"Eu vi o contrato da vacina", MEP francês joga a bomba sobre os efeitos colaterais

"Eu vi o contrato da vacina", MEP francês joga a bomba sobre os efeitos colaterais
(Tempo de leitura: 2 - 3 minutos)

Un contrato pieno di omitido e "enterrado" em uma sala de Bruxelas com regras de acesso rígidas. E essa pouca informação disponível faz tremer as veias dos pulsos. Para apontar o dedo ao gerenciamento de informações sobre Vacina para o covid da parte da União Europeia é o MEP francês Michéle Rivasi que viu a versão - com inúmeras reclamações - do contrato assinado pela Comissão Europeia com o Curevac para adquirir antecipadamente as doses da vacina anti-Covid.

Ravasi, da Verdi / Ale, afirmou que por exemplo no contrato “não há nada” sobre quem é responsável por qualquer dano causado por possíveis efeitos colaterais vacinação. Material que é objeto de um pedido de informações ao Comissário Europeu da Saúde Stella Kyriakides  durante o plenário de Bruxelas.

“Há meses - sublinha Rivasi - pedimos o acesso aos contratos” assinados pela Comissão com os fabricantes de vacinas, que o executivo continua a manter em segredo, limitando-se a facultar o acesso parcial, apenas numa sala de leitura montada pela DG Sante em Bruxelas , no meio da pandemia, com a condição de não tirar fotos e fazer anotações, al contrato assinado com Curevac"(omitido em pontos cruciais, como os relativos à responsabilidade)." Fiz uma viagem de trem de seis horas até esta sala de leitura. Não há nada sobre os números "concedidos aos produtores"; nos locais de produção, não há nada; sobre os preços, não tem nada ".

 Na verdade, estes últimos são em parte conhecidos graças a um tweet, que data de dezembro, da subsecretária belga Eva de Bleeker, que no calor de uma polêmica no Twitter com os rivais do N-Va quebrou o segredo solicitado pelas multinacionais e concedeu pela Comissão. O subsecretário então excluiu o tweet, completo com uma tabela, mas foi selecionado e publicado por um jornal flamengo. Segundo a tabela publicada por De Bleeker, nunca desmentida pela Comissão, a vacina da Pfizer e da BionTech custa à UE 12 euros por dose, pouco menos de $ 18 (cerca de 14,7 euros) por dose da vacina Moderna. A vacina Oxford / AstraZeneca é a mais barata (1,78 euros por dose). Para Curevac é de 10 euros por dose, para Sanofi / Gsk é de 7,56 euros, para Johnson & Johnson de 8,5 dólares por dose.

Mas além do preço, há muitos dados que não são divulgados. “Então - continua Rivasi - não é possível, não se pode dar tanto dinheiro público sem indenização”. E especialmente, "quem é o responsável pelos efeitos colaterais? Você tem que responder sobre isso, porque não tem nada nos contratos. Se eu for vacinado amanhã e tiver paralisia facial, quem será o responsável? O estado ou a empresa farmacêutica? Você tem que responder ".

fonte: https://www.iltempo.it/attualita/2021/01/19/news/vaccino-covid-effetti-collaterali-omissis-michele-rivasi-europarlamento-curevac-unione-europea-censura-25924999/