarme-panico-globale-costruito-ad.html

Corvela

Publique o módulo Menu na posição "offcanvas". Aqui você pode publicar outros módulos também.
Saber mais.

0
comparatilhe