Relatório de análise metagenômica sobre Gardasil 9

Relatório de análise metagenômica sobre Gardasil 9

Com essas análises, concluímos a triagem de primeiro nível da vacina Gardasil 9.


Resultados

Presença de material genético adventício em quantidades residuais. Os seguintes pontos essenciais podem ser resumidos:

Presença de material genético adventício como DNA:

  • Bactérias: A porcentagem é significativa: 54% do DNA total, a contaminação pode derivar principalmente da cultura de leveduras, mas também de contaminantes em laboratório; mais espaços em branco foram feitos para minimizar o erro devido à contaminação ambiental, mas teremos dados mais precisos quando fizermos réplicas com outros laboratórios. O DNA bacteriano pode interagir com o alumínio adjuvante e causar alergias, inflamação e autoimunidade. Dados a serem confirmados.

  • DNA humano e de rato: sua origem não é conhecida! Pode ser que o DNA humano possa ser uma contaminação cruzada de outras linhas celulares usadas para a produção de vacinas (é uma hipótese). Esses DNA podem interagir com o alumínio adjuvante e causar reações inflamatórias e autoimunes.
  • Vírus adventícios: o fragmento L1 do DNA de dupla cepa do vírus HPV - provém do processo de fabricação do antígeno; é um contaminante porque apresenta problemas de segurança, pois não é degradado e permanece nos macrófagos ligados ao alumínio adjuvante por um longo tempo; seu efeito biológico não é totalmente conhecido, mas provavelmente pode ser integrado ao DNA do hospedeiro, estimular a inflamação através da produção de citocinas pró-inflamatórias e reações auto-imunes (ver pesquisa do professor Lee).

  • fagos: eles derivam do processo de fabricação, são contaminantes adventícios de perigos desconhecidos. Os anticorpos contra fagos podem interagir com bactérias na flora bacteriana intestinal? Eles podem se integrar à flora bacteriana?

  • Vírus molusco contagioso: pertence à família Poxviridae, subfamília Chordopoxvirinae, gênero Molluscipoxvirus. O termo varíola contida no nome desses vírus provém das vesículas (varíolas) produzidas como o vírus da varíola.

  • retrovirus: potencialmente integrado ao DNA; eles podem causar transformação neoplásica e mutações no genoma do hospedeiro; eles derivam da contaminação do DNA humano e de camundongo, como possível contaminação cruzada com outras linhas celulares.
      • Vírus da leucemia do rato.
      • Retrovírus endógeno humano K.

Material genético adventício presente como RNA:

  • Bactérias: as transcrições indicam que as bactérias estão presentes e ativas durante o processo de fabricação.

  • Construções sintéticas (sequências artificiais): eles podem derivar do processo de produção de antígeno por recombinação genética com o plasmídeo; eles são potencialmente capazes de recombinar com o DNA humano; o vínculo com o alumínio adjuvante pode ampliar e aumentar o efeito biológico (inflamação e autoimunidade).

  • Levedura e seus vírus (vírus L-BC e narnavírus): o RNA da levedura pode originar proteínas alergênicas (que podem se ligar ao alumínio adjuvante), enquanto os vírus não são conhecidos por efeitos nas células humanas e na microbiota.

  • Vírus da anemia infecciosa dos equídeos e vírus da leucemia do rato: (o último) está presente como DNA e RNA e, portanto, é um vírus completo). Esses vírus derivam da contaminação de matérias-primas e não devem estar presentes.

Download: CORVELVA-metagenomic-análise-report-on-Gardasil-9.pdf


Traduzido pela equipe do CLiVa - www.clivatoscana.com