Italian Italiano

Covid: Garantidor de privacidade, não a "passes de vacinação" para acessar instalações ou usar serviços sem uma lei nacional

Covid: Garantidor de privacidade, não a "passes de vacinação" para acessar instalações ou usar serviços sem uma lei nacional

Este artigo foi retirado do Comunicado à Imprensa do Garantidor de Privacidade de 1 de março de 2021.


Covid: Garantidor de privacidade, não a "passes de vacinação" para acessar instalações ou usar serviços sem uma lei nacional

Com a chegada das vacinas anti-Covid-19, discute-se a oportunidade de iniciar a implementação de soluções, inclusive digitais (por exemplo, apps), para atender à necessidade de disponibilizar informações sobre ser vacinado ou não como condição para ' 'acesso a certas instalações ou para a utilização de certos serviços (por exemplo, aeroportos, hotéis, estações, ginásios, etc.).

A este respeito, se se pretende recorrer às soluções acima mencionadas, o Fiador da Privacidade chama a atenção dos decisores públicos e dos operadores privados italianos para a obrigação de cumprir as normas sobre a proteção de dados pessoais.

Os dados relativos ao estado vacinal, de facto, são dados particularmente delicados e o seu tratamento incorrecto pode ter consequências muito graves para a vida e direitos fundamentais das pessoas: consequências que, neste caso, podem resultar em discriminação, violações e compressões ilegítimas de liberdades constitucionais.

O Fiador considera, portanto, que o tratamento dos dados relativos ao estado de vacinação dos cidadãos, para efeitos de acesso a determinadas instalações ou utilização de determinados serviços, deve ser objeto de legislação nacional, em conformidade com os princípios da proteção de dados. (em particular, os da proporcionalidade, limitação da finalidade e minimização dos dados), a fim de alcançar um equilíbrio justo entre o interesse público a perseguir e o interesse individual na confidencialidade.

Na ausência desta possível base jurídica - em cuja compatibilidade com os princípios estabelecidos pelo Regulamento da UE, o Fiador reserva-se o direito de decidir - a utilização, sob qualquer forma, por entidades públicas e privadas de prestação de serviços ao público, de aplicações e passes destinados a distinguir cidadãos vacinados de cidadãos não vacinados devem ser considerados ilegítimos.

Esta questão será objecto de um próximo relatório ao Parlamento.

Roma, 1 Março 2021


fonte: https://www.garanteprivacy.it/web/guest/home/docweb/-/docweb-display/docweb/9550331

Imagem

Newsletter

Lembre-se de confirmar sua inscrição com o link que você encontrará nos e-mails que lhe enviamos

Política de Privacidade
0
ações

Estão interessados?

Siga-nos também nos nossos canais sociais ...

0
ações