Ema "responde" aos nossos pedidos de esclarecimentos relacionados às análises metagenômicas

Ema "responde" aos nossos pedidos de esclarecimentos relacionados às análises metagenômicas
(Tempo de leitura: 4 - 8 minutos)

Relatamos na íntegra a troca de e-mail entre Corvelva (aqui o link do email enviado para a EMA) e EMA, na realidade, a análises recentes (aqui o link das análises). Nossa resposta segue a resposta obtida.
Agora, cuidaremos disso, solicitando as bases científicas apoiadas por estudos e publicações clínicas, em apoio às considerações de risco que eles nos relataram.
 


Resposta EMA
Caro Sr. Donolato
Obrigado pelo seu e-mail de 16 de julho de 2018, no qual você expressa preocupação com a qualidade de várias vacinas europeias.
Em resposta à sua preocupação de que algumas vacinas estejam contaminadas com DNA celular ou viral, observe que, como todos os medicamentos biológicos, as vacinas podem conter quantidades residuais de fragmentos de DNA originários do processo usado para sua produção e que não são consideradas. contaminantes, mas substâncias residuais.
Cada substância residual resultante da produção é cuidadosamente avaliada pelos reguladores durante a revisão das autorizações de introdução no mercado e reduzida a níveis aceitáveis.
A EMA leva muito a sério seu papel na proteção da saúde pública. Tal como acontece com qualquer medicamento autorizado após avaliação científica da Ema, a qualidade, segurança e eficácia das vacinas são cuidadosamente avaliadas de acordo com os requisitos legais antes da emissão da autorização de introdução no mercado.
Além disso, a EMA monitora todos os medicamentos já existentes no mercado, bem como a qualidade, segurança e eficácia de todas as vacinas que são constantemente monitoradas após a autorização.
Com referência ao Priorix Tetra, Vivotif e Measles Live Vaccine BP, são vacinas com liberação da autorização de introdução no mercado nos países membros através de procedimento nacional de autorização e não via EMA.
Se você deseja obter mais informações sobre vacinas autorizadas nacionalmente, entre em contato com a autoridade nacional competente no estado de seu interesse. Os contatos das autoridades nacionais estão disponíveis aqui http://www.ema.europa.eu/ema/index.jsp?curl=pages/medicines/general/general_content_000155.jsp&murl=menus/partners_and_networks/partners_and_networks.jsp&mid=WC0b01ac0580036d63 .

Note-se que a Farmacopeia Europeia descreve os padrões oficiais de qualidade que os fabricantes devem respeitar para as matérias-primas utilizadas na produção de medicamentos.
Em particular, o capítulo 5.2.3, sobre substratos celulares na produção de vacinas para uso humano, contém informações sobre o tipo de linhagem celular a ser utilizada e suas características técnicas e específicas.
De acordo com o capítulo 5.2.3, um limite superior aceitável para resíduos de DNA de células estranhas (que é específico do produto e depende de muitos fatores, incluindo a natureza do substrato / produto celular e as características do processo de produção, etc.), deve ser estabelecido apenas quando o processo de produção utiliza determinadas linhas celulares com capacidade ilimitada de multiplicação in vitro (por exemplo, linhas celulares contínuas).
Conforme estabelecido no mesmo capítulo "para vacinas produzidas em linhas celulares contínuas, tumorigênicas ou não, deve-se fazer uma avaliação e mitigação de riscos para avaliar a qualidade do substrato celular, para definir os critérios aceitáveis ​​para os resíduos de DNA celular estranho no produto final e avaliar a presença de proteínas celulares ".
Com base nas informações publicadas, o Priorix Tetra contém cepas de vírus produzidas separadamente em células embrionárias de galinha (caxumba e sarampo) ou células diplóides humanas MRC-5 (rubéola e catapora).
As linhas usadas para Priorix Tetra incluem células diplóides humanas que não podem se dividir indefinidamente (não contínuas).
Deve-se notar que, para a Farmacopeia Europeia, o MRC-5 é reconhecido como não tumorigênico, como demonstrado por décadas de uso e controle, portanto, um limite superior não se aplica a eles.
Também convidamos você a ver o documento da OMS "Recomendações para a avaliação de culturas de células animais como substratos para a fabricação de medicamentos biológicos e para a caracterização de bancos de células (2013)", que fornece um esclarecimento abrangente sobre os riscos associados aos vários tipos de células. usado na produção de vacinas, e mais uma vez confirma que as linhas celulares diplóides foram usadas com sucesso por muitos anos na produção de vacinas virais e resíduos de DNA celular derivados dessas células não foram (e não são) considerados como tendo qualquer risco significativo (link: http://www.who.int/biologicals/vaccines/TRS_978_Annex_3.pdf?ua=1 )

