Vacinas, a circular de operação enviada com procedimentos e prazos às escolas

Vacinas, a circular de operação enviada com procedimentos e prazos às escolas
(Tempo de leitura: 3 - 5 minutos)

O Ministério da Educação, Universidade e Investigação enviou hoje às escolas a circular que contém as primeiras indicações operacionais para a implementação do decreto-lei n.º 73, de 7 de junho de 2017, convertido com alterações pela lei n. 119, de 31 de julho de 2017, sobre prevenção da vacinação.
A circular inicia com uma premissa sobre a lei e seus propósitos e continua com as indicações para instituições de ensino, a partir daquelas para a gestão da fase de transição prevista para os anos escolares de 2017/2018 e 2018/2019.

As instalações
A lei - lembra a circular - que intervém sobre a obrigatoriedade da vacinação, assegura a toda a população, de forma homogénea em todo o território nacional, acções destinadas a prevenir, conter e reduzir os riscos para a saúde pública. A extensão da vacinação, portanto, representa um avanço na proteção da saúde da comunidade e de cada pessoa. A Assembleia da República e o Governo têm trabalhado em conjunto, na conversão do decreto-lei, para que as escolas possam colaborar na protecção da saúde colectiva, no âmbito das suas competências e no pleno respeito do direito à educação.

O artigo 3º-bis do decreto-lei, acrescentado durante a conversão, estabelece que, a partir do ano letivo 2019/2020, após uma primeira fase transitória, são as Autoridades Locais de Saúde (ASL), uma vez recebidas pelas escolas a relação dos cadastrados e cadastrados com até 16 anos, para devolvê-la com a indicação dos que possam não estar em conformidade com os requisitos de vacinação. No caso de creches, a não apresentação da documentação que ateste o cumprimento das obrigações de vacinação acarretará na perda da inscrição. Já para os graus de ensino subsequentes, não há repercussões no acesso ao serviço escolar.

O decreto-lei, conforme convertido, não altera a legislação atual do ponto de vista do acesso à escola: o artigo 100 da Lei Consolidada de Educação de 1994 já subordinava a admissão ao jardim de infância à apresentação da certificação. de certas vacinas. De fato, com a lei, as formalidades previstas para as instituições de ensino serão simplificadas: as escolas não precisarão mais adquirir os certificados de vacinação realizados para todos os estudantes e todos os matriculados nos vários graus de ensino, mas simplesmente transmitir a lista de estudantes e alunos para o ASL, através do sistema de informação do Ministério.

A fase transitória
Para o ano letivo de 2017/2018 e para 2018/2019, o disposições transitórias estabelecido por lei e ilustrado na circular, que pode ser simplificado com base em acordos entre os Escritórios Regionais de Escolas e as Regiões, através das ASLs, a fim de facilitar famílias e escolas. alguns Regiões na verdade, eles estão preparando ações específicas para simplificar a documentação que as famílias terão que entregar às escolas até o ano de 2018/2019 (a partir de 2019/2020, passamos para a simplificação definida por lei).

A lei, como é conhecida, se estende a 10 vacinações obrigatórias e gratuitas para todos os alunos e idades entre zero e 16 anos. E tem a obrigação de as Regiões garantirem a oferta ativa e gratuita, para menores de zero a 16 anos, também para outras 4 vacinas não obrigatórias. A obrigação é cumprida de acordo com as indicações contidas no calendário de vacinação nacional em relação a cada coorte de nascimentos. O calendário de vacinação está disponível no link fornecido pelo Ministério da Saúde: www.salute.gov.it/vaccini.

As escolas têm a tarefa de adquirir a documentação relativa à obrigação de vacinação e devem relatar qualquer não apresentação desta documentação à ASL local. Para provar o efeito das vacinas, uma declaração substitutiva pode ser apresentada. No caso de isenção, omissão ou adiamento de vacinação, um ou mais documentos podem ser apresentados, emitidos pelas autoridades sanitárias competentes (ver a circular em anexo).

Para o ano letivo 2017/2018, a documentação deve ser apresentada às escolas até 10 setembro 2017 para meninas do jardim de infância e seções da primavera (incluindo escolas particulares não iguais), e por Outubro 31 2017 para todos os outros graus de educação.

Por Dia 10 a partir desses prazos, o gerente da escola será obrigado a relatar à ASL local qualquer falha na entrega da documentação pelos pais. A documentação deve ser adquirida também para alunos e alunos que já estejam matriculados e matriculados e frequentem a escola.

Quem apresentou uma declaração substituta por Março 10 2018 deve apresentar documentação comprovativa de que a vacinação ocorreu. Para escolas maternais e seções de primavera, entrega de documentos de vacinação por 10 setembro 2017 requisito de acesso.

Dado o iminente início do novo ano letivo, a circular Miur convida os gerentes das escolas a informar imediatamente os pais sobre as novas obrigações de vacinação e disposições de aplicação para 2017/2018.

O Ministério da Saúde e o MIUR iniciarão, para o ano letivo de 2017/2018, iniciativas para o treinamento de pessoal docente e educacional, bem como para a educação de alunos, estudantes e estudantes, sobre questões de prevenção à saúde e em particular vacinas. Também com o envolvimento de associações de pais e associações comerciais nas profissões da saúde. 


Em anexo: A circular - prot.n. 1622 de 16 de agosto de 2017
Para mais informações: www.salute.gov.it/vaccini
fonte: http://www.miur.gov.it/-/vaccini-inviata-alle-scuole-la-circolare-operativa