Quando nasceu a vacina contra a poliomielite?

Quando nasceu a vacina contra a poliomielite?

Quando nasceu a vacina contra a poliomielite?

Os primeiros desenvolvimentos da vacina

O primeiro uso de uma vacina contra poliovírus nos Estados Unidos ocorreu em 1934, antes da descoberta da existência de três tipos de poliovírus, tipos 1, 2 e 3. Esta vacina experimental não autorizada continha um poliovírus obtido do tecido nervoso de uma pessoa infectada. macaco, que foi então triturado e misturado com formalina, um agente de formaldeído, numa tentativa de inactivar o poliovírus sem comprometer a sua capacidade de estimular a produção de anticorpos.

William Park e Maurice Brodie, os dois investigadores responsáveis ​​pela vacina experimental contra o poliovírus, publicaram as suas descobertas no Journal of the American Medical Association (JAMA) em 1935 e, depois de vacinarem uma dúzia de crianças, relataram que a sua vacina parecia ser segura.(1)

Após a publicação dos resultados, as autoridades de saúde que enfrentam epidemias de poliomielite apelaram a que a vacina fosse testada num maior número de indivíduos. Embora alguns responsáveis ​​envolvidos nos ensaios da vacina tenham relatado que a vacina experimental contra a poliomielite foi eficaz na prevenção da poliomielite, outros atribuíram a culpa dos casos de poliomielite à própria vacina. Os ensaios da vacina foram conduzidos de forma inadequada e não foi possível recolher informações precisas para determinar a eficácia da vacina.(2-3)

Enquanto Park e Brodie conduziam ensaios clínicos da sua vacina inactivada contra o poliovírus, John A. Kolmer, um patologista de Filadélfia, começou a testar a sua vacina de vírus vivo. Esta vacina experimental foi enfraquecida com produtos químicos que incluíam dois compostos altamente tóxicos contendo mercúrio, o mercurofeno e o mertiolato.(4) Depois de testar a vacina de vírus vivo em macacos, Kolmer vacinou a si mesmo, aos seus dois filhos e a outras 23 crianças, antes de expandir a sua utilização a mais de 10.000 pessoas. Nove pessoas que receberam a vacina morreram e dezenas ficaram paralisadas.(5-6)

No final da década de 40, começaram as pesquisas para determinar quantos tipos de poliovírus circulavam no meio ambiente. Em 1949, uma equipe liderada pelo Dr. David Bodian relatou que havia pelo menos 3 tipos distintos de poliovírus, mas os pesquisadores continuaram a estudar cepas de poliomielite coletando amostras de cultura de garganta, fezes e até mesmo tecido nervoso de pessoas que desenvolveram poliomielite ou eles estavam mortos.(7) Entre 1949 e 1951, foram gastos mais de 1,2 milhões de dólares na tipagem do poliovírus, a maior parte dos quais foi utilizada para comprar e transportar macacos para fins experimentais.(8)

Os pesquisadores do poliovírus usaram macacos para pesquisas sobre a poliomielite e, durante experimentos de digitação, amostras de fezes de pessoas que desenvolveram poliomielite foram injetadas nos cérebros dos macacos. Os macacos foram monitorados quanto a sintomas de poliomielite e, quando estes apareciam, eram mortos para colheita da medula espinhal e tecido cerebral infectados pelo poliovírus. Entre 1949 e 1951, mais de 17.000 mil macacos foram mortos, mas nenhum outro tipo de poliovírus foi isolado.(9)

Os investigadores já tinham concluído que o poliovírus poderia ser cultivado no tecido nervoso dos macacos, mas sabiam que não poderiam utilizá-lo para desenvolver uma vacina porque se sabia que o tecido nervoso dos macacos causa inflamação da medula espinal e do cérebro (encefalomielite). . em humanos.(10) Em 1949, porém, um grupo de pesquisadores do Hospital Infantil de Boston, liderado pelo microbiologista John Enders, descobriu que o poliovírus também poderia ser cultivado nos rins, na pele, no tecido muscular e em um tubo de ensaio, em vez de na medula espinhal ou cérebro de um macaco.(11-12)

Uma vez estabelecido que existiam apenas três tipos de poliovírus e que as culturas podiam ser cultivadas em tubos de ensaio em outros tecidos que não os tecidos nervosos dos macacos, iniciou-se o trabalho numa vacina contra o vírus morto.

Naquela altura, porém, já estava em curso investigação sobre uma vacina viva atenuada contra o poliovírus, liderada pela Dra. Hilary Koprowski, cientista da Lederle Pharmacy. Em 1950, Koprowski testou sua vacina em crianças institucionalizadas que residiam em Letchworth Village, em Nova York, sem permissão das autoridades do estado de Nova York. Koprowski relatou que as crianças envolvidas no ensaio secreto desenvolveram anticorpos contra o poliovírus tipo 2 sem sofrerem paralisia. A sua experiência foi, no entanto, criticada por colegas investigadores que questionaram a ética da experimentação em crianças encerradas em instituições.(13)

Vacina inativada contra poliovírus de Salk

Em 1950, o Dr. Jonas Salk, pesquisador de poliovírus da Universidade de Pittsburgh, começou a trabalhar em uma vacina de poliovírus morto derivada de células renais de macaco semeadas com poliovírus vivo. Os investigadores que trabalharam com Salk descobriram que os rins de macaco eram ideais para o desenvolvimento de culturas celulares e que um rim de macaco poderia produzir vários milhares de doses de vacina contra o poliovírus.(14)

A vacina contra o poliovírus morto conteria todos os 3 tipos de poliovírus seleccionados a partir de estirpes isoladas em amostras enviadas aos laboratórios de pacientes com poliovírus. Salk selecionou o tipo 1 da cepa Mahoney, isolada em 1941 e responsável por mais de 80% de todos os casos de poliomielite paralítica; tipo 2 da cepa das Forças do Oriente Médio, isolada do tecido espinhal de um soldado britânico que morreu de poliomielite no Egito em 1943; e tipo 3 da cepa Saukett, isolada pelo próprio Salk, das fezes de uma criança com poliomielite.(15-16)

As cepas selecionadas foram então inativadas com um processo que utilizou formaldeído na proporção de 250:1 a uma temperatura de um grau Celsius. Este processo tinha de ser perfeito para garantir que o poliovírus pudesse produzir uma resposta imunitária, mas fosse incapaz de causar poliomielite paralítica.(17-18)