No que diz respeito ao fato de que variantes genéticas afetam a segurança e a eficácia, deve-se notar que as modificações na sequência genômica de um vírus não necessariamente afetam os determinantes antigênicos necessários para estimular a resposta imune desejada em humanos. Da mesma forma, a manutenção da atenuação dos vírus contidos nessas vacinas será verificada durante a revisão do processo de autorização de comercialização.
Todas as vacinas autorizadas na UE são testadas a priori para liberação do lote pelo detentor da autorização de liberação usando métodos aprovados que provaram ser adequados para determinar a potência (ou seja, atividade biológica) de todas as substâncias contidas.
Além disso, todas as vacinas aprovadas pela EMA e muitas aprovadas nacionalmente precisam ser testadas antes da liberação do lote, por um laboratório oficial de controle de medicamentos, para permitir que a empresa comercialize o lote em um lote específico. território.
Para mais informação https://www.edqm.eu/en/batch-release-human-biologicals-vaccines-blood-and-plasma-derivatives .

Em referência ao Infanrix Hexa, autorizado pela EMA, é uma vacina que contém três poliovírus inativados, além de outros antígenos.
O teste de liberação desta vacina é realizado de acordo com as disposições da OMS e da Farmacopeia Europeia, que incluem o teste da atividade biológica da poliomielite.
Isso é feito medindo o antígeno D (o antígeno da poliomielite D estimula os anticorpos neutralizantes).
A poliomielite é um vírus de RNA e, conforme avaliação científica (link http://www.ema.europa.eu/docs/en_GB/document_library/EPAR_-_Scientific_Discussion/human/000296/WC500032501.pdf ), o DNA de célula estranha é praticamente eliminado durante o processo de purificação. Neste caso, as células estranhas são células VERO, uma linha celular contínua isolada das células epiteliais de macaco. Daqui resulta que o DNA não contribui para o efeito desta vacina, mas todos os antígenos necessários para o seu efeito estão realmente presentes ".


Considerações sobre Corvelva
Antes de tudo, não estamos surpresos com a referência à Aifa, mas acreditamos que o órgão regulador europeu ainda tem um papel que não pode ser "irritado" simplesmente baixando as responsabilidades para o nacional. Em suma, a pergunta deveria interessar a eles de qualquer maneira, e eles também poderiam fazer uma pergunta à AIFA, em uma inspeção mais minuciosa ... se quisessem.

Em segundo lugar, continuamos pelo menos perplexos com a falta de regulamentação em relação à quantidade de DNA presente nas vacinas: as diretrizes (feitas por eles) também podem ter estabelecido que essas linhas celulares não precisam de limites quantitativos, mas a coisa é per se auto-desconcertante, pois não existem (e não indicam) publicações e estudos sobre a inofensividade desses "resíduos" (diante dos resíduos, gostaríamos de enfatizar, é o DNA fetal humano de um genoma inteiro e não frações desprezíveis !! !), embora em nossa primeira comunicação já tivéssemos levantado o problema escrevendo "como não há dados disponíveis na literatura, nem foram fornecidos pela EMA, sobre a ausência de perigo associado à exposição a esse tipo de contaminação", Ema também aqui não relata respostas concretas apoiadas por publicações, não menciona nenhum estudo, mas apenas regulamentos. Bem, de onde vêm esses regulamentos? Esta é a pergunta à qual esperamos uma resposta! Essas reivindicações da EMA não são suportadas por nenhum estudo científico sobre a segurança de linhas celulares diplóides, nem por publicações específicas (isto é, estudos clínicos de segurança entre populações não vacinadas e vacinadas com vacinas produzidas com essas linhas celulares). Portanto, de acordo com o método científico compartilhado, faltam estudos adequados que justifiquem não estabelecer um limite máximo de tolerância para esses tipos de impurezas.

No que diz respeito às conclusões sobre o Infanrix hexa em relação ao poliovírus, a presença do antígeno D já está sendo verificada, aguardamos os resultados para estabelecer se as vacinas são ou não compatíveis deste ponto de vista. No entanto, as análises realizadas mostraram a ausência (isto é, a não detectabilidade com o método instrumental utilizado) dos vírus da poliomielite. Esta ausência, com base no que é relatado na ficha técnica e na avaliação científica realizada pela EMA, não pode ser justificada, uma vez que sempre é feita referência à presença de antígenos virais como agentes responsáveis ​​pela resposta imune.

Em geral, essa resposta não é suficiente em nossa opinião e, de fato, carece de evidências científicas e, de fato, ressalta nosso pedido em relação às verificações a serem realizadas e considerações sobre a confiabilidade e segurança das vacinas analisadas.

No entanto, a associação está prestes a registrar uma reclamação, uma vez que os órgãos reguladores parecem ignorar os muitos problemas levantados.