Italian Italiano

A queda do GlaxoSmithKline na China

A queda do GlaxoSmithKline na China

As autoridades chinesas consideraram a GSK culpada de subornar hospitais e médicos para promover seus produtos na China, usando uma rede de quase setecentas agências de viagens para pagar médicos, organizações de saúde e funcionários do governo.

arte gsk china 1

XANGAI - Em agosto de 2013, Peter Humphrey estava no banheiro de seu apartamento em Xangai quando a polícia bateu na porta e o bateu no chão. Quase duas dezenas de policiais invadiram sua casa, confiscando arquivos, laptops e discos rígidos relacionados ao seu trabalho como investigador corporativo.
Humphrey e sua esposa, Yu Yingzeng, foram levados ao prédio 803, um centro de investigação criminal notoriamente gasto, normalmente reservado para contrabandistas de seres humanos, traficantes de drogas e ativistas políticos. Privado de sono e fome, ele foi transferido mais tarde naquele dia para uma prisão, colocado em uma cela e amarrado a uma cadeira de ferro. Três policiais sentaram-se na frente dele e pediram respostas.
Humphrey sabia o motivo do duro interrogatório. Ele e a Sra. Yu trabalharam para GlaxoSmithKline, o fabricante farmacêutico britânico sob investigação na China por fraude e corrupção.

Segundo as autoridades chinesas, a GSK canalizou aproximadamente 3 bilhões de ienes (US $ 482 milhões) para a corrupção através de uma rede de quase setecentas agências de viagens para pagar por médicos, organizações de saúde e funcionários do governo. A GSK inicialmente negou qualquer envolvimento em subornos, mas admitiu, somente após uma investigação interna, que alguns executivos haviam agido de forma independente.
Um total de 5 executivos da GSK foram presos. Mark Reilly, CEO das operações da GlaxoSmithKline na China, recebeu a suspensão da sentença de prisão junto com outros 4 executivos seniores.

A filial local da GSK na China foi considerada culpada de corrupção e multada, a maior multa para uma empresa já paga na China (segundo a agência de notícias oficial chinesa Xinhua), mas pouco comparada ao fluxo de caixa anual da GSK, que eram cerca de £ 4 bilhões por ano.

As autoridades chinesas que emitiram o veredicto demonstraram que o custo dos subornos havia passado diretamente para os consumidores chineses. Em outras palavras, médicos e pessoal médico foram subornados para vender seus produtos e o custo desses subornos foi adicionado ao preço dos produtos pelos quais os consumidores pagaram. (BBC News). Segundo um funcionário do Ministério da Segurança da China, operadores corruptos da GSK dificultaram muito a investigação.

Em 2013, as vendas da GSK caíram 61% depois de serem acusadas de corrupção. Até o momento, as vendas de medicamentos e vacinas da GSK na China caíram 29% e as de produtos de saúde para o consumidor caíram XNUMX%.

Quando as alegações de corrupção surgiram, a empresa desconsiderou as mudanças sistêmicas desejáveis ​​e, em vez disso, tentou minimizar os problemas e desacreditar seus acusadores, imaginando que os funcionários não prestariam atenção, mas o material contra a corrupção da GlaxoSmithKline na China era muito abundante. Ao longo do caminho, havia subornos, uma fita de sexo misteriosa e o investigador corporativo Peter Humphrey contratado pela empresa farmacêutica para investigar também os antecedentes pessoais de executivos do governo.

o início
Tudo começou com um e-mail anônimo que, em janeiro de 2013, traçou um mapa detalhado da fraude nas operações chinesas direcionada ao conselho de administração da Glaxo obtido pelo New York Times, juntamente com outros materiais confidenciais. Escrito em inglês perfeito, o email foi organizado como uma nota da empresa e sob o título "Férias de viagem em conferência para médicos"O denunciante anônimo escreveu claramente que os profissionais médicos chineses receberam viagens e despesas totalmente pagas pela GSK na forma de conferências internacionais. A empresa cobriu os custos de passagens aéreas e quartos de hotel e distribuiu dinheiro para refeições e excursões turísticas.
Em uma seção intitulada "A GSK falsificou seus livros e registros para ocultar suas práticas ilegais de marketing na China ", o email explicou como a Glaxo estava oferecendo medicamentos para usos não aprovados. Por exemplo, o informante afirmou que Lamictal havia sido promovido agressivamente como um tratamento para o transtorno bipolar, apesar de ter sido aprovado apenas na China para epilepsia.
Glaxo "quase matou um paciente comercializando ilegalmente sua droga Lamictal", continuou o informante no e-mail enviado ao Times, "A GSK China comprou o silêncio do paciente por US $ 9.000".

