A vacina contra hepatite B pode causar ferimentos e morte?

A vacina contra hepatite B pode causar lesões e/ou morte?

A vacina contra hepatite B pode causar lesões e/ou morte?

Em 1981, a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA autorizou uma vacina contra hepatite B derivada de plasma que continha antígenos retirados de indivíduos infectados. Esta vacina foi posteriormente retirada do mercado porque, como todas as vacinas produzidas a partir de sangue humano, era capaz de transmitir vírus indesejados e potencialmente perigosos. Em 1986, foi autorizada a primeira de uma série de vacinas geneticamente modificadas (DNA recombinante).
Numerosos estudos investigaram a probabilidade de aqueles que receberam a vacina derivada do plasma também poderem ter contraído vírus indesejados, especialmente o VIH, o precursor da SIDA.(1-2) Além disso, os estudos clínicos para atestar a segurança da atual vacina contra a hepatite B só foram realizados em 147 crianças saudáveis ​​monitorizadas durante apenas 5 dias após a administração.(3) Esta não é uma amostra suficientemente grande nem um período suficientemente longo para determinar a verdadeira incidência de eventos adversos. As próprias empresas fabricantes admitiram que “o uso generalizado da vacina pode levar ao surgimento de reações adversas não observadas em ensaios clínicos”.(4)
Mesmo os indivíduos adultos foram monitorados por apenas cinco dias após a vacinação e, apesar disso, ainda foram relatados efeitos sistêmicos como artralgia, mialgia, parestesia, dores nas costas e pescoço, linfadenopatia, dor de cabeça, febre, mal-estar, calafrios, vômitos, diarréia, dor abdominal. dor, infecções do trato respiratório superior, dor de ouvido e hipotensão.(5)
Apesar das fichas técnicas oficiais, e outros documentos que propagam(6) a vacina contra hepatite B, tendem a minimizar ou negar reações adversas graves, numerosos estudos publicados em revistas médicas e científicas em todo o mundo e relatórios encaminhados ao VAERS(7) confirmar diversas patologias em consequência da vacinação. Alguns desses estudos estão resumidos abaixo.


Artrite

Em 1990, logo após a introdução da vacina contra a hepatite B, o British Medical Journal documentou uma ligação entre a vacina e a poliartrite, uma inflamação dolorosa de cinco ou mais articulações.(8) No mesmo ano, o Journal of Rheumatology publicou um artigo sobre artrite reativa após vacinação contra hepatite B.(9)

Em 1994, o British Journal of Rheumatology divulgou dados que documentavam a artrite reumatóide após a vacina(10) e o BMJ publicou mais três relatórios confirmando a ligação entre a vacina e a artrite reativa.(11-12) Em 1995, dois estudos foram publicados no Scandinavian Journal of Rheumatology confirmando casos de artrite pós-vacinação(13-14) e nesse mesmo ano o Irish Medical Journal documentou a ligação com a artropatia.(15) Em 1997, o British Journal of Rheumatology publicou dois outros estudos documentando vários casos de poliartrite inflamatória após a vacina(16-17) e em 1998 o Journal of Rheumatology confirmou novamente a artrite reumatóide.(18) Ainda nesse ano, a revista francesa Revue de Médecine Interne publicou um estudo sobre a doença de Still com início na idade adulta - um tipo raro e doloroso de artrite - após vacinação contra hepatite A e B.(19) Em 1999, a Reumatologia documentou distúrbios reumatológicos após a vacina(20) e em 2000, o Colégio Americano de Reumatologia publicou uma pesquisa na revista especializada Arthritis & Rheumatology que documentou a síndrome de Sjogren - uma forma rara de artrite crônica - após a vacinação contra hepatite B.(21)


