Qual é a história epidemiológica da coqueluche?

Qual é a história epidemiológica da coqueluche?

Qual é a história epidemiológica da coqueluche?

Dados históricos indicam que a incidência e a gravidade da coqueluche começaram a diminuir bem antes da introdução da vacina. De 1900 a 1935, a taxa de mortalidade por coqueluche nos Estados Unidos e na Inglaterra já havia diminuído por si só, em 79% e 82%, respectivamente.(1)

Um estudo publicado no Journal of Pediatrics, em relação aos dados da Nova Escócia, descobriu que a vacina de células inteiras parecia ter apenas 40-45% de eficácia.(2) apesar de oficialmente falar de 63-91% e outras evidências indicarem que a imunidade não foi mantida e a suscetibilidade à coqueluche já atingiu 95% apenas alguns anos após a imunização completa.(3-4)

Um estudo de 2007 revelou que cinco anos após os adolescentes receberem uma vacina de reforço, os níveis de anticorpos pertussis eram mais baixos do que antes do reforço e indetectáveis ​​em 28% dos indivíduos.(5) 

O problema da eficácia da vacina é conhecido desde 1993, quando uma epidemia eclodiu em Ohio, com 82% das crianças recebendo múltiplas doses da vacina.(6) e no mesmo ano, em Alberta, no Canadá, 62% dos que contraíram coqueluche receberam doses "adequadas" da vacina.(7) Em 1996, a mesma coisa aconteceu em Vermont, estado com a maior cobertura vacinal dos Estados Unidos (quase 97% de todas as crianças de 19 a 35 meses foram vacinadas) e, de qualquer forma, 74% das crianças adoeceram.(8)

Na Europa não foi diferente, em 1996 houve uma epidemia na Holanda e segundo os pesquisadores "nossos resultados demonstram claramente que a coqueluche continua endêmica na Holanda, com picos epidêmicos, apesar da alta cobertura vacinal" a eficácia da vacina já havia começado, diminuindo em 1994 e 1995, apesar de a cobertura vacinal ser a mais alta de sempre. Especialistas disseram que pode haver "uma incompatibilidade entre as cepas circulantes e vacinais".(9)

Em Chipre, a cobertura vacinal contra a tosse convulsa aumentou de 48% em 1980 para 98% em 2003 e houve uma grande epidemia e segundo especialistas “a maioria dos casos ocorreu em indivíduos vacinados”.(10)

Em Israel, os casos de coqueluche aumentaram dezesseis vezes entre 1998 e 2004, apesar de "a cobertura vacinal contra coqueluche permanecer estável em crianças de até 2 anos de idade na última década". Situações semelhantes foram observadas em muitos outros países, como Estados Unidos, Canadá, Holanda e França.(11)

O problema das vacinas contra a coqueluche é que elas podem proteger o indivíduo das complicações da doença, ainda que por um período de tempo limitado (2 a 5 anos).(12 -13) mas não previnem a infecção nem parecem retardar a circulação da bactéria. Por exemplo, descobriu-se que alguns babuínos vacinados em um estudo de 2014 carregavam a própria bactéria.(14)

Vários estudos(15-16) certificaram que as cepas de coqueluche mudam como resultado de campanhas de vacinação, permitindo assim que a bactéria continue se espalhando, especialmente para novas cepas mais virulentas, 

Em 2015 a revista BMC Medicine(17) publicou um estudo segundo o qual pessoas vacinadas, mesmo assintomáticas, são capazes de transmitir a doença.

As conclusões de um estudo publicado na Vaccine em 2017 também são muito claras(18): “A coqueluche ainda não está controlada em alguns países e… nem a vacinação de gestantes conseguirá controlar a coqueluche”

Vacinas: um guia para escolhas informadas por Neil Z. Miller (autor) e Claudia Benatti (tradutora)
Edições Terra Nuova, 2018


Agora vamos dar uma olhada em algumas estatísticas:

Tendências da coqueluche nos Estados Unidos

https://www.cdc.gov/pertussis/surv-reporting.html

estatísticas de tosse convulsa 1

 

Epidemiologia da coqueluche na Itália: tendências da doença no último século

Vigilância e relatórios de surtos, Gonfiantini et al. 2014 de outubro de 9;19(40):20921. doi: 10.2807/1560-7917.es2014.19.40.20921.

estatísticas de tosse convulsa 1

estatísticas de tosse convulsa 1


Imunização e controle da coqueluche na Inglaterra e no País de Gales, 1957 a 2012: uma revisão histórica

Amirthalingam G, Gupta S, Campbell H. Imunização e controle da pertussis na Inglaterra e País de Gales, 1957 a 2012: uma revisão histórica. Euro Vigilância. 2013;18(38):pii=20587. Disponível: http://www.eurosurveillance.org/ViewArticle.aspx?ArticleId=20587

estatísticas de tosse convulsa 1

NOTA IMPORTANTE: A Corvelva convida-o a obter informação aprofundada através da leitura de todas as secções e links, bem como dos folhetos dos produtos e fichas técnicas do fabricante, e a falar com um ou mais profissionais de confiança antes de decidir vacinar-se a si ou ao seu filho. Esta informação é apenas para fins informativos e não pretende ser um conselho médico.

Recomendamos que você leia também...

Corvela

Publique o módulo Menu na posição "offcanvas". Aqui você pode publicar outros módulos também.
Saber mais.