Imunidade de rebanho para manequins

Imunidade de rebanho para manequins
(Tempo de leitura: 6 - 11 minutos)

Ao elaborar este guia, quis tentar responder à pergunta que sempre me acompanhou na luta pela liberdade de escolha: "O que é imunidade de rebanho".

As dúvidas que me acompanharam não nasceram na Web, ou melhor, não nasceram de sites de búfalos, mas de sites e comunicações institucionais, como o plano de vacinação 2017-19 do Ministério da Saúde, que lê uma longa série de vantagens da "vacinação "Incluindo:

"O benefício é, portanto, direto, decorrente da própria vacinação que imuniza a pessoa vacinada total ou parcialmente e indiretamente, em virtude da criação de uma rede de segurança, a favor de indivíduos não vacinados, o que reduz o risco de contágio. A natureza extraordinária do instrumento é dada pelo fato de que, diante de um uso modesto dos recursos, acarreta esses benefícios significativos em termos de imunidade individual e imunidade coletiva (imunidade de rebanho)". 1

Uau, que vilão louco não seria vacinado por todas as vacinas existentes? Bem, mas temos certeza de que tudo é como é vendido para nós?


Teoria da imunidade de rebanho

De acordo com a teoria da imunidade do rebanho, a propagação de uma infecção pode ser interrompida quando um grande número de pessoas está imune e quanto maior a porcentagem de indivíduos imunizados, menor a probabilidade de um indivíduo entrar em contato com o patógeno. Simples, conciso, eficaz, mas é tão linear?

Em um nível hipotético absolutamente sim, quanto mais você imuniza e menos provável é que esse patógeno se espalhe, mas, embora esse conceito seja possível, sempre hipoteticamente, o limiar estabelecido pelos modelos não foi absolutamente demonstrado na prática, nem foi mostrado que em nossas sociedades uma diminuição na porcentagem de indivíduos vacinados leva automaticamente ao cancelamento do efeito do rebanho; portanto, estamos no campo das teorias e o conceito de imunidade do rebanho é um conceito teórico.

O conceito de imunidade de rebanho é cientificamente conhecido 2, o que é menos conhecido é o fato de que, na descrição original da imunidade do rebanho, proteção para a população em geral ocorre apenas se as pessoas tiverem contraído infecção natural e a razão é bastante trivial, a doença naturalmente contraída gera imunidade para a vida.

Voltemos à definição "imbecil" de imunidade de rebanho: quanto mais a população é imunizada e menos provável é que o patógeno se espalhe, apenas hipoteticamente porque atualmente não é demonstrado na prática que isso ocorra: o conceito é originalmente definido com base no doença naturalmente contraída, que dá imunidade para a vida.


Com o tempo, aqueles que apóiam a vacinação como solução suprema usaram o termo "imunidade de rebanho", vinculando-o a vacinas, ou seja, imunidade induzida por vacina. O grande problema dessa teoria é a duração - limitada no tempo - da imunização induzida por vacina, um fato conhecido. Além disso, a possível falta ou resposta reduzida da resposta imune depende tanto de fatores individuais - alterações genéticas ou temporárias da funcionalidade do sistema imunológico, patologias ou tratamentos terapêuticos que causam imunossupressão - e de fatores relacionados à maneira como a vacina interage com o sistema imunológico ( responsável por uma eficácia intrinsecamente baixa).
Além disso, a necessidade de administrar várias doses de reforço para permitir uma resposta adequada de anticorpos aumenta o risco de estimular indevidamente o sistema imunológico e pode levar a autoimunidade, hiperimunização ou imunossupressão.
Mais concretamente, porém, à medida que professores conhecidos repetem o conceito de imunidade de rebanho para nós na TV unificada, qualquer pai que tenha vacinado seus filhos e tentado fazer titulações de anticorpos entenderá facilmente quanto o "grande problema" fica maior que o esperado. Um número inesperado e preocupante de indivíduos vacinados, mesmo recentemente, não tem imunidade induzida. Você quer provas? Faça titulações de anticorpos para seus filhos vacinados. Rivaccinateli de acordo com o calendário, faça os testes de anticorpos. Bem, agora faça isso em 100, 1.000 e 10.000 indivíduos e, em seguida, traga evidências de que os não respondedores, os sujeitos cientificamente comprovados que não deveriam responder às vacinas, são de apenas 5%.

Os conceitos de vacinação e imunidade de rebanho dificilmente se encontram, eles encalham sozinhos em praias distantes chamadas "vida real": essas vacinas, e provavelmente a vacina como sempre foi concebida, podem trazer uma imunidade pobre, muito escassa e frequentemente induzida e com uma duração curta, se não muito curta.