Doenças autoimunes e neurológicas, incluindo esclerose múltipla

Em 1983, o New England Journal of Medicine publicou um estudo demonstrando o aparecimento de polineuropatia – mau funcionamento simultâneo de vários nervos – após a vacinação contra hepatite B.(22) Em 1988, o American Journal of Epidemiology relatou múltiplos “eventos adversos neurológicos” após a vacina, incluindo numerosos casos de síndrome de Guillain-Barré, radiculopatia lombar, neuropatia do plexo braquial, neurite óptica e mielite transversa.(23) No mesmo ano, a revista Archives of Internal Medicine documentou a miastenia gravis – uma doença neuromuscular autoimune crônica grave – novamente após a vacinação contra hepatite B.(24)
Em 1991, The Lancet publicou um relatório documentando a desmielinização do sistema nervoso central após a vacina(25) e em 1992, a Nephron divulgou dados ligando a vacinação ao lúpus eritematoso sistêmico, uma doença autoimune crônica que afeta múltiplos órgãos.(26) Também em 1992, a revista Clinical Infectious Diseases publicou um estudo ligando a síndrome de Evans – uma doença autoimune e sanguínea rara com alta taxa de mortalidade – à vacina.(27) e a revista francesa Thérapie publicou novamente um estudo sobre "paralisia facial periférica" ​​após a administração do medicamento.(28) Além disso, o Infectious Disease News divulgou um relatório informando numerosos casos de danos neurológicos semelhantes à esclerose múltipla.(29) e em 1993 apareceu um artigo no Journal of Hepatology sobre mielite transversa – inflamação da medula espinhal – após vacinação anti-hepatite B.(30) Nesse mesmo ano, o jornal francês La Nouvelle Presse Médicale publicou dados confirmando a "mielite aguda" pós-vacinação(31) e Doenças Infecciosas Clínicas documentaram “esclerose múltipla clássica”.(32) Em 1994, Arquivos de Pediatria e Medicina do Adolescente divulgaram dados ligando o lúpus à vacina(33) e a revista Acta Neurologica Scandinavica publicaram um relatório sobre ataxia cerebelar aguda – perda grave de equilíbrio e coordenação motora – após a vacinação em questão.(34)

Em 1995, a desmielinização do sistema nervoso central foi relatada no Journal of Neurology, Neurosurgery and Psychiatry(35) e no American Journal of Neuroradiology mielite. Os autores deste último estudo observaram que eventos adversos desta natureza podem ser subnotificados porque os sintomas são tardios.(36) Em 1996, tanto a Nephron quanto a revista francesa Annales de Dermatologie et de Vénéréologie publicaram estudos atestando a correlação entre o lúpus eritematoso e a vacina contra hepatite B.(37-38) No mesmo ano, o Journal of Hepatology publicou um relatório sobre a ligação com a leucoencefalite, inflamação da substância branca do cérebro.(39) Em 1996, o New England Journal of Medicine documentou a crioglobulinemia pós-vacinação, uma doença autoimune rara que prejudica a circulação, causa sangramento e outros problemas.(40)
A autoimunidade induzida por vacina foi certificada no Journal of Autoimmunity(41) e em 1997, o Indian Journal of Pediatrics publicou um estudo ligando a síndrome de Guillain-Barré, uma doença autoimune que causa danos nos nervos, fraqueza muscular e paralisia, à vacina.(42) No mesmo ano, o Journal of Korean Medical Science documentou mielite aguda(43) e também surgiu a ligação com a "neuropatia do nervo mental".(44)

