Lembra dos Sars, dos Suínos, das Aves? Aqui está o que aconteceu com eles

Lembra dos Sars, dos Suínos, das Aves? Aqui está o que aconteceu com eles
(Tempo de leitura: 2 - 4 minutos)

Limpe ou domar. As principais emergências de saúde que alarmaram o mundo são memórias desbotadas. Eles alegaram vítimas, mas menos influência sazonal

A doença da vaca louca foi erradicada, o vírus dos suínos foi domado pela vacina da gripe sazonal, as aves continuam um sério problema veterinário, mas não são mais perigosas para os seres humanos.

As principais emergências de saúde parecem memórias apagadas e suplantadas pela nova entrada que perturba o mundo: o Ebola. Mas parece que um roteiro já foi visto: primeiro os casos assustadores de doentes, depois alguns mortos e aqui a febre de uma possível pandemia. Assim, o plano de emergência planetária começa e a OMS declara guerra total contra esse ou aquele vírus que pode dizimar a Terra. Com todas as repercussões econômicas que isso implica: milhões de doses de vacinas jogadas fora, sistemas de segurança extremos, controles rígidos onde não haveria necessidade, bilhões de euros ou dólares em fumaça, psicose generalizada. E, no final, pandemias reais ainda não foram vistas. Para todos os vírus apurados, houve mortes, é claro, mas menos do que aqueles que contraem uma gripe sazonal trivial todos os anos. Na Itália, por exemplo, este ano? estação tranquila - são esperados cerca de 4 milhões de casos de gripe e uma estimativa de 6-7000 mortes: o dobro do Ebola em toda a África. E de muitos outros vírus "letais" que agora se tornaram uma memória.

VACA LOUCA

Pela primeira vez diagnosticada no Reino Unido, a doença da vaca louca (EEB) afetou profundamente a cadeia de suprimento de alimentos e, em 2001, exterminou as fazendas de gado da Europa. Os técnicos previram milhares de mortes porque o agente infeccioso, o príon, poderia atingir o homem com a chamada variante de Creutzfeldt Jakob, uma doença degenerativa neurológica. No final, o número de mortos foi de 163. Agora, o bife no osso não é mais um sonho de carnívoros e não há vestígios de BSE.

SARS

Em 2002, Sars chegou. A pneumonia asiática que monopolizou as notícias de todo o mundo. Na Itália, o medo foi ampliado pela morte de Carlo Urbani, o virologista que descobriu o vírus e foi infectado com ele alguns meses antes. No final, Sars atingiu apenas o Sudeste Asiático e o Canadá, registrando 8 casos de contágio e 880 mortes. Apenas uma rica renda dos fabricantes de máscaras permanece em sua passagem. Hoje não há vestígios de Sars: o vírus retornou ao seu habitat natural porque perdeu suas características agressivas.

AVIÁRIA

Apenas três anos depois, no entanto, o alarme retorna em todo o mundo, com o nome técnico de H5N1. A gripe aviária, a febre do frango, estava prestes a eclodir em todo o planeta e, segundo a OMS, "pelo menos um milhão de mortos". Na realidade, as mortes pararam em 369, apesar dos especialistas que a compararam com os espanhóis de 1918 ou com os asiáticos de 57 a 58. Enquanto isso, 40 milhões de doses de antivirais foram armazenadas somente na Itália, enquanto os EUA compraram 192 milhões de dólares de Tamiflu. As aves, no entanto, continuam a ser um grande problema veterinário e ninguém exclui que o vírus, ainda presente de maneira tão maciça nos animais, possa ser transmitido aos seres humanos e, assim, se tornar altamente infeccioso.

SUÍNA

O vírus H1N1, para a OMS, provocaria a primeira pandemia do século XXI. Ele começou em 2009 com os primeiros surtos no México e causou cerca de 18 mortes confirmadas e infectou 482 pessoas. Mas não houve nada dramático, exceto as 229 milhões de doses de vacinas nos Estados Unidos enviadas para o lixo. Além disso, o número de vítimas é ridículo em comparação com aqueles que colhem a gripe do inverno, que mata entre 250 e 500 pessoas em todo o mundo a cada ano. O vírus H1N1 agora foi incorporado à vacina normal contra a gripe e não mais assusta ninguém.


fonte: http://www.ilgiornale.it/news/mondo/ricordate-sars-suina-aviaria-ecco-che-fine-hanno-fatto-1058990.html