Vacina, que grande roubo

Vacina, que grande roubo
(Tempo de leitura: 3 - 5 minutos)

O golpe deH1N1: mais de 23 milhões de doses não utilizadas
o local do governo e da estranha preempção de Sirchia para o Novartis

O governo Berlusconi jogou fora 184 milhões de euros. o Novartis arrecadou um bilhão de euros.
O Ministério da Saúde assinou um contrato com Novartis que definir desequilibrado em favor da multinacional suíça é pouco, mas veremos isso depois de colocar em evidência outro fato. Girolamo Sirchia - condenado em primeira instância a três anos por ter subornado o bolso, a prisão escapou graças ao perdão, suspensa por cinco anos em cargos públicos - em 2004, quando era ministro da Saúde no segundo governo de Berlusconi, em negociação privada (ou seja, sem concurso público) pago a Novartis 3 milhões de euros com direito a prevenção da possível produção de vacinas em caso de pandemia. E a gripe chegou H1N1.

"Construiu" a pandemia, o governo de Berlusconi comprou a vacina do Novartis com um contrato que foi mantido em segredo por suas cláusulas, como uma "reclamação" do Tribunal de Contas. 24 milhões de doses, no valor de 184 milhões de euros, a serem pagas antecipadamente, com o compromisso do governo de assumir a responsabilidade por quaisquer efeitos colaterais e de pagamento em caso de danos a terceiros por razões que não foram atribuíveis a defeitos de fabricação .
Em contrapartida, as vacinas coletadas e distribuídas aos Asl eram iguais ao valor de 10 milhões contra os 184 pagos. E apenas 865 mil foram inoculados. O resto? Eles vão acabar no lixo, pois expiram em breve. Resultado: enorme desperdício de dinheiro público, pelo qual ninguém responderá. Moral: os cidadãos foram enganados três vezes de uma só vez.

A primeira quando o então vice-ministro e hoje ministro da Saúde, Ferruccio Fazio, ele repetiu que estávamos diante de uma pandemia mortal de tamanho inimaginável, criando pânico entre a população.
O segundo, quando retirados da ansiedade, os cidadãos foram às instalações hospitalares para serem vacinados e descobriram que tinham que assinar o consentimento informado, porque a vacina não havia passado por todas as vacinas. teste necessário para ser colocado no mercado.
A terceira, quando descobriram que o estado, ou seja, eles haviam comprado 24 milhões de doses por 184 milhões de euros e usado 865 mil por 10 milhões de euros.

Um exemplo completamente diferente vem da Polônia, onde o primeiro ministro, Donald Tusk ele acusou as empresas farmacêuticas de quererem se responsabilizar por quaisquer efeitos colaterais, já que a vacina não havia sido suficientemente testada. E o ministro da saúde, o médico Ewa Kopacz, aumentou a dose acrescentando que, se os fabricantes não concordassem em assumir a responsabilidade legal por cada caso de pessoa ferida, as vacinas não poderiam ser compradas.
A Finlândia fez o mesmo decidindo que aqueles que queriam ser vacinados poderiam fazê-lo às suas próprias custas e por seu próprio risco, porque o Estado não financiaria nem distribuiria a vacina.

Na Itália, por outro lado, 184 milhões de euros foram jogados fora, apesar da opinião contrária de muitos farmacologistas - incluindo a do diretor do Instituto de Pesquisa "Mario Negri" em Milão, Garattini, segundo o qual a corrida às vacinas é explicada pela "grande pressão das indústrias que teriam feito fortes ganhos" - que era uma vírus "de leve virulência" e comprar a vacina não seria "grande coisa".

Para os cidadãos, mas não para a Novartis, é claro. A isto deve-se acrescentar que a vacina, excluindo acidentalmente a americana, contém esqualeno que, segundo pesquisa realizada no Tulane Medical School em veteranos da Guerra do Golfo vacinados contra antraz com uma vacina contendo o adjuvante imunológico MF59 (contendo esqualeno) mostrou que "95% que desenvolveram o Síndrome da Guerra do Golfo, que causou milhares de mortes, tinha anticorpos para esqualeno ".

Mas a sombra do conflito de interesses que aparentemente apenas foi resolvido com a nomeação do Ministro da Saúde de Fazio, um papel desempenhado por Maurizio Sacconi cuja esposa Enrica Giorgetti ela é gerente geral da Farmindustria.
É claro que a Novartis que produziu a vacina não é uma empresa italiana. Mas como podemos ignorar que a Farmindustria é um membro internacional da Federação Europeia (EFPIA) e em todo o mundo (FIIM-IFPMA)? Além do fato de que o Ministério da Saúde, por meio da AIFA (Agência Italiana de Medicamentos), estabelece os preços dos medicamentos, que devem ser retirados do comércio e quais não. Possui controle sobre a Farmindustria (que reúne mais de 200 empresas farmacêuticas que operam na Itália, capital nacional e estrangeiro) com relação ao início da empresa, natureza das plantas, produtos, colocação no mercado e apresentação do produto (etiqueta , folheto e publicidade) etc.

Conflito denunciado por Antefatto.it? , ignorado pela mídia e descrito pelos britânicos natureza, uma das revistas científicas mais antigas e prestigiadas do artigo "Mãos limpas, por favor"(Mãos limpas, por favor), que diz: "Além disso, as conexões entre os ministérios da Saúde e Bem-Estar e o sistema industrial são desagradáveis: por exemplo, a esposa do ministro Maurizio Sacconi é diretora geral da Farmindustria, a associação que promove os interesses das empresas farmacêuticas ".


fonte: https://www.ilfattoquotidiano.it/2010/01/18/vaccino-che-grande-imbroglio/12851/