Os primeiros testes da vacina de Salk contra o poliovírus morto começaram em 1952 em duas instituições diferentes da Pensilvânia: a Casa D.T. Watson para Crianças Aleijadas e a Escola Polk para Retardados e Deficientes Mentais.(19) A Casa Watson, uma instalação impressionante para pessoas em recuperação. da poliomielite paralítica, foi considerado um dos melhores centros de reabilitação, e os pacientes que receberam a vacina experimental de Salk foram considerados de baixo risco devido à exposição prévia à poliomielite. Com esta experiência, Salk testou cada paciente para determinar que tipo de poliovírus provavelmente causaria a paralisia e depois injetou-lhes uma vacina experimental contendo apenas aquela cepa específica. A experiência foi feita para ver se a sua vacina poderia aumentar os níveis de anticorpos ainda mais do que o anteriormente encontrado e se estes permaneceriam elevados por um período prolongado.(20)

A Polk School, no entanto, abrigava indivíduos com deficiência intelectual e era considerada uma instituição deprimente, com falta de pessoal e superlotada. Embora alguns residentes tivessem anticorpos mensuráveis ​​contra pelo menos um tipo de poliovírus, outros não tinham nenhum, o que os colocava em alto risco de desenvolver poliomielite devido a uma vacina experimental que não foi devidamente inactivada.(21)

Salk continuou a alterar a formulação da vacina durante o processo de teste. Algumas formulações continham óleo mineral, outras não. Ele testou uma vacina contra apenas um tipo de poliovírus em alguns residentes, enquanto outros administrou uma vacina contendo todos os 3 tipos. Ele também fez experiências com o processo de inativação do poliovírus. Salk relatou que a sua vacina morta era segura para uso humano e capaz de produzir uma resposta de anticorpos a todos os 3 tipos de poliovírus que persistiu durante vários meses.(22-23)

Coincidentemente, 1952 também ocorreu como o pior ano de poliovírus da história, com mais de 57.000 casos notificados nos Estados Unidos e 3.000 mortes.(24) Alguns atribuíram o aumento de casos notificados à melhoria dos sistemas de notificação de saúde pública e a um diagnóstico mais preciso da poliomielite por parte dos investigadores. médicos, enquanto outros acreditavam que o crescimento populacional simplesmente aumentou o número de indivíduos potencialmente suscetíveis. Alguns até especularam que o DDT e outros produtos químicos venenosos de uso generalizado poderiam ser a causa do aumento da poliomielite.(25)

Em março de 1954, Salk apareceu na capa da revista Time, e sua foto foi acompanhada por um artigo relatando o sucesso dos pequenos experimentos com vacinas. Os seus resultados ainda não tinham sido publicados em nenhuma revista médica e Salk informou que a sua vacina não estaria disponível ao público até a próxima época da poliomielite.(26)

Os preparativos para um teste em larga escala da vacina, que começaria no início da primavera de 1954, começaram após a publicidade que Salk recebeu na revista Time. O Comité Consultivo de Vacinas, o comité encarregado de supervisionar os ensaios, queria um estudo duplo-cego com placebo para garantir que a vacina era realmente segura e eficaz. Salk, no entanto, inicialmente recusou-se a aceitar esta condição, porque acreditava que não seria capaz de viver consigo mesmo se uma criança que recebesse o placebo contraísse poliomielite, o que poderia ter sido evitado pela sua vacina. Salk finalmente concordou em ter um grupo de controle como parte do teste de campo depois que seu antigo mentor, Thomas Francis, foi escolhido para avaliar os resultados do teste.(27)

Os Laboratórios Connaught em Toronto cultivaram poliovírus vivo para uso em vacinas e o enviaram para a Parke-Davis Pharmaceuticals em Detroit para produção de vacinas.(28) Os problemas de produção de vacinas ocorreram imediatamente e foram atribuídos ao complexo processo necessário para garantir a inactivação do poliovírus. Além disso, Salk ainda estava aperfeiçoando sua vacina, embora ela devesse estar em fase de produção para uso nos testes de campo da vacina que deveriam começar em 1954.(29)

No outono de 1953, após várias tentativas fracassadas de Parke-Davis de duplicar a vacina de Salk, outras empresas farmacêuticas foram contatadas para ajudar no desenvolvimento da vacina, incluindo Cutter Laboratories, Eli Lilly, Wyeth e Sharp and Dohme. Foram também estabelecidos controlos de qualidade mais rigorosos, exigindo que cada lote de vacina contra o poliovírus fosse testado triplamente - pela empresa farmacêutica, pelo laboratório de Salk e pelo Serviço de Saúde Pública - para garantir que a vacina era segura e eficaz para utilização.(30)

Começaram a surgir dúvidas sobre a segurança da vacina de Salk, tanto por parte da mídia quanto de outros cientistas. O desenvolvedor da vacina oral contra o poliovírus (OPV), Dr. Albert Sabin, que estava trabalhando ativamente em uma vacina concorrente, expressou suas preocupações em relação ao tamanho da população do estudo, à cepa do poliovírus tipo 1 selecionada para uso na vacina e à velocidade com o qual a vacina deixou de ser uma experiência de laboratório e passou a ser injetada em centenas de milhares de crianças. Além disso, a mídia foi informada de que alguns lotes de vacina continham poliovírus vivo.(31)

Devido à publicidade negativa, foi iniciada uma salvaguarda adicional que exigia que o fabricante da vacina produzisse onze lotes consecutivos de vacina livre de poliovírus vivo antes de permitir que um lote fosse utilizado pelo público. Salk também foi obrigado a concluir um ensaio de campo menor, envolvendo 5.000 crianças, para garantir a segurança da vacina antes de iniciar os ensaios de vacinação em massa.

Salk relatou que seu teste menor foi bem-sucedido e os ensaios clínicos em larga escala começaram em 26 de abril de 1954. Alguns problemas ocorreram durante o ensaio clínico, incluindo múltiplas doses administradas a uma única criança, reutilização de agulhas entre crianças, perda de registos e até doenças e mortes após a vacinação.(32)

O ensaio, que envolveu mais de 1,3 milhões de crianças, das quais mais de 600.000 receberam pelo menos uma dose da vacina, foi concluído no final da Primavera de 1954. No entanto, demorou quase um ano até que os resultados fossem avaliados e apresentados publicamente. Em 12 de abril de 1955, numa conferência de imprensa oficial programada especificamente para discutir os resultados do ensaio de campo, o Dr. Thomas Francis relatou que a vacina de Salk era 60 a 70 por cento eficaz na prevenção da poliomielite paralítica (33-34-35) The 1954. a vacina, no entanto, foi ineficaz na prevenção da poliomielite não paralítica.(36)

