Informações sobre sequências de ácidos nucleicos (DNA e RNA) relacionadas ao fragmento L1 do genoma do HPV em Gardasil 9

Informações sobre sequências de ácidos nucleicos (DNA e RNA) relacionadas ao fragmento L1 do genoma do HPV em Gardasil 9

Do relatório anterior sobre análise metagenômica de Gardasil 9 a presença de fragmentos L1 do genoma do vírus HPV havia surgido, mas não foi identificado a que tipos de vírus do papiloma eles pertencem (a vacina contém as cepas 6, 11, 16, 18, 31, 33, 45, 52, 58).

A partir da análise proteômica, constatou-se que as cepas 11 e 58 estavam ausentes, colocando uma dúvida sobre a eficácia da vacina; de fato, a ausência poderia ser interpretada de várias formas:

  1. com a presença da proteína antigênica, mas abaixo do limiar;
  2. com a presença da proteína na parte não identificada, porque está quimicamente ligada ao alumínio e, portanto, indigesta e insolúvel (temos a dúvida de que a falha na digestão in vitro também ocorre in vivo e isso impede a formação de anticorpos específicos contra o antígeno da vacina protéica, que precisa ser fragmentado em peptídeos curtos para estimular a resposta correta do anticorpo);
  3. com a ausência de proteína.

Em cada caso, a resposta imune pode ser parcial ou nula (no relatório, uma breve explicação de como ocorre a resposta imune).

Para que a resposta seja humoral, o que leva à formação de anticorpos como ocorre após a vacinação, o antígeno deve ser digerido e exposto na membrana das células apresentadoras de antígeno (APC).

O processo de preparação da vacina envolve a síntese recombinante das proteínas L1 do capsídeo principal que se auto-montam em uma concha de 72 capsômeros pentaméricos para formar partículas virais (VLP). O pseudovírus reunido é muito semelhante ao papilomavírus humano nativo e é altamente imunogênico.


A partir de nossas análises, o seguinte foi confirmado

  • A partir do estudo em metagenômica dos fragmentos L1 das cepas da vacina contra o HPV, verificou-se que a cepa 58 está ausente tanto como DNA quanto como RNA, isso pode dever-se aos mesmos motivos pelos quais a proteína não é encontrada, como também o seqüenciamento e o DNA. O RNA pode ser dificultado pela ligação com o alumínio (como demonstrado em seus estudos pelo professor Lee citado mais adiante nas notas), ou mesmo o antígeno pode estar ausente.

  • A ausência de DNA e a presença de RNA para os tipos 16, 6, 11, 33, 52, 45, 31 indicam que as cepas estão presentes e também são encontradas na análise com LC-MS com detecção de proteínas, exceto para a cepa 11.

  • A tensão 20 não é declarada na folha de dados, portanto, pode ser considerada um potencial contaminante.

  • Cópias de vírus referidos como papilomavírus humano e papillomaviridae não assinado são partes dos fragmentos L1 que não podem ser atribuídos a uma cepa específica.

  • Para mais informações, os fragmentos L1 presentes no maior número de cópias, ou seja, as cepas 18, 16 e 6, foram seqüenciados e confirmados.

  • As implicações relacionadas à presença desses fragmentos são as já relatadas pelo prof. Lee, em seus estudos, é que a presença de alumínio estabiliza sua degradação, aumentando sua capacidade de ativar uma poderosa resposta inflamatória a longo prazo e de ser transportada pelo sistema linfático para os macrófagos em vários distritos do corpo.

Em conclusão

  • Ausência da cepa 58 é confirmada.
  • Da cepa 11, apenas o RNA está presente e com um número muito baixo de leituras (6 leituras).
  • 545 leituras da cepa 20 são uma contaminação provável que atesta uma não conformidade com relação à folha de dados técnicos.

Download: CORVELVA-Insights-seqüências-L1 do genoma-HPV-Gardasil-9.pdf