Desde o primeiro e-mail que abriu o escândalo, outros 17 meses se passaram e, entretanto, mais duas dúzias que o informante enviava regularmente aos reguladores chineses, aos gerentes da Glaxo e ao auditor da empresa (PricewaterhouseCoopers).

arte gsk china 2A Glaxo se recusou repetidamente a comentar o incidente chinês, exceto com uma nota enviada à imprensa na qual "ele aceitou completamente os fatos e as evidências da investigação e o veredicto das autoridades judiciais chinesas", lê um comunicado. "A GSK PLC sinceramente pede desculpas a pacientes, médicos e hospitais chineses e ao governo chinês e ao povo chinês".

Humphrey e Yu passaram dois anos na prisão por obter ilegalmente documentos do governo. Humphrey passou sua detenção em uma cela com uma dúzia de outros presos. Não havia camas ou outros móveis, apenas um banheiro aberto e uma luz de neon acima da cabeça. Humphrey e sua esposa foram libertados em julho de 2015.

arte gsk china 3


história

  • Dezembro 2011
    Um informador que trabalhou na Glaxo envia um e-mail para os reguladores chineses, especificando a fraude e a corrupção nas operações chinesas do fabricante de produtos farmacêuticos.
    É o primeiro de cerca de duas dúzias de emails enviados em um período de 17 meses.
  • Abril 2012
    Os executivos da Glaxo na China estão começando a entender que um informante está enviando documentos para os reguladores chineses alegando corrupção generalizada dentro da empresa.
  • Julho 2012
    A empresa se declara culpada nos Estados Unidos por acusações criminais de comercializar drogas e subornos impróprios para médicos. O CEO da empresa, Sir Andrew Witty, promete que "isso nunca acontecerá novamente".
  • Dezembro 2012
    Vivian Shi, chefe de governo da Glaxo na China, é demitida, provavelmente por falsificar as despesas de viagem. Mas a verdadeira razão, de acordo com documentos internos, é que Shi é suspeita de ser a informante.
  • Janeiro 2013
    O informante envia um e-mail de 5.200 palavras ao presidente da Glaxo, aos gerentes e ao auditor externo da empresa.
    O e-mail, como os anteriores às autoridades, descreve um esquema sistemático de fraude e corrupção. As acusações são descartadas pela empresa como uma "campanha difamatória".
  • Março 2013
    Os principais executivos da Glaxo em Londres recebem outro e-mail do informante, desta vez citando Mark Reilly, chefe de operações da empresa na China, envolvido em um ato sexual em seu apartamento.
  • Abril 2013
    A Glaxo contrata a ChinaWhys, uma empresa de consultoria privada administrada por Peter Humphrey e sua esposa, Yu Yingzeng, para investigar o suposto denunciante e uma invasão na casa de Reilly. A investigação está codificada como "Projeto Escorpião".
  • Junho 2013
    Humphrey apresenta os resultados de suas investigações à Glaxo.
    Embora seu relatório não ofereça evidências que liguem Shi a e-mails, ele observa que o suposto denunciante tem "um histórico".
  • Junho 2013
    A polícia realiza uma série de operações coordenadas nos escritórios da Glaxo em toda a China, detendo quatro executivos, incluindo o advogado-chefe do país.
    Várias agências de viagens que trabalham em estreita colaboração com a Glaxo são pesquisadas.
  • Julho 10 2013
    Humphrey e Yu, os investigadores particulares contratados pela Glaxo, são presos pela polícia.
  • Julho 15 2013
    Em uma coletiva de imprensa em Pequim, os promotores acusam os executivos seniores das operações chinesas da Glaxo de gerenciar um plano elaborado para subornar médicos e trabalhadores de hospitais, descrevendo-o como um "operação de crime organizado".
  • Julho 16 2013
    Quatro executivos chineses da Glaxo confessam o esquema de corrupção e fraude para a televisão estatal.
  • Julho 18 2013
    O chefe de finanças da Glaxo não pode deixar a China.
  • Agosto 2013
    Humphrey e Yu foram presos formalmente em Xangai.
  • Agosto 2014
    Sr..
    Humphrey e Yu são condenados por obter ilegalmente documentos do governo durante suas investigações corporativas, acusação que negaram. Cada um deles cumpriu dois anos de prisão.
  • 19 setembro 2014
    Em um julgamento de um dia, Reilly, chefe de operações da Glaxo na China e outros executivos de empresas se declararam culpados de fraude e corrupção.
    A Glaxo concorda em pagar uma multa de US $ 500 milhões. O Sr. Reilly é deportado da China.

 {youtube} 4EeKOGKFTdY {/ youtube}


Fontes:

Imagem

Newsletter

Lembre-se de confirmar sua inscrição com o link que você encontrará nos e-mails que lhe enviamos

Política de Privacidade
0
ações

Estão interessados?

Siga-nos também nos nossos canais sociais ...

0
ações