Duas horas após o anúncio, o Departamento de Saúde, Educação e Bem-Estar dos EUA (HEW), uma agência governamental recém-formada que incluía o Serviço de Saúde Pública, votou pela aprovação da vacina. Embora ainda não se soubesse se a vacina de Salk seria aprovada para utilização, já tinham sido feitos preparativos para garantir que a vacina estaria imediatamente disponível para uso comercial. Seis empresas farmacêuticas pré-produziram 9 milhões de vacinas, que foram disponibilizadas para utilização pelo público americano logo após a aprovação.(37)

Logo após a aprovação da vacina, as disposições de segurança que exigiam que cada lote de vacina fosse testado triplamente deixaram de ser aplicadas e os fabricantes de vacinas foram os únicos a examinar os seus produtos.(38-39) Como resultado, os lotes de vacina contendo poliovírus vivo foram não foi lembrado e em 2 semanas as consequências eram evidentes: crianças recentemente vacinadas começaram a desenvolver poliomielite.(40-41)

Casos de poliomielite paralítica após vacinação foram relatados em vários estados, incluindo Califórnia e Idaho. Todos os casos ocorreram dentro de 10 dias após a vacinação, e a paralisia muitas vezes começou no membro onde a injeção foi aplicada, e não nas extremidades inferiores do corpo, como classicamente visto na poliomielite paralítica. Descobriu-se também que a maioria dos casos de paralisia ocorreu em crianças vacinadas com uma vacina contra o poliovírus produzida pelos Laboratórios Cutter.(42)

As autoridades de saúde pública não interromperam imediatamente o programa de vacinação contra o poliovírus nem impediram os Laboratórios Cutter de fabricar ou distribuir a vacina contra o poliovírus. Em vez disso, em 27 de abril daquele ano, o Cirurgião Geral dos EUA Leonard A. Scheele ligou para os executivos dos Laboratórios Cutter e pediu-lhes que retirassem todas as vacinas contra o poliovírus. Scheele declarou publicamente que não havia correlação entre a poliomielite paralítica e o uso da vacina, mas poucos acreditaram nele. A poliomielite também ocorreu em pessoas vacinadas com vacinas produzidas pela Eli Lilly e pela Wyeth, embora com menos frequência.(43) Além disso, casos de poliomielite também foram relatados entre familiares de crianças que receberam a vacina contra a poliomielite, particularmente aquelas que receberam vacinas. produzido por Laboratórios Cutter.(44)

A incidência da poliomielite após a vacinação continuou a aumentar e, em 8 de maio de 1955, Scheele ordenou a suspensão de todos os programas de vacinação contra o poliovírus até que uma revisão dos seis fabricantes de vacinas contra o poliovírus fosse concluída. Cinco dias depois de Scheele ter bloqueado a utilização de todas as vacinas contra o poliovírus, as vacinas produzidas pela Parke-Davis e pela Eli Lilly foram autorizadas para utilização. Como permaneciam dúvidas sobre a segurança da vacina, houve muito menos procura pela vacina.(45)

O que não se sabia no momento deste incidente era que a microbiologista do National Institutes of Health (NIH), Dra. Bernice Eddy, havia relatado aos seus supervisores do NIH que as vacinas produzidas pelos Cutter Laboratories em 1954-1955 estavam causando paralisia em macacos de laboratório. O diretor do NIH, Dr. William Sebrell, optou por ignorar as descobertas de Eddy, e seu superior imediato a chamou de "alarmista".(46)

Embora os lotes de vacina contra o poliovírus produzidos durante os experimentos de campo de 1954 fossem obrigados a passar por testes rigorosos antes do uso, as vacinas produzidas para uso comercial não o eram, e depois que a vacina foi autorizada para uso, os Laboratórios Cutter não relataram os problemas e simplesmente descartaram os lotes de vacinas. que se descobriu estarem contaminados com poliovírus vivo.(47)

A vacina contra o poliovírus produzida por Cutter foi considerada responsável por 40.000 casos de poliomielite, incluindo 200 casos de poliomielite grave e 10 mortes.(48) Foi referido como “O Incidente do Cutter”.

Em 1954, ocorreram 18.308 casos de poliomielite paralítica e 20.168 casos de poliomielite não paralítica. Em 1955, ano em que a vacina de Salk foi aprovada, o número caiu para 13.850 casos de poliomielite paralítica e 15.135 casos de poliomielite não paralítica.(49) Aliás, os critérios de diagnóstico da poliomielite também mudaram. Em 1953, não havia critérios ou diretrizes estabelecidas para o diagnóstico da poliomielite. Um relatório científico publicado por uma mesa redonda realizada em 1960 pela Illinois State Medical Society observou que:(50)

“Antes de 1954, todos os médicos que denunciavam poliomielite paralítica prestavam um serviço ao seu paciente, subsidiando o custo da hospitalização e assumindo um compromisso com a comunidade ao notificar uma doença transmissível. Na época, os critérios diagnósticos da maioria dos departamentos de saúde seguiam a definição da Organização Mundial de Saúde: “Poliomielite Espinhal Paralítica”: “Sinais e sintomas de poliomielite não paralítica com adição de paralisia parcial ou completa de um ou múltiplos grupos musculares, detectados em dois testes com pelo menos 24 horas de intervalo". Observe que “dois testes com pelo menos 24 horas de intervalo” era tudo o que era necessário. Não foram necessárias confirmação laboratorial e presença de paralisia residual. Em 1955, os critérios foram modificados para se adequarem mais à definição utilizada nos ensaios de campo de 1954: a paralisia residual foi determinada 10 a 20 dias após o início da doença e novamente 50 a 70 dias após o início. A influência dos ensaios de campo ainda é evidente na maioria dos departamentos de saúde: a menos que haja envolvimento residual pelo menos 60 dias após o início, um caso de poliomielite não é considerado paralítico.”

O relatório prossegue afirmando que:(51) “Esta mudança na definição significou que uma nova doença começou a ser relatada em 1955, nomeadamente a poliomielite paralítica com uma paralisia mais duradoura. Além disso, os procedimentos de diagnóstico continuaram a ser refinados. As infecções pelo vírus Coxsackie e a meningite asséptica eram distinguidas da poliomielite paralítica. um grande número destes casos foi, sem dúvida, erroneamente rotulado como poliomielite paralítica. Assim, simplesmente devido a mudanças nos critérios de diagnóstico, esperava-se que o número de casos paralíticos diminuísse em 1954-1955, independentemente do número de “uso da vacina ou não”. Ao mesmo tempo, esperava-se que o número de casos não paralíticos aumentasse porque qualquer caso de doença semelhante à poliomielite que não pudesse ser classificado como poliomielite paralítica de acordo com os novos critérios seria classificado como poliomielite não paralítica.

