Italian Italiano

PEG em vacinas Covid-19: o mesmo composto que foi relatado pela Corvelva em 2018 agora está na lista negra da Science

PEG em vacinas Covid-19: o mesmo composto que foi relatado pela Corvelva em 2018 agora está na lista negra da Science
(Tempo de leitura: 4 - 7 minutos)

Comunicado de imprensa da Corvelva, 4 de janeiro de 2021


Há alguns dias lemos um interessante artigo publicado no jornal La Verità.1 O excelente artigo de Antonio Grizzuti de 3 de janeiro tratava de um estudo aprofundado publicado na conhecida revista científica Science (2) que relatava reações alérgicas graves causadas pela vacina Pfizer-BioNTech.

Já tínhamos comprado o artigo (escrito pelo jornalista científico Job de Vrieze), porque o consideramos importante, estando intimamente relacionado com as análises de vacinas que encomendamos em 2017. Vamos tentar explicar: em primeiro lugar não estamos falando de problemas com a vacina anti-SarsCov-2, mas uma possível omissão dos órgãos de controle italianos e europeus em relação às vacinas que já estão no mercado há anos.

O artigo publicado na Science refere-se a "reações alérgicas graves em pelo menos 12 pessoas que receberam a vacina COVID-19 da Pfizer e BioNTech" e ao fato de que essas reações podem ser devidas ao ingrediente principal da vacina: o polietilenoglicol (PEG). "

Esta molécula chamada PEG,3 como a ciência nos lembra, nunca foi usado antes em vacinas, mas está presente em muitos medicamentos, alguns dos quais ocasionalmente desencadearam anafilaxia (uma reação com risco de vida que pode causar erupções cutâneas, queda na pressão arterial, falta de ar e batimento cardíaco alterado ) Alguns alergistas e imunologistas acreditam que um pequeno número de pessoas que foram previamente expostas ao PEG pode ter altos níveis de anticorpos contra ele, colocando-as em risco de uma reação anafilática à vacina.

E se disséssemos que em 2018 tínhamos alertado todos os órgãos de controle italianos, o Ministério da Saúde, o Instituto Nacional de Saúde - e até mesmo órgãos europeus como o EMA - de uma possível contaminação por PEG na vacina hexavalente Infanrix Hexa, por GlaxosmithKline e que ninguém nunca fez nada? Sim, no dia 14 de dezembro de 2018 alertamos todas as instituições da possível presença de PEG na vacina analisada, destacando o fato de que “foi detectada a presença de ácido fórmico na forma de um sal sódico e de um polímero derivado do Polietileno Contaminações de glicol (PEG) que tem um peso molecular médio de 1340 Da. "4

Não estávamos sugerindo se era bom ou ruim, isso fica por conta dos profissionais da área, mas apenas que havia uma possível contaminação (bastante, na verdade) que - se confirmada - tornaria essa vacina não conforme.

Agora, vamos tentar resumir brevemente a questão. Quando em 2017 o então Ministro Lorenzin introduziu a vacinação obrigatória ao abrigo da Lei 119/2017, a nossa Associação Corvelva, que se centra apenas na liberdade de escolha no domínio terapêutico e em particular na vacinação, decidiu encomendar análises laboratoriais às principais vacinas disponíveis na Itália. Não entraremos nos detalhes das análises agora, mas gostaríamos de lembrar que o foco foi verificar a conformidade dessas vacinas com as fichas técnicas dos fabricantes.

Não só publicamos tudo, mas também pedimos a intervenção de todas as instituições italianas; também tivemos uma reunião no Ministério da Saúde com o então subsecretário Bartolazzi, delineando todos os problemas encontrados e sempre lembrando que nossas análises não foram conclusivas, não pararam de vez, mas, como cidadãos e consumidores, nosso papel era submeter esses dados e pedir verificações aos responsáveis ​​por fazê-lo.