Vamos voltar à definição "imbecil" de imunidade de rebanho e acrescentar um pouco: quanto mais a população estiver imunizada e menos provável a propagação do patógeno, tudo hipoteticamente porque ainda não foi demonstrado na prática hoje que isso acontece: originalmente o conceito baseado em doenças naturalmente contraídas, o que dá imunidade para a vida. A imunidade induzida pela vacina, apesar de ser o mantra comumente reconhecido, não leva em consideração a eficácia real de algumas vacinas, tanto como imunização quanto como duração da imunização.

Isso é suficiente? Não, a visão vaccinocêntrica precisa de mais evidências para apoiar a tese "vamos vacinar as pedras" e, se a evidência não estiver lá, cria confusão. Entre os conceitos sobre os quais criou deliberadamente confusão estão "imunidade ao rebanho" e "efeito rebanho". 3 Entendemos a imunidade do rebanho, espero, mas basicamente esse conceito diz respeito a indivíduos imunizados, enquanto o efeito do rebanho diz respeito aos demais não imunizados. Vamos explicar com mais clareza: se colocarmos 95% da população imunizada (doença induzida por vacina e doença natural) como imunidade ao rebanho, estaremos falando sobre aqueles que foram imunizados, mas se falarmos sobre "efeito rebanho", estaremos falando sobre isso, o 5% neste exemplo, não imunizado ou imunizável.

O efeito rebanho, para ser mais preciso, é definido como: "a redução de infecção ou doença no segmento não vacinado como resultado da imunização de uma proporção da população". O efeito do rebanho, a ser analisado separadamente da imunidade do rebanho, também usando a visão vaccinocêntrica, pode ser medido quantificando a diminuição na incidência de uma infecção usada como parâmetro no segmento não vacinado de uma população na qual um programa de imunização é estabelecida. Portanto, se é verdade que um programa de saúde pública induz ou melhora a imunidade do rebanho, não se diz que ele também cause uma diminuição na probabilidade de adoecer nos não vacinados ou vacinados. Vamos lembrar, estamos no campo da pura teoria.


E agora um pouco de álgebra e vacinação

Se examinarmos a teoria na qual a imunidade do rebanho se baseia, de uma maneira muito simplificada, imunidade de rebanho (imunidade de rebanho) é uma equação que depende essencialmente da contagiosidade de cada doença. 4-5 A contagiosidade das doenças é definida como R0 (Taxa reprodutiva do agente infeccioso) que determina teoricamente quantas pessoas um paciente infectado pode, em média, infectar.
para Manequins: um patógeno com R0= 2 tem uma previsão de 2 infectados para cada infectado. Se o R.0 20, você terá 20 infecções infectadas e assim por diante.

Vamos voltar para nós, para calcular a imunidade do rebanho, teremos que fazer uma equação simples (Imunidade H Herd):

H = 1- (1 / R0)

Eu gostaria que a passagem fosse clara, aqueles que são bons em matemática, com licença, eu vou usar R0 mais alto, o sarampo, como exemplo, e eu darei todas as etapas:

H = 1 - (1 / R0) aplicado ao sarampo será H = 1 - (1/18)

portanto H = 1 - (1/18) torna-se H = 1 - 0,055555555555556 ou H = 0,944444444444444 que arredondado para baixo 0,94. o R0 sarampo é de 94%.

Obviamente, sabemos o que R é0 de todas as doenças que podem ter contagiosidade e daí decorre o seguinte esquema, que copiamos das publicações científicas mencionadas abaixo:

rebanho de imunidade de corvelva para manequins 1

Seria impreciso se não falasse da matriz de nova geração, introduzida pelo Prof. Diekmann para calcular R0 7. Apenas pense sobre isso, deixo o aprofundamento que, nos novos modelos para calcular o R0 entram novas variantes, entre as quais R1 e R2, a subdivisão em mais classes de população, por exemplo, uma população cujo R0 em uma comunidade normal, tanto de um determinado fator, o mesmo R no hospital aumentaria o fator para a quantidade de patógenos e a maior possibilidade de exposição ao patógeno considerado.
Para cidadãos comuns, pais como eu, um conceito deve ser claro: R0 baixo não determina o perigo do patógeno, R0= 1.8 (portanto, significativamente menor do que um 5-7 associado à rubéola) da epidemia de Ebola no Congo (1995) ou com um R0= 1.34 da epidemia de Ebola de 2000 em Uganda, nos faz entender como a imunidade de grupos e o fator R0 são influenciados por outros fatores nas escolhas de políticas de saúde, muito menos simples que uma fórmula matemática.