Embora se atribua à vacina Salk a diminuição do número de casos de poliomielite logo após a sua aprovação em 1955, os especialistas em saúde pública notaram que a poliomielite, tal como outras doenças infecciosas, tem variabilidade natural e que em 1955 as taxas de hepatite infecciosa, uma infecção sem vacina na altura, também diminuiu a uma taxa semelhante à da poliomielite.(52)

Além disso, antes da introdução da vacina Salk, uma epidemia de poliomielite era considerada como sendo 20 ou mais casos de poliomielite por 100.000 habitantes. Depois que a vacina Salk foi disponibilizada, uma epidemia de poliomielite foi definida como 35 casos por 100.000 habitantes. Esta mudança de definição diminuiu artificialmente o número de epidemias nos Estados Unidos. Além disso, pouco esforço tem sido feito para diferenciar a paralisia causada pelo poliovírus daquela causada por outros factores, tais como enterovírus (ECHO e Coxsackie), mielite transversa, síndrome de Guillain-Barre, DDT e toxicidade por arsénico, e ainda outros.(53-54)

Isto é demonstrado por um estudo publicado em 1960 que relatou uma epidemia de poliomielite em Michigan e observou:(55)

“Durante uma epidemia de poliomielite em Michigan em 1958, estudos virológicos e sorológicos foram realizados em amostras de 1.060 pacientes. Amostras fecais de 869 pacientes não produziram vírus em 401 casos, poliovírus em 292, vírus ECHO (órfão humano citopatogênico entérico) em 100,. Vírus Coxsackie em 73 e vírus não identificados em 3 casos. Os soros de 191 pacientes dos quais não foi possível obter amostras fecais não mostraram alterações de anticorpos em 123 casos, mas mostraram alterações diagnósticas para poliovírus em 48, vírus ECHO em 14 e vírus Coxsackie em 6. . Num grande número de pacientes paralíticos e não paralíticos, o poliovírus não foi a causa. Estudos de frequência demonstraram que não havia diferenças clínicas óbvias entre o vírus Coxsackie, ECHO e infecções por poliomielite. O vírus Coxsackie e o ECHO foram responsáveis ​​por mais casos de "poliomielite não paralítica". e "meningite asséptica" do que o próprio poliovírus. Isto, combinado com o facto de dois tipos imunológicos de poliovírus estarem envolvidos na epidemia, sugere as dificuldades a prever em futuros programas de imunização".

Entre 1955 e 1957, os casos de poliomielite paralítica e não paralítica diminuíram, mas as taxas começaram a aumentar em 1958 e novamente em 1959. As autoridades de saúde pública rapidamente atribuíram o aumento nas taxas de poliomielite à falta de vacinação, mas em 1958 as taxas de vacinação aumentaram significativamente em comparação com aos registrados entre 1955 e 1957.(56-57) Além disso, a poliomielite foi notificada em pessoas que receberam uma ou mais doses da vacina, incluindo aquelas que receberam três e quatro doses.(58)

Em 1960, alguns especialistas em poliovírus chegaram a especular que o uso da vacina Salk poderia realmente colocar uma pessoa em maior risco de poliomielite paralítica, quando uma epidemia de poliomielite em Massachusetts, em 1959, relatou que 47 por cento dos casos de paralisia ocorreram em pessoas que tinham recebido três. ou mais doses de vacina.(59) Em 1961, mais de 47% dos indivíduos que desenvolveram poliomielite paralítica, mas se recuperaram sem paralisia residual, e mais de 27% que desenvolveram poliomielite paralítica com paralisia remanescente receberam 3 doses da vacina Salk.(60)

Muitos médicos optaram por vacinar bebês e crianças com a vacina Salk contra a poliomielite ao mesmo tempo que a vacina combinada contra difteria, tétano e coqueluche (DTP), que estava em uso desde a década de 1940. Como resultado, a Parke-Davis Pharmaceuticals desenvolveu a Quadrigen, uma vacina combinada contendo DTP e a vacina inativada contra poliovírus de Salk.(61) A vacina foi aprovada para uso em 1959, mas foi retirada do mercado em 1968, depois que vários processos judiciais concluíram que ela causava lesões graves em crianças.(62-63) Vacinas combinadas adicionais contendo DTP e poliomielite também foram aprovadas para uso em 1959, mas em 1968 todas foram retiradas do mercado.(64)

Após 1963 e a aprovação da vacina oral viva contra o poliovírus (OPV), o uso da IPV diminuiu e, em 1968, apenas 2,7 milhões de doses de IPV foram distribuídas nos Estados Unidos.(65) Em 1969, o CDC publicou as primeiras recomendações do Comitê Consultivo em Práticas de Imunização (ACIP) e relatou que o uso da IPV foi essencialmente substituído pela OPV devido à facilidade de uso desta vacina, à resposta imune superior e à falta de requisitos de reforço.(66)

Desenvolvimento da vacina oral viva contra o poliovírus

Salk não foi o único pesquisador da vacina contra o poliovírus na década de 1951. O Dr. Albert Sabin, outro pesquisador que havia começado a trabalhar em uma vacina de vírus vivo contra a poliomielite em XNUMX, ainda estava desenvolvendo ativamente seu produto quando a vacina morta de Salk foi aprovada para uso nos Estados Unidos.(67)

Sabin sempre acreditou que uma vacina oral contra a poliomielite com vírus vivo, atenuada o suficiente para produzir uma infecção leve, mas fraca o suficiente para não causar danos, era a única maneira de deter a poliomielite. Muitos cientistas consideraram esta vacina de vírus vivo preferível porque poderia ser administrada por via oral e imitar a forma como o poliovírus entra e se replica no corpo. Sua vacina conteria todos os três tipos de cepas de poliovírus e atenuaria o vírus ao passar cada uma delas pelos tecidos dos macacos. O primeiro teste de sua vacina de vírus vivo ocorreu em 3-1954 entre presidiários adultos, e Sabin relatou que todos os 1955 presidiários que receberam sua vacina desenvolveram anticorpos com segurança contra todos os 30 tipos de poliomielite. No entanto, ele estava ciente de que a sua vacina de vírus vivo poderia voltar a tornar-se virulenta e capaz de causar poliomielite.(68)

Foi o que aconteceu quando a investigadora farmacêutica da Lederle, Dra. Hilary Koprowski, foi autorizada a começar a testar a sua vacina de vírus vivo em Belfast, Irlanda do Norte. No início do estudo, amostras de fezes obtidas após a vacinação dos macacos encontraram partículas da vacina contra o poliovírus que se tornaram problemáticas e até capazes de produzir paralisia. Assim que isso foi descoberto, o ensaio da vacina foi interrompido.(69)