Nada foi feito pelas instituições italianas durante dois anos. Após muitos meses de correspondência inútil com quem deveria fazer o cheque, apresentamos queixa ao Ministério Público de Roma e há poucos dias, em 28 de dezembro de 2020, na sequência de um pedido de encerramento apresentado pelo Ministério Público e nossa posterior oposição, as análises que havíamos encomendado foram consideradas dignas de investigação e o juiz responsável expediu despacho informando ao Ministério Público a necessidade de prosseguir com a investigação.5

É claro que somos considerados trogloditas analfabetos e o que relatamos sempre foi descartado pela opinião pública como "uma coisa anti-Vax". No entanto, apesar de rotulado dessa forma, já havíamos dado o alarme sobre uma substância que não deveria estar contida nessas vacinas e, surpreendentemente, é a mesma substância que agora é apontada como problemática em uma nova vacina experimental, conforme redigido por Ciência.

Além disso, o PEG não foi a primeira anomalia a ser relatada, a princípio ignorada e depois ganhando as manchetes: basta pensar na retirada massiva de inúmeros lotes de medicamentos (não vacinas!) Pela EMA devido à presença de nitrosaminas, uma molécula que tínhamos destacado como possível contaminação dentro das vacinas analisadas, já em março de 2019 ... sem sucesso. Esses produtos continuam a ser comercializados e administrados como se nada tivesse acontecido.

Esta situação está obviamente a provocar uma certa desconfiança nas instituições. Na verdade, 'a vacina' tornou-se algo ancestral, dogmático, uma verdadeira forma de religião, e o slogan 'um ato de fé' já foi usado publicamente.

'A vacina' não é mais um produto farmacêutico ou comercial: quem se atreve a levantar dúvidas ri, é espancado, demolido. No entanto, quando a saúde das pessoas está envolvida, é melhor investigar imediatamente essas questões, caso contrário, pode ser tarde demais. A história está repleta de intervenções tardias após advertências e reclamações que foram recebidas e deliberadamente ignoradas, mesmo na medicina.

Talvez seja hora de voltar a focar na questão real, que é a saúde, a segurança e a proteção das pessoas, não só no campo da saúde, mas também em outras áreas, abandonando essa narrativa crente e obsessiva que parece ir ao encontro mais a necessidade de garantias sobre o produto que se apresenta como salvador do que a real necessidade de garantias sobre sua real segurança e eficácia.

A saúde da população deve ser protegida, antes de mais nada, garantindo o funcionamento de uma rede independente de verificações e controles que foi originalmente estabelecida.

Ao mesmo tempo, é imprescindível resguardar a liberdade de escolha, ou seja, a possibilidade de se optar por se submeter ou não a determinado tratamento de saúde, principalmente se ele está em fase experimental, e ainda mais se for autorizado com ressalvas, ou se deve ser administrado não para curar, mas para prevenir, portanto com uma relação risco-benefício necessariamente mais complexa de se definir e certamente a ser estabelecida caso a caso, aplicável a todas as vacinas.

Talvez tenha chegado a hora de restaurar a política real e a medicina real onde for necessário, em vez de tentar substituir a política fraca por obrigações coercitivas. Os requisitos legais no domínio da saúde são talvez os mais assustadores e perigosos de todos, porque afetam a vida e a integridade dos cidadãos: não são instrumentos a serem usados ​​em batalhas ideológicas. Desejamos ver uma reflexão direta sobre esta questão.

Associação Corvelva APS


Referências

  1. https://www.laverita.info/caos-vaccinazioni-siringhe-medici-pensione-2649720622.html
  2. https://science.sciencemag.org/content/371/6524/10
  3. https://www.sciencedirect.com/topics/materials-science/polyethylene-glycol
  4. https://drive.google.com/file/d/1vnG1giSAs3lZJOv12BC4RXDuERukaWWF/view
  5. https://www.corvelva.it/speciale-corvelva/le-comunicazioni/aggiornamento-sull-esposto-analisi-vaccini.html
Imagem

Newsletter

Lembre-se de confirmar sua inscrição com o link que você encontrará nos e-mails que lhe enviamos

0
ações

Estão interessados?

Siga-nos também nos nossos canais sociais ...

0
ações