Os dados apareceram então no JAMA sobre 46 pessoas – a maioria mulheres – que perderam o cabelo após a vacinação contra a hepatite B.(45)
Em 1998, tanto o lúpus eritematoso como a trombocitopenia foram documentados em indivíduos vacinados(46) e em 1999 mais alopecia no American Journal of Gastroenterology.(47) No mesmo ano, a Autoimmunity documentou uma polineuropatia desmielinizante, enquanto a Neurology publicou dados ligando a esclerose múltipla e a encefalite à vacina.(48-49) Também em 1999, La Nouvelle Presse Médicale escreveu sobre a mielite cervical pós-vacinação(50) e em 2000 a esclerose múltipla foi discutida em Neurologia.(51) Também em 2000, o Jornal da Associação Médica da Tailândia escreveu sobre a síndrome de Guillain-Barré após vacina de DNA recombinante contra hepatite B(52) e em 2001, a Clinical Infectious Diseases documentou leucoencefalite.(53) Em 2004, a Neurology publicou um estudo mostrando a associação entre a vacina e um risco estatisticamente significativo de esclerose múltipla;(54) em 2006, o Chinese Medical Journal também documentou a esclerose múltipla.(55) Em 2008, a Neurology divulgou dois estudos mostrando uma correlação estatisticamente significativa entre a vacinação contra hepatite B em crianças e o desenvolvimento de esclerose múltipla pediátrica (desmielinização do sistema nervoso central) mais de três anos depois.(56-57)


Comprometimento sensorial

Numerosas publicações médicas e científicas documentaram deficiências visuais e auditivas após a vacinação contra a hepatite B. Por exemplo, em 1987, The Lancet publicou um artigo sobre uveíte – inflamação do revestimento interno do olho que muitas vezes leva à cegueira – após a vacina.(58) Em 1993, novamente no The Lancet, surgiram mais dados documentando a perda de visão e a eosinofilia – uma doença alérgica do sangue – novamente após a vacinação.(59) Em 1994, a Optometry and Vision Science documentou a neurite óptica pós-vacinação(50) e em 1995, a epiteliopatia – uma doença ocular rara que causa piora da visão – foi discutida nos Arquivos de Oftalmologia.(61) Em 1996, The Lancet publicou um relatório documentando a “oclusão da veia central da retina” após a vacina,(62) enquanto no American Journal of Ophthalmology foi mencionada a síndrome da mancha branca bilateral - que causa perda de visão em ambos os olhos.(63) Também em 1996, La Nouvelle Presse Médicale documentou neuropapilite – inflamação e deterioração do nervo óptico – após a vacina(64) e outro periódico francês, Annales d'Otolaryngologie et de Chirurgie Cervico-Faciale, mencionaram perda auditiva.(65) Em 1997, La Nouvelle Presse Médicale publicou dois estudos diferentes documentando casos graves de oclusão da veia central da retina após a vacinação.(66-67) No mesmo ano, o Transplante de Diálise Nefrológica confirmou o aparecimento de neurite óptica após a vacina(68) e a International Ophthalmology certificou “complicações oftálmicas” em indivíduos vacinados.(69) Também em 1997, os Anais da Academia de Ciências de Nova York e o jornal internacional Auris, Nasus, Larynx observaram perda auditiva pós-vacinação,(70-71) enquanto em 1998 o Journal of French Ophthalmology publicou dados sobre epiteliopatia.(72) Em 1999, o BMJ confirmou neurite óptica após vacinação contra hepatite B(73) e papiledema Acta Ophthalmologica Scandinavica - inchaço do disco óptico.(74) Em 2001, uma revista alemã, Klinische Monatsblätter Für Augenheilkunde, também confirmou neurite óptica pós-vacinação.(75)