Sabin também estava ciente de que não conseguiria realizar um teste em larga escala da vacina nos Estados Unidos, porque isso já havia ocorrido. Os casos de poliomielite, no entanto, estavam a aumentar na União Soviética e os investigadores russos recorreram aos Estados Unidos em busca de informações sobre a vacina contra o poliovírus. Os cientistas russos da época não estavam convencidos de que a vacina de Salk fosse tão eficaz e a produção e administração da vacina eram caras. Além disso, às vezes o produto final nem sempre era aceitável para uso devido a problemas de fabricação.(70)

Sabin foi autorizado a viajar para a União Soviética para continuar a trabalhar na sua vacina e, em 1959, milhões de crianças russas foram vacinadas com a vacina de vírus vivo de Sabin. No final do ano, a Rússia declarou a vacina eficaz e o Ministério da Saúde anunciou que todas as pessoas com menos de 20 anos receberiam a vacina de Sabin.(71)

Sabin não foi o único pesquisador de vacinas vivas contra a poliovírus nas décadas de 50 e 60. Koprowski, que inicialmente não conseguiu desenvolver uma vacina oral segura contra a poliomielite em Belfast, continuou a expandir o seu trabalho anterior. Naquela época, ele trabalhava para o Instituto Wistar e havia desenvolvido duas vacinas distintas: a vacina oral contra poliomielite CHAT1 e a vacina oral contra poliomielite W-Fox3. As vacinas de Koprowski foram usadas para vacinar crianças em massa no Congo Belga,(72) da Polônia(73-74) e Croácia.(75) Os estudos duplo-cegos e controlados por placebo da sua vacina experimental não foram concluídos e, na maioria dos casos, os funcionários do governo exigiram a vacina sem sequer saberem se era segura ou eficaz.

Além disso, uma equipe de cientistas da Lederle Pharmaceuticals liderada pelo Dr. Herald Cox, ex-chefe de Koprowski, testou outra vacina oral experimental contra a poliomielite em um pequeno grupo de voluntários em Minnesota em 1958,(76) antes de administrá-la a centenas de milhares de indivíduos em América do Sul.(77)

Em 1960, Sabin e Cox receberam permissão para prosseguir com os testes de vacinas nos Estados Unidos.(78) Sabin optou por testar sua vacina oral contra a poliomielite perto de sua casa em Cincinnati, Ohio, e administrou sua vacina a quase 200.000 pessoas, embora a maior parte da área já tivesse recebido a vacina de Salk e a poliomielite não fosse um problema maior.(79-80)

Cox optou por conduzir o ensaio no condado de Dade, Flórida, e administrou sua vacina oral trivalente contra a poliomielite a mais de 400.000 pessoas. A vacina foi declarada eficaz e até preferida à de Sabin, pois continha todos os 3 tipos de poliomielite em uma única dose; no entanto, ocorreram 6 casos de poliomielite grave no período de 7 a 14 dias após a vacinação. Como resultado, a vacina de Cox não recebeu aprovação para licenciamento.(81-82)

Em agosto de 1960, o Cirurgião Geral dos EUA aprovou a produção experimental da vacina contra o poliovírus de Sabin.(83) Quatro grandes empresas farmacêuticas, incluindo a Lederle Pharmaceutical, empregadora de Cox, anunciaram planos para produzir a vacina de Sabin.

Salk e Sabin eram rivais conhecidos, com Sabin frequentemente criticando Salk e sua vacina. Sabin foi rápido em declarar a vacina morta ineficaz e, depois do “Incidente Cutter”, pediu a remoção completa da vacina de Salk do mercado.

Com o uso de ambas as vacinas autorizado, a polêmica e a competição ficaram ainda mais acirradas. Além disso, os médicos não tinham certeza de qual vacina era melhor para seus pacientes e pediram para receber informações de uma fonte “neutra”. Em 1961, a Associação Médica Americana (AMA) entrou no debate sobre a vacina contra a poliomielite e declarou que o seu "Conselho sobre Drogas" avaliaria a situação e emitiria um relatório.

O presidente do Conselho de Medicamentos da AMA, no entanto, era o antigo diretor médico da Pfizer Pharmaceuticals, uma das quatro empresas farmacêuticas envolvidas na produção da vacina oral contra a poliomielite de Sabin. Em julho de 1961, a AMA recomendou oficialmente o uso da vacina de Sabin no lugar da vacina Salk morta, embora a vacina de Sabin ainda não tivesse sido oficialmente licenciada.(84)

A vacina oral Tipo 1 da Sabin contra a poliomielite recebeu aprovação para uso dentro de um mês após a decisão da AMA, e suas vacinas Tipo 2 e 3 receberiam autorização dentro de um ano. Nos Estados Unidos, a vacina oral contra a poliomielite de Sabin substituiria a vacina morta de Salk; no entanto, a vacina de Salk ainda seria usada globalmente, em países como a Holanda(85) e Suécia.(86)

A OPV monovalente Tipo 1 de Sabin foi autorizada pela primeira vez em agosto de 1961, e dois meses depois a OPV Tipo 2 foi aprovada. Na primavera de 1962, a OPV Tipo 3 de Sabin foi aprovada e o Subcomitê Um do Comitê Consultivo para o Controle da Poliomielite recomendou que cada um dos três tipos. de OPV seja administrada sequencialmente em bebês, começando com OPV tipo 1 entre 6 semanas e 3 meses de idade. A OPV tipo 3 foi recomendada 6 semanas depois, seguida pela OPV tipo 2 após mais 6 semanas. Uma quarta dose de OPV trivalente foi recomendada 6 meses ou mais após a administração de OPV tipo 2. Este esquema foi semelhante para outras faixas etárias, exceto que uma quarta dose de OPV não foi recomendada.(87)

Também são relatados casos de paralisia após a administração da vacina Sabin, bem como da vacina Cox, mas as autoridades de saúde pública não manifestam preocupação.(88-89-90) Em Dezembro de 1962, o Comité Consultivo Especial sobre Poliomielite Oral do Cirurgião Geral do Serviço de Saúde Pública anunciou que as comunidades deveriam prosseguir com planos de vacinação utilizando os três tipos de OPV, com especial atenção à administração da vacina em crianças e adultos jovens. A paralisia associada à OPV foi notada no relatório, mas em quase todos os casos as autoridades de saúde pública afirmaram que a maioria dos casos era inconclusiva e que o risco de contrair poliomielite devido à vacina era mínimo.(91)

Em 1962, o pesquisador do Instituto Wistar, Leonard Hayflick, anunciou que havia desenvolvido uma alternativa às células renais de macaco para uso na produção da vacina contra o poliovírus.(92) Hayfield desenvolveu um substrato celular a partir de fibroblastos diplóides do pulmão humano – o famoso WI-38 – retirado das células pulmonares de um feto de 12 semanas.(93) Esta linha celular era aparentemente livre de vírus, e Hayfield acreditava que era uma opção mais segura do que as células renais de macaco com seus conhecidos vírus símios, como o recentemente descoberto Simian Virus 40 (SV40), capaz de causar câncer em pequenos animais.(94)

As agências reguladoras sanitárias federais, no entanto, não estavam convencidas da segurança desta linhagem celular e recusaram-se a fazer quaisquer alterações na produção da vacina contra a poliomielite. O raciocínio deles era que, embora esta linhagem celular parecesse segura e livre de ingredientes acidentais, eles não acreditavam que houvesse evidências suficientes para mostrar que continuaria assim.

