Carta aberta ao Presidente Luca Zaia

(Tempo de leitura: 3 - 6 minutos)

Presidente precioso,

A situação atual é particularmente grave e precisa de sua atenção.

Hoje, até o final de agosto, estamos muito perto de ter que enfrentar a situação educacional de nossos filhos no nível organizacional.

Não temos medo das multas impostas pela ASL, cuidaremos de todas as sanções e faremos uma oposição feroz em todas as cadeiras institucionais e legais; em vez disso, estamos preocupados em conhecer o destino de nossos filhos, especialmente para a faixa etária de 0 a 6 anos no futuro próximo.

O Ministério da Saúde publicou recentemente a circular operacional "Circular que contém as primeiras indicações operacionais para a implementação do decreto-lei n. 73, de 7 de junho de 2017, convertida com emendas à lei de 31 de julho de 2017, n. 119 "e, como esperávamos, reinou o caos institucional.

Entendemos muito bem a possibilidade de que cada cidadão possa interpretar com sucesso o texto do decreto ou da circular, mas que as instituições deste estado e dessa região o estejam fazendo não é, em nossa opinião, aceitável.

Temos, então, escolas, diretores e diretores de escola, que administram uma batata quente legislativa, na ausência de diretrizes explícitas e claras sobre o que fazer em 11 de setembro e temos instituições que já ameaçam instruir o xerife-mestre para impedir fisicamente a entrada. para a escola de crianças não vacinadas!

Também digna de nota é a situação em Verona, que recentemente publicou no site do município a interpretação do Decreto-Lei, impondo, apenas para fins organizacionais internos, a obrigação de apresentar a documentação necessária para a matrícula em creches e creches. o mais tardar em 21 de agosto.

O mesmo, questionado por alguns dos seus concidadãos, respondeu que na qualidade de Presidente da Câmara e Advogado teria feito cumprir a lei e, se dentro do prazo - arbitrariamente fixado pelo município - não tivesse sido entregue a documentação exigida, o 0- 6 anos teria ficado em casa.

Agora, além do absurdo da comparação entre advocacia e legalidade - como não há comparação legislativa, o fato de um advogado ter maior respeito pela lei - a lei é recitada em todos os tribunais, é o mesmo para todos e todos devem respeitá-lo, NÃO o interprete de acordo com as necessidades organizacionais internas.

Sem mencionar o prefeito de Treviso, Manildo, cujo ouvido é muito duro com os pedidos dos concidadãos.

Há meses que procuramos uma reunião com ele, um diálogo, mesmo para expressar nossas dúvidas, sem necessariamente ter que fazer nenhuma reclamação.

Nossa posição deveria pelo menos ser aceita, talvez discutida e talvez rejeitada, mas pelo menos ouvida.

Entendemos muito bem o Presidente Zaia que existe autonomia institucional e constitucional entre os prefeitos e a região, mas você, Presidente, também deve entender nossa posição.

Temos um número considerável de interpretações do decreto-lei também dentro da ASL que - notícias hoje em dia - rejeitam conversas informativas, negando efetivamente o nosso direito de ser corretamente informado sobre as vantagens e desvantagens das vacinas com o único objetivo de vacinar, sem se e sem mas.

Durante meses, conhecemos os primeiros cidadãos em todo o território regional e conhecemos os muito abertos, pessoas que entendiam nossas posições mesmo sem compartilhá-las completamente; Outros até propuseram desobedecer a esse decreto-lei, convidando crianças excluídas das escolas de seu município a dar aulas e temos aqueles que nem sequer têm tempo para ouvir e aqueles que impõem datas inventadas na entrega de documentação para registro.

Finalmente, há o seu presidente, nós temos as suas declarações, lidas em artigos de jornal que declaram "faremos desobediência civil".

Durante a reunião realizada nos últimos meses com a Conselheira em Saúde Luca Coletto, referente à resolução regional, já tínhamos reconhecido que havia uma situação muito confusa no Vêneto. As interpretações dessa lei regional também encontraram as mesmas inconsistências institucionais quando colocadas em prática. Prefeitos que já declararam que, em virtude de sua resolução, poderiam excluir filhos; Escolas que, ainda em virtude da então resolução, não aceitavam crianças vacinadas PARCIALMENTE; ASL que emitiu anúncios alarmantes sobre epidemias não relacionadas a nenhum caso real.

Nós, altamente estimado Presidente Zaia, precisamos urgentemente de uma linha comum em toda a região de Veneto, porque muitas de nossas preocupações estão contidas no mesmo apelo ao Tribunal Constitucional que você interpôs. Não estamos falando de pedidos contrários à ciência, não estamos pedindo o impossível, estamos pedindo ao Presidente Zaia e à Conselheira em Saúde Luca Coletto que nos ajudem a encontrar respostas para uma pergunta simples:

"Como a região de Veneto pretende proteger a parte dos cidadãos que é contra uma lei considerada inconstitucional mesmo pela própria região?"

O paradoxo deste decreto-lei é claro.

A inércia institucional desse governo viu a remoção do código civil 330 do Decreto-Lei (felizmente para nós), que é o perigo de perder a autoridade dos pais em caso de não cumprimento. Esse mesmo governo reduziu as multas do teto de 7.500 euros para 500 euros. Esse governo também eliminou a última chance de credibilidade: se pagarmos 500 euros, uma quantia relativamente acessível, nos tornamos bons pais com filhos não perigosos (absurdo paradoxal que sublinhamos intencionalmente).

Presidente Zaia, ao oferecer-lhe nossos mais calorosos cumprimentos e agradecer por ter se exposto publicamente em sua oposição a este decreto-lei também perante o Tribunal Constitucional, lembramos a presença de uma petição com mais de 34.000 assinaturas coletadas em dez dias, que está esperando para ser entregue. ouvido. Existem 34.000 pais venezianos e eles são apenas uma parte das pessoas conectadas à nossa associação, pais que veem o trabalho de sua região de Veneto visando uma perspectiva europeia.

Os pais venezianos que você conheceu nesses meses e todos os que representam representam confiança na capacidade da classe dominante regional de elevar a condição político-administrativa da excelência e da democracia.

Ao mesmo tempo em que somos racionais, somos pais preocupados com o bem-estar, a vida social e a educação de nossos filhos.

Confiamos tanto no trabalho da Região, agora precisamos de um forte sinal contra individualismos gerenciais e fechamentos ao diálogo.

Atenciosamente

Corvelva e mais de 34.000 pais Venet

Download: Carta aberta ao Presidente Zaia