Doenças do sangue

Em 1990, logo após a introdução da vacina contra hepatite B no mercado de massa, o BMJ documentou vasculite, uma inflamação dos vasos sanguíneos, após a administração do medicamento.(76) Em 1993, a revista inglesa Thorax confirmou(77) e The Lancet publicou um estudo sobre eosinofilia, uma doença alérgica do sangue, novamente após a vacinação.(78) Em 1994 e 1995, a The Lancet também documentou a trombocitopenia – uma doença grave que causa sangramento excessivo, hematomas e problemas de coagulação.(79-80) Em 1998, o início da trombocitopenia foi confirmado em numerosos pacientes recentemente vacinados(81) também do Scandinavian Journal of Infectious Diseases confirmado e Archives of Disease in Children publicou dados que confirmam esta doença como um evento adverso da vacina.(82) Em 1999, o European Journal of Pediatrics confirmou mais uma vez a trombocitopenia após as vacinas contra hepatite B e MMR(83) e no mesmo ano o Journal of Rheumatology publicou dois importantes estudos dos quais o primeiro demonstrou a correlação entre vacina e vasculite(84) e a segunda eritermalgia, espasmos vasculares nas mãos e pés que causam dor e queimação.(85) Em 2000, a Reumatologia Clínica e Experimental estudou casos de poliartrite nodosa(86) - um tipo de vasculite rara, sistémica e necrosante (que danifica as células) - e o British Journal of Hematology documentou pancitopenia grave - uma redução perigosa dos glóbulos vermelhos.(87) Em 2001, o Journal of Rheumatology publicou dados adicionais confirmando a possibilidade de vasculite após vacina recombinante contra hepatite B(88) e a revista italiana Haematologica confirmaram a trombocitopenia como evento adverso.(89)


Doenças de pele

Em 1989, o New England Journal of Medicine documentou eritema nodoso – inflamação dolorosa da pele com inchaços suaves – após a vacinação contra hepatite B.(90) Em 1993, o Journal of Rheumatology relatou casos de eritema nodoso e artrite de Takayasu – uma forma rara de vasculite.(91) No mesmo ano, a revista sueca Acta Dermato-Venereologica escreveu sobre o líquen ruber plano após a vacinação(92) - uma erupção cutânea com comichão, caracterizada por lesões espessas e duras, próximas umas das outras, que se assemelham a algas ou fungos que crescem nas rochas. Em 1994, os Arquivos de Dermatologia também documentaram o líquen plano após a vacinação(93) e a Dermatologia Pediátrica demonstraram uma ligação com o eritema multiforme.(94) Em 1997, o Australasian Journal of Dermatology confirmou a “reação liquenóide” (líquen plano) após a vacina(95) e o Journal of the American Academy of Dermatology escreveram sobre anetodermia(96) - enrugamentos localizados, perda de elasticidade e atrofia da pele - após vacinação. Em 1998, o British Journal of Dermatology publicou dois estudos documentando doenças de pele pós-vacinação: um deles tratava do líquen plano(97) e outro sobre urticária e angioedema,(98) patologias de base alérgica caracterizadas por ardor, ardor e inchaço doloroso. Em 1999, o líquen plano também foi mencionado no International Journal of Dermatology(99) e em 2000, dados confirmando eritema multiforme pós-vacinal foram publicados na Clinical and Experimental Dermatology.(100) No mesmo ano, o Nepal Journal of Dermatology escreveu novamente sobre o líquen plano após a vacinação contra hepatite B(101) em 2001 a menção apareceu no Journal of the American Academy of Dermatology(102) enquanto a Dermatologia Pediátrica falava em erupção liquenoide.(103)


Diabetes, doenças hepáticas e renais

Em 1994, The Lancet documentou disfunção hepática após vacinação contra hepatite B(104) e em 1995 a Clinical Nephrology publicou um estudo sobre síndrome nefrótica - dano renal - novamente após a vacinação.(105) Em 1996, o New Zealand Medical Journal publicou dois documentos que correlacionavam a anti-hepatite B a epidemias de diabetes mellitus dependente de insulina (DMID). Os autores descobriram que nos três anos seguintes a uma campanha de vacinação em massa recentemente introduzida e muito extensa, houve um aumento de 60% nos casos de IDDM.(106-107) Em 1997, a Medicina Intensiva escreveu sobre inflamação hepática e doença respiratória aguda após vacinação (108). Em 2000, a Nefrologia Pediátrica confirmou a possibilidade de sofrer de síndrome nefrótica após receber a vacina.(109) Outras publicações também documentaram reações adversas a esta vacina.(110-111-112-113-114-115-116-117-118-119)