Hayfield optou por distribuir frascos de seu substrato celular para laboratórios na Europa e até mesmo na União Soviética. A primeira vacina contra o poliovírus feita com WI-38 foi aprovada para uso na Iugoslávia em 1967, seguida de aprovações na União Soviética, Grã-Bretanha e França. Os Estados Unidos tiveram que esperar até 1972 para aprovar o Diplovax; no entanto, problemas de fornecimento da vacina limitaram o seu uso e, em 1976, ela não estava mais disponível nos Estados Unidos.(95)

Em 1969, o CDC publicou as primeiras recomendações do Comitê Consultivo em Práticas de Imunização (ACIP), e naquela época a OPV era considerada a vacina de escolha, devido à sua facilidade de uso, resposta imunológica superior e falta de requisitos para o recall. .(96)

A utilização da OPV foi novamente considerada a vacina preferida em 1982 e 1987, quando os comités ACIP do CDC actualizaram as suas recomendações sobre a utilização de vacinas contra o poliovírus. Entretanto, pessoas com imunodeficiências ou condições que prejudicam a resposta imunológica, como pacientes com câncer ou submetidos a tratamentos com corticosteroides, têm sido recomendadas a receber VPI devido ao risco potencial de paralisia induzida pela vacina.(97 -98)

A poliomielite de tipo selvagem foi declarada erradicada nos Estados Unidos em 1979; entretanto, entre 1980 e 1998, ocorreram 152 casos de poliomielite paralítica nos Estados Unidos. Cento e quarenta e quatro destes casos foram confirmados como poliomielite paralítica adquirida pela vacina (VAPP), 6 foram importados e 2 casos eram desconhecidos.(99)

A PPAV foi associada ao uso de OPV quase imediatamente após a introdução da vacina. Quando a OPV estava em uso nos Estados Unidos, estimou-se que a PPAV ocorria a uma taxa de um caso por 2,4 milhões de doses, ou um caso por 750.000 doses, se a OPV fosse administrada como primeira dose. Na reunião do ACIP de junho de 1996, os membros do comitê votaram para aumentar o uso de VPI e diminuir gradualmente o uso de VOP durante os próximos 3 a 5 anos devido ao risco de PPAV.(100)

Em 17 de junho de 1999, o Comitê Consultivo sobre Práticas de Imunização (ACIP) do CDC votou pela descontinuação do uso da OPV nos Estados Unidos até janeiro de 2000.(101) A OPV, no entanto, continua a ser utilizada em alguns países e continua a ser a vacina preferida nas campanhas globais para erradicar a poliomielite.(102)

Vacina SV40 e Poliovírus

Todas as primeiras vacinas contra o poliovírus foram feitas com rins de macaco, principalmente rins de macaco rhesus. Os rins dos macacos, como os dos humanos, filtram os contaminantes do corpo e, portanto, contêm resíduos que incluem bactérias, vírus, toxinas e muito mais. Os primeiros investigadores do poliovírus sabiam que os macacos rhesus, mesmo os aparentemente saudáveis, eram reservatórios de novos vírus. Rins de macaco, no entanto, estavam prontamente disponíveis na época devido ao uso generalizado de macacos na pesquisa do poliovírus. Uma vez retirado do corpo, o macaco foi morto e os rins foram picados e colocados em frascos contendo um nutriente. Este foi o processo pelo qual começaram as culturas de tecidos utilizadas no desenvolvimento da vacina contra o poliovírus.(103)

Os investigadores, no entanto, rapidamente perceberam que estes vírus desconhecidos encontrados nos rins dos macacos poderiam causar danos e morte às culturas de tecidos. O primeiro vírus símio, SV1, foi isolado em fevereiro de 1954 pelo pesquisador da Eli Lilly, Robert Hull, depois que o vírus causou a destruição de 17% das culturas de tecidos da empresa.(104-105)

Hull começou a catalogar todos os novos vírus símios descobertos, mas pouca preocupação foi expressa sobre a possível presença destes vírus na vacina contra o poliovírus. Acreditava-se que o formaldeído usado para inativar o poliovírus também mataria quaisquer outros vírus que pudessem estar presentes. Quando a vacina de Salk foi autorizada para uso em abril de 1955, os pesquisadores não expressaram preocupação de que a vacina também pudesse conter vírus símios ou outros contaminantes.(106)

Em 1959, a microbiologista do Instituto Nacional de Saúde (NIH), Dra. Bernice Eddy, que já havia relatado suas preocupações sobre a vacina Cutter contra a poliomielite, estava investigando a hipótese de que os vírus poderiam ser capazes de causar câncer. Em 1959, Eddy e sua colega Sarah Stewart descobriram que um vírus de rato poderia causar câncer em outros pequenos mamíferos.(107-108)

No seu trabalho anterior no NIH sobre testes de segurança de vacinas, Eddy foi forçado a descartar centenas de culturas de tecidos devido à contaminação viral. Com a recente descoberta de que os vírus podiam causar cancro noutras espécies, a ideia de que um vírus símio (SV) pudesse ser capaz de causar cancro passou a interessar-lhe. Sem o apoio de seus superiores, Eddy começou a testar sua teoria injetando em hamsters recém-nascidos culturas de células de macacos rhesus trituradas e filtradas, comparando-os a um grupo de controle que havia sido injetado com extratos de tumores humanos e felinos.(109-110)

Os hamsters que receberam os extratos de tumores de gatos e humanos não desenvolveram nenhum problema; no entanto, 70% dos hamsters que receberam culturas de células renais de macaco rhesus desenvolveram tumores e acabaram morrendo de câncer. A maioria dos hamsters desenvolveu tumores mais tarde na vida, o que sugere que estes tumores podem ter um longo período de latência.(111)