Vamos voltar à definição "imbecil" de imunidade de rebanho e acrescentar um pouco: quanto mais a população estiver imunizada e menos provável a propagação do patógeno, tudo hipoteticamente porque ainda não foi demonstrado na prática hoje que isso acontece: originalmente o conceito baseado em doenças naturalmente contraídas, o que dá imunidade para a vida. A imunidade induzida pela vacina, apesar de ser o mantra comumente reconhecido, não leva em consideração a eficácia real de algumas vacinas, tanto como imunização quanto como duração da imunização. Por fim, porém, de acordo com a fórmula matemática para determinar a imunidade do rebanho, estamos (já antes de 2017) bem acima dos limiares de imunidade de quase todas as doenças, portanto, a emergência se torna ainda menos real.


Mas na vida real, toda essa matemática é necessária?

Bem, amigos, quando eu era criança, sempre perguntava ao meu professor o que era a matemática e nunca uma vez recebi uma resposta exaustiva e hoje, na realidade, para reunir imunidade, tudo se torna ainda mais misterioso.
Se você analisar os seguintes dados, retirados do site da Organização Mundial da Saúde 8, entendemos que a cobertura vacinal não está relacionada a surtos epidêmicos em vários estados.
Países com cobertura hexavalente maior que a nossa, como a Alemanha, têm casos de difteria a cada ano, uma doença aparentemente erradicada por nós. Países como a Espanha, que vêem uma boa cobertura para MPR (vacina contra sarampo-caxumba-rubéola) têm muito poucos problemas com sarampo, mas os ciclos epidêmicos da caxumba com 10.000 casos por ano em 2017. A França, que registrou um aumento nas vacinas obrigatórias de 2018 para 3 desde 10, sempre teve cobertura vacinal abaixo de 80%, mas NUNCA teve ciclos epidêmicos de doenças exantematosas. O mistério se aprofunda na Alemanha, que vê de 2014 a 2017 em média 11.000 casos de tosse convulsa por ano, com cobertura vacinal DTP1 (primeira dose da vacina difetrita-tétano-pertussis) acima de 99% e DTP3 (terceira dose da mesma vacina) a 95%, portanto, acima de 1 ponto percentual para o famoso cálculo da tabela um pouco mais acima, referindo-se à tosse convulsa.

rebanho de imunidade de corvelva para manequins 2fonte:
http://apps.who.int/immunization_monitoring/globalsummary/countries?countrycriteria%5Bcountry%5D%5B%5D=ESP
http://apps.who.int/immunization_monitoring/globalsummary/countries?countrycriteria%5Bcountry%5D%5B%5D=DEU

rebanho de imunidade de corvelva para manequins 3
fonte: 
http://apps.who.int/immunization_monitoring/globalsummary/countries?countrycriteria%5Bcountry%5D%5B%5D=FRA
http://apps.who.int/immunization_monitoring/globalsummary/countries?countrycriteria%5Bcountry%5D%5B%5D=ITA

Vamos voltar à definição "para manequins" de imunidade de rebanho e simplificá-la: imunidade de rebanho é uma teoria, ponto final. O resto é pseudociência válida talvez para exercícios mentais. A teoria da imunidade ao rebanho induzida pela vacina é negada anualmente pela realidade. final


1. Plano Nacional de Vacinação 2017-2019 pag 42-82 - http://www.salute.gov.it/imgs/C_17_pubblicazioni_2571_allegato.pdf
2. P. Fox, L. Elveback, W. Scott, L. Gatewood e E. Ackerman, imunidade a rebanhos: conceito básico e relevância para as práticas de imunização em saúde pública, Am. J Epidemiol., 94 (1971), pp. 179-189
E. Fine, imunidade de rebanho: história, teoria, prática, Epidemiol. Rev., 15 (1993), pp. 265-30
3. TJ John e R. Samuel, imunidade do rebanho e efeito rebanho: novas idéias e definições, Eur. J Epidemiol., 16 (2000), pp. 601-606
4. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2249331/pdf/epidinfect00010-0010.pdf pg.8
5. https://academic.oup.com/cid/article/52/7/911/299077/Herd-Immunity-A-Rough-Guide
6. Paul EM FINO. Imunidade de rebanho: história, teoria, prática. Epidemiol. Rev. 1993. 15; 2: 265-302)
7. 18. Heffernan JM, Smith RJ, Wahl LM. Perspectivas sobre a taxa reprodutiva básica. R Soc Pub. 2005; 2 (4): 281-93. [Artigo gratuito do PMC] [PubMed]
8. http://apps.who.int/immunization_monitoring/globalsummary/timeseries/tsincidencemeasles.html