Vacina anti-meningite com óxido de ferro: lotes retirados. Famílias processam

Vacina anti-meningite com óxido de ferro: lotes retirados. Famílias processam

Encontre impurezas no medicamento Meningitec produzido pela Neuron Biotech. Aifa garante: "Retiradas por precaução, não houve danos". Um grupo de pais: "Entre os efeitos imediatos, febre alta e náusea. Mas ninguém fala sobre os de longo prazo. Aviso dado pela empresa e não pelos órgãos de controle"

A retirada da vacina Meningitec do mercado, arrastou centenas de famílias para o pânico. Dois pedidos emitidos peloAgência italiana de drogas (Aifa) em 26 de setembro e 6 de outubro. Sob acusação onze lotes do medicamento (que imuniza o meningococo C e é administrado a crianças entre 12 e 15 meses) produzido pela empresa farmacêutica holandesa Nuron Biotech, que entrou no mercado na Itália a partir de Maio 2013. Dentro dos frascos "a presença de um corpo estranho laranja avermelhado identificado como" foi encontrada óxido de ferro e aço inoxidável ". É o que informa o site on-line da Aifa em 13 de outubro, depois de receber o relatório da mesma empresa de fabricação. Outra comunicação segue três dias depois o que garante a inexistência de efeitos potenciais que poderia ter resultado do uso dessas seringas.

A última palavra, no entanto, pertence à Comissão Técnica Científica da Aifa que, no dia 27 do mês passado, declara que "até o momento não há indicações de que o impurezas (partículas de óxido de ferro), se presentes, podem afetar a eficácia da vacina ". A retirada, como sempre acontece em casos suspeitos, foi precautório. As anomalias, ressalta Aifa, não dizem respeito a todas as embalagens dos lotes identificados. Mas o medo de que algo deu errado permanece. Tanto é assim que um sessenta famílias, (a vacina é geralmente proposta a um ano de vida da criança, juntamente com o de sarampo-caxumba-rubéola) soube da notícia, decidiu processar. Estes são principalmente residentes do Lazio, Veneto e Calabria. "Descobri graças ao Facebook - explica Sandro Airaldi, da Castrolibero, na província de Cosenza, que vacinou seu filho em julho de 2013 - pai de uma cidade próxima à minha, Corigliano, publicou um aviso. Então eu imediatamente perguntei. Liguei para a ASL, solicitei o certificado com o número de série da vacina administrada ao meu filho e depois Eu me virei para um advogado. "

O Sr. Airaldi também fundou um grupo na rede social "Escândalo de vacinas meníngicas C", ele conta Membros 153, todos diretamente envolvidos. “Isso serve para nos manter atualizados, pois os órgãos competentes fingem que nada aconteceu. Nem o ASL me avisou, estou indignado. " A injeção da vacina em seu filho resultou em febre altavômitos e diarréia. "O pediatra me tranquilizou, são efeitos colaterais comuns, ele me disse." também Fabiola Ermo, de Roma, soube da retirada dos lotes através do rede social. “Faço parte de um grupo de mães e uma delas deu o alarme. Agora queremos a verdade. " As famílias envolvidas eles confiaram no advogado Roberto Mastalia, que está preparando uma queixa contra a AIFA, o Ministério da Saúde e a empresa farmacêutica holandesa. “As avaliações da AIFA não levam em consideração os danos que podem ocorrer no futuro. No momento, os remédios ainda não os excluem ”, observa o advogado.
“Não se pode aceitar - acrescenta - que a empresa que produz Meningitec foi a primeira a dar o alerta, e não os órgãos de supervisão do estado. E então, quem nos diz que o Nuron Biotech não esperou para descartar os lotes antes denunciar a contaminação? ".
Outro detalhe que pode perturbar as famílias é encontrado no comunicado de imprensa publicado em portal online da empresa: "O óxido de ferro e o aço oxidado - segundo ele - podem produzir reações locais e sistêmicas semelhantes às produzidas pelo ingrediente ativo da Meningitec". Conclusão: é difícil estabelecer se os efeitos adversos são aqueles normalmente causados ​​pela vacina ou contaminados. A tarefa de verificar as vacinas antes que elas entrem no mercado cabe aFaculdade de Saúde que até agora não encontrou nenhuma esquisitice e faz o alarme voltar. Ele não se importa nem Silvio Garattini, diretor do Instituto Mario Negri de Pesquisa Farmacológica. Seu comentário: “A retirada de lotes de medicamentos é bastante frequente. Acontece que existem alguns impureza. Mas até agora eles nunca se mostraram prejudiciais à saúde humana. Estudos sobre as consequências à distância, no entanto, ainda estão em andamento ".