Em julho de 1960, Eddy apresentou suas descobertas ao seu chefe, Joe Smadel, que agora era responsável pelos testes de segurança de vacinas na Divisão de Padrões Biológicos (DBS), uma nova agência formada após o incidente de Cutter. Smadel rejeitou as descobertas de Eddy e não apoiaria quaisquer esforços para publicar ou divulgar sua pesquisa. Eddy, no entanto, não foi o único cientista a trabalhar na cultura de células renais de macacos.(112)

Em 1960, a Merck, liderada pelo investigador de vacinas Maurice Hilleman, estava a trabalhar numa vacina inactivada contra o poliovírus que seria mais eficaz do que a formulação de Salk. Antes da vacina ser aprovada, no entanto, o colega investigador Ben Sweet descobriu que durante a fase de testes de uma vacina contra adenovírus derivada de células renais rhesus, as células inchavam e ficavam cheias de buracos. Durante suas investigações, Sweet percebeu que as culturas de tecidos, enquanto eram cultivadas em rins de macacos rhesus, estavam sendo testadas em culturas de tecidos de rim de macaco verde africano, uma espécie totalmente diferente.(113)

Este vírus símio, agora denominado vírus 40 (SV40), era quase impossível de detectar no seu hospedeiro natural – o macaco rhesus – mas uma vez transplantado para culturas de tecidos de outra espécie e cultivado, os problemas eram visíveis. Sweet analisou todos os seus suprimentos de adenovírus e descobriu que estavam completamente contaminados com esse novo vírus. Sweet, a pedido de Hilleman, analisou suprimentos contra a poliomielite a partir de amostras da vacina experimental OPV de Sabin e descobriu que também estavam contaminados.(114-115)

Em junho de 1960, Hilleman anunciou suas descobertas e relatou que o vírus estava quase sempre presente nas células renais de macacos rhesus, frequentemente em culturas renais de macacos cynomolgus, mas raramente em macacos verdes africanos..(116-117) Os cientistas que tomaram conhecimento das descobertas de Hilleman expressaram preocupação ou consideraram as descobertas irrelevantes. Alguns alegaram que, como a vacina de Sabin tinha sido administrada a milhões de indivíduos na União Soviética sem qualquer evidência de dano, a presença deste vírus não era motivo de preocupação. Outros, no entanto, expressaram preocupação com potenciais efeitos nocivos que podem ainda não ser conhecidos.(118)

Em público, Hilleman começou a recomendar o uso de macacos verdes africanos no desenvolvimento de vacinas, enquanto em privado expressou a Sabin as suas preocupações sobre as implicações a longo prazo para a saúde que este vírus poderia ter em pessoas que receberam OPV de Sabin. Hilleman alegadamente desenvolveu um anti-soro contra este vírus e disse a Sabin que se ele tratasse os seus fornecimentos com este anti-soro, o vírus tornar-se-ia inofensivo e seguro para utilização na produção de vacinas.(119) Quando Eddy soube das descobertas de Sweet e Hilleman, suspeitou que fosse o mesmo vírus que ele havia isolado alguns meses antes. Eddy repetiu seus estudos e, após completar uma série de testes, conseguiu demonstrar que o vírus causador do câncer que havia descoberto era na verdade o SV40, o mesmo vírus isolado por Sweet e Hilleman. Apesar das múltiplas tentativas de Eddy para exigir que o DBS tomasse medidas para garantir que todas as vacinas estivessem livres de SV40, nenhuma ação foi implementada.(120)

A preocupação com o SV40 limitou-se inicialmente à vacina oral contra o poliovírus, que em breve seria autorizada para utilização nos Estados Unidos. Acreditava-se amplamente que o formaldeído utilizado no processo de inativação da vacina Salk neutralizaria o SV40 e o tornaria seguro contra contaminantes. Mas na Primavera de 1961 esta teoria seria posta em causa quando investigadores britânicos relataram que o SV40 era resistente ao formaldeído e que se descobriu que as pessoas que tinham recebido a vacina Salk tinham anticorpos contra o SV40.(121)

O Comitê Técnico da Vacina contra a Poliomielite do Serviço de Saúde Pública, um comitê nomeado pelo cirurgião-geral dos EUA em 1955, após o incidente de Cutter, foi chamado para avaliar essas descobertas. Em 1961, o comité era composto por oito cientistas, incluindo Salk e cinco membros com laços pessoais estreitos com a vacina Salk. Em Maio de 1961, o comité informou que embora as provas fossem a favor de muitos lotes de vacina contra o poliovírus contendo SV40, não havia provas de que a exposição ao vírus fosse prejudicial. No entanto, decidiu que no futuro todas as novas vacinas Salk deveriam estar isentas de SV40, mas que não havia necessidade de recolher vacinas potencialmente contaminadas.(122)

No entanto, no prazo de um mês, os cientistas da Merck obtiveram provas de que o SV40 poderia causar cancro em animais de laboratório. Em 20 de junho de 1961, Hilleman apresentou suas conclusões à mesma comissão e recomendou que todas as vacinas inativadas contra o poliovírus fossem retiradas do mercado até que fossem feitas modificações para garantir que as vacinas não contivessem SV40. Mais uma vez, a comissão optou por não agir e não manifestou preocupação com as conclusões do SV40.(123)

Em 30 de junho de 1961, a DBS notificou todos os fabricantes de vacinas contra poliovírus que, a partir de 1º de agosto de 1961, eles seriam obrigados a apresentar resultados de testes para confirmar que cada lote de vacina contra poliovírus estava livre de contaminantes vivos de SV40. O SV40, no entanto, ainda pode estar presente se estiver inativado. Levará mais dois anos até que requisitos mais rígidos sejam impostos aos fabricantes em relação ao SV40. Mais uma vez, nenhum recall foi emitido e os lotes de vacinas contaminados permaneceram em uso até 1963.(124)

Durante muitos anos, a crença comum era que as técnicas utilizadas para inactivar o SV40 no processo de fabrico da vacina oral contra a poliomielite eram suficientes para garantir que este contaminante não estivesse presente no produto final. Nos últimos anos, no entanto, foram apresentadas evidências que demonstram a presença de SV40 na OPV ainda na década de 90.(125-126-127) As autoridades de saúde apenas reconheceram que, entre 1955 e 1963, quase 100 milhões de americanos que receberam VPI podem ter sido expostos ao SV40.(128)

