Italian Italiano

Apelo urgente à ação: bombardeamento do Senado

Apelo urgente à ação: bombardeamento do Senado
(Tempo de leitura: 4 - 7 minutos)

Opor-se ao Decreto-Lei 44 sobre a obrigação de vacinação do pessoal de saúde

Convidamos você a enviar um texto de dissidência motivada a respeito desta última imposição para os endereços de e-mail indicados abaixo.

Façamo-nos ouvir numerosos!


ASSUNTO: DECRETO LEI 44 de 1º de abril de 2021

Após uma análise cuidadosa da DL44, que introduziu a obrigação de vacinação da Covid19 para trabalhadores do setor saúde, queremos resumir a seguir os pontos críticos mais evidentes, na esperança de que você queira levá-los em consideração na avaliação e discussão de uma lei que como está escrito hoje, parece ser completamente inconstitucional e sem qualquer base científica.

1. Eficácia das vacinas

A obrigação legal que exige que o pessoal de saúde vacine a Covid19 é justificada para proteger a saúde pública e fornecer garantias de segurança no desempenho de suas funções. No entanto, gostaríamos de destacar que todas as vacinas Covid19 atualmente no mercado não garantem 100% de eficácia. Para a cepa Sars-Cov-2 original, a cobertura pode estar longe dessa meta, fixando-se em torno de 59,5% (Vaxzevria) ou 66,1% (Janssen). Quanto às variantes que circulam atualmente em nosso país (86% dos casos), as vacinas Pfizer e Moderna, segundo o ISS, têm uma atividade neutralizante reduzida, sendo, portanto, totalmente inadequadas para a finalidade pretendida. Pense em países como a Sérvia e o Chile, onde mesmo com uma porcentagem muito alta da população vacinada, novos bloqueios foram usados ​​para conter o alto número de infecções.

2. Possibilidade de transmissão apesar da vacinação

O ISS, assim como o americano CDC, informa que as pessoas vacinadas devem continuar observando todas as medidas de prevenção porque ainda não se sabe se a vacinação é eficaz na prevenção da aquisição da infecção e / ou sua transmissão a outras pessoas. portanto, uma obrigação regulatória incompreensível para proteger os pacientes do contágio. Não há certeza de que as vacinas bloqueiam a transmissão, não está claro qual grupo populacional suporta a circulação do vírus e a duração da proteção após a vacinação não é conhecida. O Conselho de Estado francês resolveu há poucos dias que "as pessoas vacinadas podem ser portadoras do vírus e contribuir para sua disseminação em proporções que não são conhecidas hoje". Confirmando o que está escrito, há vários relatos recentes de pessoas infectadas em contextos fechados e totalmente vacinados (por exemplo, RSA).

3. Consentimento informado

A DL44 prevê prazos muito curtos para a suspensão do trabalhador que não cumprir a obrigação de vacinação, em total contraste com a Lei 219/2017 que regulamenta o consentimento informado. Assim, falta um direito fundamental do paciente (que no caso específico também é um trabalhador de saúde e que, tendo que aplicar este princípio no trabalho com seus pacientes, tem todo o direito de vê-lo reconhecido quando ele próprio for parte do disputa) prejudica a relação de confiança entre paciente e médico, bem como prejudica a autonomia decisória de ambos. Na verdade, elimina o tempo de comunicação entre médico e paciente, que deve, por lei, ser considerado tempo de tratamento e, consequentemente, garantido, ainda mais se se tratasse de um tratamento de saúde obrigatório.

4. Segurança da vacina

As vacinas atualmente no mercado são medicamentos adicionalmente monitorados, autorizados em caráter excepcional, cuja real segurança e eficácia só serão demonstradas dentro de alguns anos. Torná-los obrigatórios por lei é, portanto, uma escolha de política de saúde que deixa várias dúvidas de segurança ao destinatário e de correção moral por parte do legislador. A título de exemplo, cita-se o caso da vacina Astrazeneca / Vaxzevria, atualmente suspensa em vários países europeus ou indicada para faixas etárias muitas vezes diametralmente opostas (autorização EMA obtida para uso até 55 anos; AIFA: extensão até 65 anos; Alemanha : não deve ser usado com menos de 60; França: não usado com menos de 55; Canadá: não usado com menos de 55).

Como podem os cidadãos italianos com menos de 55 anos estar sujeitos à obrigação de uma vacina que em muitos outros países é proibida para a mesma faixa etária?

Chamamos também a atenção para as reações adversas graves ou óbitos registrados, por exemplo, pela Noruega, lembrando que como se sabe as notificações espontâneas representam apenas uma pequena porcentagem do que acontece na realidade:

  • Pfizer: 123 mortos e 196 graves (1 em 1865)
  • Moderno: 3 mortes e 14 graves (1 em 2316)
  • Astrazeneca: 6 mortos e 137 graves (1 em 936)

5. Único país com obrigação de vacinação Covid19

Com este decreto-lei, a Itália se tornaria o único país do mundo a introduzir uma obrigação de vacinação para COVID-19, embora os dados de vacinação para profissionais de saúde sejam alinhados quando não superiores aos de outros países europeus. Além disso, a obrigação contrasta fortemente com o que foi aprovado pelo Conselho da Europa em 28 de janeiro passado, segundo o qual "os Estados não devem tornar a vacinação contra a Covid obrigatória para ninguém e pelo menos por enquanto não devem usar certificados de vacinação como passaportes" e salienta que ninguém será discriminado se não for vacinado.

A Resolução do Senado n.º 1 (6-00154) (2 de dezembro de 2020) também obriga o Governo a não introduzir obrigações de vacinação em conformidade com o princípio da liberdade de escolha dos cidadãos.

6. Discriminação e regra de difícil aplicação

Conforme afirmado, este texto da lei apresenta pelo menos três pontos críticos fortes que tornam sua aplicação difícil e possivelmente discriminatória:

  • A transferência do trabalhador para outras funções é deixada ao empregador "sempre que possível" e, se este não o considerar possível, implicará a suspensão sem remuneração do trabalhador. A discrição do empregador levará inevitavelmente a uma chuva de recursos para a justiça do trabalho.
  • As famílias mais ricas poderão assumir a suspensão não remunerada (prevista até 31 de dezembro de 2021, o mais tardar), contornando a obrigação e aplicando-a apenas às famílias economicamente mais débeis, com rendimento único ou com ambos os cônjuges a trabalhar na área da saúde, introduzindo uma discriminação entre assuntos afetados pela lei com base na renda;
  • A suspensão do pessoal de saúde pode obviamente ter um impacto negativo no funcionamento do sector, já tragicamente testado pelos cortes estruturais ocorridos ao longo dos anos e que conduzem à penalização de milhares de profissionais que trabalharam com esforço máximo nos últimos doze meses .

Certo de que poderá levar em consideração o que está escrito acima, esperamos que o objetivo do legislador seja sempre a proteção do cidadão e não a inclusão de regras penalizadoras sem qualquer garantia de eficácia.


  • COMISSÃO DE ASSUNTOS CONSTITUCIONAIS:
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
  • COMISSÃO DE SAÚDE E HIGIENE
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
  • MINISTRO ESPERANÇA
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
  • CAPIGROUP DA CÂMARA E DO SENADO
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
  • PRESIDENTES DA PRESIDÊNCIA E DO SENADO
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
  • EUROPARLIAMENT
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.;
Imagem

Newsletter

Lembre-se de confirmar sua inscrição com o link que você encontrará nos e-mails que lhe enviamos

0
ações

Estão interessados?

Siga-nos também nos nossos canais sociais ...

0
ações