O estudo: o impacto do Pfas nos hormônios femininos prejudica a fertilidade

O estudo: o impacto do Pfas nos hormônios femininos prejudica a fertilidade
(Tempo de leitura: 1 - 2 minutos)

Para apoiá-lo, é o grupo de pesquisa da Universidade de Pádua, coordenado pelo prof. Carlo Foresta

As doenças reprodutivas femininas - por exemplo, alterações do ciclo menstrual, endometriose e abortos, nascidas pré-termo e abaixo do peso - podem estar relacionadas à ação das substâncias perfluoroalquil (Pfas) na função hormonal da progesterona, um hormônio feminino que atua no nível do útero. . Isso foi apoiado pelo grupo de pesquisa da Universidade de Pádua, coordenado por Carlo Foresta, com Andrea Di Nisio e Manuela Rocca, que avaliaram o efeito do Pfas na ação da progesterona.

A ação dos Pfas
A análise in vitro de células endometriais mostrou que Pfas interfere visivelmente na regulação de genes expressos no nível do endométrio; dos mais de 20.000 genes analisados, a progesterona normalmente ativa quase 300, mas a pesquisa descobriu que 127 são alteradas na presença de Pfas, incluindo aquelas que preparam o útero para o embrião criar raízes e, portanto, para a fertilidade.

Pfas também interferem com a testosterona
Há um ano, a mesma equipe de pesquisa identificou o mecanismo pelo qual o Pfas altera o desenvolvimento do sistema urogenital e a fertilidade nos homens, interferindo na atividade da testosterona. "Neste momento - comenta o Prof. Foresta - a compreensão de uma importante interferência da Pfas no sistema reprodutor e endócrino masculino e feminino e no desenvolvimento do embrião, feto e nascimentos, sugere a necessidade urgente de pesquisas para intervir sobre os mecanismos de eliminação dessas substâncias do organismo, especialmente em indivíduos que se enquadram nas categorias de risco ". (Fonte Ansa)