Italian Italiano

O lado sombrio da filantropia

O lado sombrio da filantropia

Documentos CORVELVA O lado negro da filantropia

Baixe o editorial em PDF


Em 2014, no Quênia, alguns médicos e 27 bispos denunciaram o governo, a OMS e a UNICEF por terem administrado a um milhão de mulheres uma vacina contra o tétano contendo um antígeno que produz anticorpos abortivos

Em um momento em que todos os holofotes estão na busca pela vacina Covid-19 e a grande mídia está assumindo o ônus de destacar toda a filantropia misericordiosa de personagens como Bill Gates e a busca pela vacina que salvará a humanidade de extinção; num momento em que o dr. Tedros Ghebreyesus, diretor da OMS, está comprometido em arrecadar fundos de várias nações para disponibilizá-los à indústria farmacêutica, twittando graças aos chefes de Estado que aderem a esse tipo de grande evento filantrópico mundial; queremos pescar alguns esqueletos no armário que, fatalmente, envolvam os mesmos atores no campo.

Em particular, a mente remonta ao que aconteceu em 2014 no Quênia, quando alguns médicos e 27 bispos denunciaram o governo, a OMS e a UNICEF por darem a um milhão de mulheres uma vacina contra o tétano contendo um antígeno produtor de anticorpos abortivos. Essas mulheres (incluindo muitas meninas) receberam sem o seu conhecimento uma vacina experimental que foi capaz de esterilizar a população feminina. Mas vamos em ordem e tente reconstruir os fatos, tendo em mente os nomes e as instituições envolvidas.
Por que eles investigaram? O que houve de errado? Primeiro, os procedimentos para gerenciar as vacinas e sua administração: os frascos chegaram escoltados pela polícia, foram administrados por operadores que também foram escoltados, em vez da equipe médica do hospital; além disso, as doses foram de 5 em 6 meses, comparadas às 3 habituais espalhadas ao longo dos anos e, acima de tudo, os destinatários da campanha extraordinária eram apenas mulheres e apenas em idade fértil (14-49 anos).

O alarme em abril foi despertado pela Associação de Médicos Católicos e pela Conferência Episcopal do país que, desconfiados da prática e da falta de uma emergência de tétano, tiveram 6 amostras de vacina analisadas em laboratório, descobrindo que essas vacinas elas foram produzidas juntando o hormônio Beta-Hcg, um hormônio necessário para a gravidez, ao toxóide tetânico. Dessa maneira, o organismo ativaria uma resposta de anticorpos contra o mesmo hormônio, impedindo futuras concepções. Eles conseguiram enviar várias amostras da vacina para diferentes laboratórios e, assim, encontraram confirmação de suas suspeitas.
Uma declaração da Associação de Médicos Católicos do Quênia informou que os resultados confirmavam seu pior medo:

"A campanha da OMS não visa erradicar o tétano neonatal, mas é uma tentativa bem coordenada e eficaz de esterilização em massa para controle da população"

Deve-se notar que o UNICEF e a OMS distribuem vacinas gratuitamente em vários países em desenvolvimento e que também são oferecidos incentivos financeiros para que os governos participem desses programas.
Quando os fundos das Nações Unidas não são suficientes para comprar cotas anuais de vacinas, uma organização iniciada e financiada pela Fundação Bill e Melinda Gates, a GAVI, fornece financiamento extra para muitos desses programas de vacinação em "países pobres".

Uma pergunta é: os grandes benfeitores que agora estão se gastando para nos oferecer uma droga experimental contra o que lhes parece ser a epidemia do milênio, são os mesmos que perpetraram esses crimes contra a humanidade apenas alguns anos atrás?
O que esses fatos trazem à mente? Talvez um paralelo interessante seja possível com o que aconteceu na Itália, seguindo as análises que Corvelva realizou em vários frascos e lotes de vacinas: o denominador comum é o produto, a vacina que não é desejada e, portanto, nunca deve ser questionada. . As semelhanças aumentam quando lemos uma declaração dos médicos quenianos, que denunciam as tentativas de intimidação sofridas, com ameaças de ação disciplinar contra os próprios médicos. Muito familiar, se pensarmos na atitude inquisitiva dos últimos anos contra aqueles que se permitiram na Itália expressar dúvidas sobre a prática da vacinação em massa.
Lá, no entanto, a história teve um final diferente, pois o governo foi forçado a pôr um fim à experimentação em andamento. Por outro lado, os próprios médicos parecem menos propensos a ficar pendurados nos lábios de empresas farmacêuticas e organizações internacionais do que aqui.
Parece estranho para um ocidental pensar que na África existem médicos e cidadãos que não confiam cegamente na OMS e em organizações "humanitárias" (ONGs), porque estamos acostumados a uma narrativa que exige que instituições como a OMS sejam salvíficas, que a população, especialmente nos países mais pobres, reza por mais vacinas e mais ajuda. Estávamos acostumados a imaginar uma população que não espera nada além de ser inundada por programas de vacinação, mesmo experimentais, porque essa seria a única salvação para eles. É isso que eles tentam nos convencer. E aqui estão as palavras de Stephen Karanja, presidente da Associação de Médicos Católicos do Quênia:

"A Igreja Africana está ciente de que não se pode confiar cegamente na OMS ... A campanha iniciada aqui é idêntica à realizada nas Filipinas, México e Nicarágua, patrocinada pelos mesmos órgãos".

Lembramos de fato que a mesma dinâmica já havia ocorrido nesses países nos anos 90.
Portanto, parece que aqueles que sempre nos foram apresentados como mais necessitados de ajuda também estão acostumados a desconfiar dos chamados benfeitores e isso por uma razão muito simples e clara: essas instituições teriam sido protagonistas da história recente de iniqüidades, das quais, no entanto, o resto o mundo dificilmente conhece. Então, como hoje eles estão financiando esses mesmos personagens, esperando sua ajuda, é necessário aprofundar um pouco mais.

Para aqueles que desejam, anexamos ao artigo que você encontra no site uma entrevista oficial de setembro de 2017 por Raila Odinga (https://youtu.be/qrSnNwoVS-g), Primeiro-ministro do Quênia de 2008 a 2013, que explica o que aconteceu e confirma a veracidade das acusações: escute, suas declarações são bastante pesadas.

Concluindo, reiteramos que o aumento da desconfiança em relação às instituições nacionais e internacionais, às ONG filantrópicas e a algumas políticas de saúde é resultado de um sistema que há anos desenvolve e patrocina programas também em contraste com as liberdades pessoais. Nesse período histórico preciso em que a política está enfraquecida, a idéia de que a própria oligarquia cientocrática, ou pior filantropia ditatorial, é capaz de ditar as políticas mundiais de saúde, nos assusta muito.


Infertilidade: Uma Agenda Diabólica


Fontes:

Imagem

Newsletter

Lembre-se de confirmar sua inscrição com o link que você encontrará nos e-mails que lhe enviamos

Política de Privacidade
0
ações

Estão interessados?

Siga-nos também nos nossos canais sociais ...

0
ações