Em 1998, pesquisas médicas publicadas detectaram a presença de SV40 em tumores cerebrais, ósseos, de bexiga e de pulmão.(129-130-131-132-133-134-135-136) Além disso, descobriu-se que 45% dos espermatozoides de homens saudáveis ​​continham SV40. Os investigadores concluíram que “múltiplas estirpes de SV40 podem infectar seres humanos”(137) e que a infecção por SV40 pode ser disseminada através de “transfusão de sangue e transmissão sexual na população humana”.(138) Em 2002, o Instituto de Medicina (IOM) concluiu que “a evidência biológica é forte de que o SV40 é um vírus transformador” e que “a evidência biológica é de força moderada de que a exposição ao SV40 pode levar ao cancro em humanos em condições naturais”. Concluiu também que “as provas são inadequadas para aceitar ou rejeitar uma relação causal entre as vacinas contra a poliomielite contendo SV40 e o cancro”.(139)

Entre 1997 e 2005, foram feitas tentativas para negar qualquer associação entre o SV40 e o desenvolvimento do cancro humano.(140-141)

De 27 a 28 de janeiro de 1997, o National Institutes of Health (NIH) organizou um workshop sobre o vírus Simian-40 (SV40): um possível poliomavírus humano em Bethesda, Maryland. Esta reunião, com a participação de cientistas governamentais da FDA, CDC, NIH, NIP e NVPO, bem como cientistas independentes não governamentais que trabalham em laboratórios de todo o mundo, foi agendada para permitir uma discussão aberta sobre o SV40 e sobre a sua possível ligação com câncer. Vários cientistas independentes apresentaram dados que ligavam o SV40 ao cancro, mas foram rejeitados por cientistas do governo que relataram que não conseguiram encontrar qualquer associação e que os seus dados não apoiavam um risco aumentado de cancro em pessoas que possam ter recebido vacinas contra o poliovírus contaminadas com SV40.(142)

Em Setembro de 2003, o Subcomité de Direitos Humanos e Bem-Estar do Comité de Reforma Governamental dos Estados Unidos reuniu-se para discutir o SV40 e a sua ligação ao aumento das taxas de cancro. Embora as autoridades de saúde pública dos EUA reconhecessem que o SV40 vivo contaminou as vacinas vivas e inativadas contra a poliomielite entre 1955 e 1963, continuaram a negar que o vírus símio que infectou os humanos causasse tumores humanos.(143)

O comité do IOM de 2002 recomendou que fossem concluídas mais investigações para determinar se existe uma relação causal entre o SV40 e o cancro, mas não publicou mais relatórios sobre este tópico.


A controvérsia da vacina e a origem do HIV: um olhar crítico sobre a história

Na década de 80, com o surgimento da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) e sua associação com o vírus da imunodeficiência humana (HIV), o mundo científico e médico foi abalado por um escândalo de contaminação ligado às vacinas orais contra a poliomielite (OPV). Ao longo dos anos, o debate acalorado tem rodeado a possibilidade de o VIH poder ter origem nas práticas de vacinação contra o poliovírus.

Várias pesquisas e publicações, surgidas no início da década de 90, destacaram uma ligação preocupante entre as vacinas OPV e o Vírus da Imunodeficiência Simic (SIV). Foi sugerido que algumas vacinas experimentais orais contra a poliomielite, testadas em crianças na África Central no final da década de 50 e início da década de 60, foram produzidas utilizando células de chimpanzés e macacos verdes africanos infectados com SIV. De acordo com estas teorias, o VIH-1, que aflige a humanidade hoje, poderia ser o resultado de um vírus híbrido macaco-humano, decorrente da transmissão interespécies do SIV após vacinações com OPV contaminado com SIV.[144-146]

Estas afirmações levaram a uma profunda reflexão sobre os procedimentos de segurança adotados durante a produção das vacinas e sobre a transparência da informação partilhada com o público e a comunidade científica. No entanto, em 2009, estudos mais extensos localizaram a origem do VIH-1 grupo M, a estirpe mais prevalente do VIH, nos chimpanzés da África Central, identificando especificamente o SIV como o antepassado direto.[147]

A comunidade científica continua dividida. Muitos cientistas e fabricantes de vacinas, bem como funcionários governamentais da saúde, continuam a negar que as vacinas OPV contaminadas com SIV tenham desempenhado um papel na génese do VIH-1. No entanto, um segmento não negligenciável da comunidade científica argumenta o contrário, argumentando que existem provas convincentes que ligam a utilização destas vacinas contaminadas ao surgimento do VIH entre humanos.[148]


Os desafios da erradicação global da poliomielite e o papel das vacinas

No panorama da saúde global, a luta contra a poliomielite continua a ser uma das prioridades mais difíceis e complexas. Ainda hoje, a maioria das autoridades de saúde continua a utilizar a vacina oral viva contra o poliovírus (OPV), contendo os tipos 1 e 3 do poliovírus, em campanhas para erradicar a doença. Desde 2015, o poliovírus selvagem tipo 2 foi declarado erradicado e, como resultado, foi rapidamente removido da OPV para prevenir surtos de poliovírus derivado da vacina (cVDPV2).[149]

Os especialistas em saúde esperavam que a eliminação da OPV tipo 2 parasse as epidemias de cVDPV2. Nos casos em que estava em curso uma epidemia, pensava-se que uma vacina monovalente do tipo 2 (mOPV2) seria eficaz para impedir a propagação. Embora esta estratégia tenha funcionado em muitos países, em África levou a um aumento no número de casos de cVDPV2, contrariamente às expectativas iniciais.[150-151]

Este aumento de casos forçou as autoridades de saúde a reconhecer que a utilização da mOPV2 causou mais casos de poliomielite do que teria acontecido sem a vacina. Esta admissão levou a comunidade científica a procurar soluções alternativas mais seguras. Actualmente, duas novas vacinas mOPV2, desenvolvidas através de engenharia genética, estão em fase inicial de desenvolvimento. Os investigadores esperam que estas novas vacinas reduzam significativamente o risco de cVDPV2, melhorando a segurança das campanhas de vacinação.[152-153]

Apesar destes esforços, as autoridades de saúde pública reconhecem que a erradicação total da poliomielite não será alcançada até que a OPV esteja em uso. No entanto, existem preocupações relativamente à utilização exclusiva da vacina inactivada contra a poliomielite (IPV), uma vez que pode não ser suficiente para manter o estado de erradicação. Entre as preocupações estão a incapacidade da IPV de interromper completamente a transmissão do poliovírus e o risco de que alguns indivíduos possam continuar a transmitir o vírus durante anos.[154-155]

Este artigo foi resumido e traduzido por Centro Nacional de Informações de Vacinas.

Recomendamos que você leia também...

Corvela

Publique o módulo Menu na posição "offcanvas". Aqui você pode publicar outros módulos também.
Saber mais.