A França eliminou o anti-hepatite B do calendário de vacinação pediátrica

Em Julho de 1998, aproximadamente 15.000 cidadãos franceses pertencentes a quinze associações apresentaram uma acção judicial contra o governo francês alegando que este tinha enganado o público sobre os riscos e benefícios associados à vacina contra a hepatite B. Centenas - talvez milhares - de pessoas sofreram de doenças auto-imunes e distúrbios neurológicos, incluindo esclerose múltipla, após a vacinação.(120) Como resultado, em Outubro de 1998, a França tornou-se o primeiro país a abolir a exigência de admissão desta vacina na escola.(121)


A vacina contra hepatite B e AIDS

Em 1978, o Hemocentro de Nova York, em Manhattan, Nova York, injetou em homens homossexuais uma vacina experimental contra a hepatite B, produzida pela Merck, para cuja preparação foram utilizados chimpanzés. Pouco tempo depois, homossexuais masculinos em São Francisco, Los Angeles, Denver, Chicago e St. Louis também receberam 3 doses da droga durante um período de três meses.
Em 1980, 20% dos homens homossexuais que se voluntariaram para a experiência de Manhattan testaram positivo para o VIH – a incidência mais elevada no mundo, incluindo África. Em 1981, a epidemia de AIDS tornou-se oficial. Embora não haja provas de que a vacina experimental contra a hepatite B naqueles voluntários homossexuais tenha causado SIDA, não há dúvida de que a doença atingiu o pico logo após as injecções.(122)


Qual é a eficácia da vacina contra hepatite B?

A eficácia da vacina contra hepatite B foi definida pela injeção do medicamento em indivíduos nos quais foram medidos os anticorpos específicos produzidos no sangue. Estes anticorpos devem atingir ou exceder determinados níveis estabelecidos por especialistas e que se presume proporcionarem proteção. Os cientistas chamam isso de “seroproteção”. De acordo com esta definição, a vacina é considerada “altamente imunogénica” quando os níveis de anticorpos são mensuráveis ​​no curto período após a última dose de um ciclo de três reforços.(123) No entanto, de acordo com as indústrias transformadoras, a duração do efeito protetor em pessoas saudáveis ​​vacinadas não é conhecida. Estudos de acompanhamento cinco a nove anos depois mostram que cerca de metade de todos os indivíduos vacinados já não apresentam níveis protetores de anticorpos.(124-125)

Por exemplo, um estudo publicado no New England Journal of Medicine descobriu que, após cinco anos, os níveis de anticorpos (que se presume estarem ligados à imunidade) diminuíram drasticamente ou já não eram detectáveis ​​em 42% dos vacinados. Além disso, 34 dos 773 indivíduos (4,4%) estavam infectados com o vírus.(126-127) Num outro estudo, menos de 40% dos vacinados apresentavam anticorpos protetores após cinco anos.(128)

Uma pesquisa semelhante mostrou que 48% dos indivíduos vacinados apresentavam níveis inadequados de anticorpos após apenas quatro anos.(129) Segundo a OMS, até “60% dos adultos perderão todos os anticorpos mensuráveis ​​induzidos pela vacina contra hepatite B dentro de seis a dez anos”.(130) e a literatura médica está repleta de dados que confirmam o fracasso da vacinação.(131-132)

Vacinas: um guia para escolhas informadas por Neil Z. Miller (autor) e Claudia Benatti (tradutora)
Edições Terra Nuova, 2018

NOTA IMPORTANTE: A Corvelva convida-o a obter informação aprofundada através da leitura de todas as secções e links, bem como dos folhetos dos produtos e fichas técnicas do fabricante, e a falar com um ou mais profissionais de confiança antes de decidir vacinar-se a si ou ao seu filho. Esta informação é apenas para fins informativos e não pretende ser um conselho médico.

Leia também...

Recomendamos que você leia também...

Corvela

Publique o módulo Menu na posição "offcanvas". Aqui você pode publicar outros módulos também.
Saber mais.