Confirmaram os resultados da Comissão "Urânio empobrecido"

Confirmaram os resultados da Comissão "Urânio empobrecido"

Publicação de um estudo científico estatístico-epidemiológico sobre as forças armadas italianas

Hoje estamos relatando a publicação, na revista "Epidemiology & Prevention", de um estudo científico financiado pela Associação Corvelva, que demonstrou o que a Comissão declarou "Urânio empobrecido", especialmente no capítulo dedicado às vacinas militares, ou seja, excessos de risco significativos surgiram em missionários em comparação com não-missionários. Embora a comissão tenha atualizado dados recentemente, no entanto, será necessário ter informações sobre seus possíveis determinantes, como contaminação ambiental e fatores de risco pessoais ou à saúde, onde saúde significa profilaxia da vacinação.

Finalmente, a alegação de que "aqueles que participam de uma missão são mais saudáveis" é silenciada. O próximo passo será estudar em detalhes os dados dos soldados que permanecem em casa, verificando se ficam mais doentes do que civis.

Este estudo foi supervisionado por Ivan Catalano, ex-vice-presidente da Comissão "Urânio empobrecido" e conduzido em conjunto com os consultores (Omero Negrisolo do ARPAV de Pádua e a química farmacêutica da Dra. Loretta Bolgan) que participaram da Comissão durante as investigações. A estes foi adicionado o Dr. Valerio Gennaro, do Departamento de Epidemiologia e Prevenção, IST Genova e Presidente dos Medici for the Environment (ISDE, Genova), membro da ENCR (Rede Europeia de Pesquisa do Câncer), ex-alunos da Universidade Johns Hopkins e do Instituto Italiano de Bioética.

Foram analisados ​​os dados divulgados, agregados e anonimizados por sexo, faixa etária e corpo de pertença a uma arma específica, chegando a analisar bem 3.663 sujeitos em todo o período (1996-2012).

Qseu estudo é de considerável importância, pois confirma que os militares não morrem apenas de urânio empobrecido, pois é o conjunto de fatores de risco (multifatorialidade) que causam patologias.

À luz de tudo isso, estamos convencidos de que também é necessário criar um instrumento, como um fundo de saúde para os militares, que ofereça assistência econômica incondicional a quem fica doente para servir o país em casa ou no exterior.

Corvelva, Ivan Catalano e todos os pesquisadores que participaram deste importante estudo, convidam a Ministra Elisabetta Trenta e o Presidente da Comissão de Defesa, Hon. Gianluca Rizzo, a ler o artigo em:

http://bit.ly/Articolo_Militari

Ivan Catalano


Download: