Comissão Parlamentar "Urânio Empobrecido"

Comissão Parlamentar "Urânio Empobrecido"

ads_commissione_uranio.jpg

Um minuto de silêncio ...

Uma premissa necessária deve ser feita: a Comissão Parlamentar de Inquérito "Urânio empobrecido" não nasceu com a sensibilidade particular dos governantes italianos, mas nasceu em 2015, após um número conspícuo de casos de soldados italianos doentes com doenças auto-imunes ou neoplásicas ou falecidas.
Entre eles, mencionamos apenas um dos 2800 casos em que o Ministério da Defesa e Saúde esteve envolvido em causar ferimentos ou morte devido à administração obrigatória e muito próxima de vacinas.

Francesco Rinaldelli, cabo principal do exército italiano, alpino de Potenza Picena. Morreu em 2008 aos 25 anos de idade. (Acórdão do Tribunal Administrativo de Friuli Venezia-Giulia)

imm_commissione_uranio_relazione_francesco_rinaldelli.jpg

Comissão Parlamentar "Urânio Empobrecido"

Algumas das perguntas que estamos fazendo há 25 anos e que finalmente tiveram uma resposta parlamentar:

(Link para o relatório final)

As vacinas são seguras para nossos filhos?

A segurança das vacinas acaba sendo uma certeza necessária e fundamental para quem quer vacinar ou vacinar seu filho, especialmente em situações de obrigação. Não existem estudos que confirmem a segurança das vacinas1.
A Comissão identificou várias questões que questionam seriamente a segurança efetiva de qualquer vacina aprovada para uso militar e civil (são as mesmas vacinas) no território italiano, já apenas se inoculadas individualmente.2.
A segurança das vacinas administradas simultaneamente ou sem aguardar o devido tempo de descarte dos adjuvantes, excipientes e contaminantes causa um aumento exponencial dos riscos relacionados à vacinação.3-4-5. A segurança de múltiplas vacinas, ao contrário do que foi reivindicado até hoje pela classe "médico-política", tem sido questionada pela comissão, chegando ao ponto de pedir para adotar apenas vacinas monovalentes6-7.
Qualquer forma de risco vinculada à prática médica obrigatória, principalmente se realizada em crianças saudáveis, não pode e não deve ser ocultada, ocultada ou minimizada, como é a prática seguida diariamente pelo Estado, Instituições e Equipe Médica Doutrinada.

Existem testes de pré-vacinação para evitar reações adversas?

Existe alguma maneira de evitar uma reação adversa grave e moderada em uma criança saudável?8-9-10
 Até agora, respostas negativas foram chovidas, apoiadas por nada e decididas arbitrariamente11-12-13 por aqueles que queriam, a todo custo, colocar nossas famílias em uma situação crítica e desconfortável, em vários aspectos. A Comissão observou a importância dos testes clínicos de pré-vacinação a ponto de sugerir a exclusão da inscrição14 dos sujeitos que não passam nesses testes, sublinhando a insuficiência do formulário de histórico médico e o consentimento informado preenchido pelos militares durante a administração da vacinação, acreditando que a mera compilação do formulário não pode ser considerada um substituto para os exames de saúde solicitados pelas empresas fabricantes de vacinas.
Consequentemente, é razoável pensar que uma história de três meses de um bebê, baseada principalmente na possível familiaridade de doenças autoimunes, depressões imunológicas ou qualquer patologia que possa ser um fator de risco para a vacinação, seja longe o suficiente.15.
Mas, basicamente, os testes de pré-vacinação sugeridos pelas empresas farmacêuticas, para o nosso governo e para a maioria de seus representantes, não existem.

Existem reações adversas graves às vacinas?

A comissão observa o que todos nós estamos gritando há anos. A resposta mais honesta que as instituições devem dar é: "não sabemos porque não monitoramos"16-17-18 e não apenas "impedimos a comunicação espontânea em todos os aspectos".
Existem muitos casos de famílias devastadas por um evento adverso grave após a vacinação19-20-21 e nem todo mundo reconheceu o dano a seus filhos. Para essas famílias, não é apenas um reconhecimento econômico venial, embora útil em várias situações, mas o reconhecimento da verdade e da justiça; a admissão de culpa por uma classe médica e política que nega as evidências.
Muitas dessas famílias não haviam sido adequadamente informadas sobre o risco / benefício da prática de vacinação pelo pediatra ou mesmo pelo médico vacinado. As informações são recuperadas na Internet e em livros, é claro! Mas é uma responsabilidade da Ordem dos Médicos e uma tarefa específica de qualquer médico que se define como tal, garantir que seu paciente esteja pelo menos ciente dos riscos que corre ao passar por uma prática médica.
A questão é muito mais séria do que você pensa. A Comissão destacou a tendência de monitorar reações adversas em um período muito curto após a vacinação22, associando-se a esse motivo, a maior frequência de reações adversas imediatas em comparação com patologias de longo prazo que são raras, afirmando, em termos inequívocos, que reações adversas que não são agudas, mas não são graves, são consideravelmente subestimadas.
Não é aceitável que em um estado que se define como direitos humanos civilizados sejam negados. Não tanto por uma obrigação que prejudica a liberdade do indivíduo, mas também pela falta de reconhecimento e falta de apoio de pessoas que desenvolveram doenças graves após uma prática fortemente recomendada e, hoje, novamente obrigatória.

O número de vacinas administradas afeta a saúde de nossos filhos?

Nós impusemos uma obrigação de pelo menos 9 vacinas para que nossos filhos fossem admitidos em jardins de infância e creches, sublinhando que a pessoa imunizada cumpre a obrigação de vacinação ..., normalmente e em qualquer caso dentro dos limites da disponibilidade do Serviço Nacional de Saúde, com vacinas monocomponentes ou combinadas nas quais o antígeno da doença infecciosa cuja imunização existe está ausente.
Deixando de lado a zombaria de que as vacinas na formulação de um componente não estão disponíveis e na formulação combinada nem sempre excluem a doença para a qual a imunização natural já ocorreu, trazemos à tona os danos.
Nos últimos meses, os meios de comunicação nos disseram e repetiram que não há risco se uma criança naturalmente imunizada for vacinada para a mesma doença. A Comissão refuta brutalmente esta alegação, afirmando que:
"... para buscar a segurança da administração de vacinas, com vistas à eliminação ou, pelo menos, à redução máxima do risco de efeitos negativos decorrentes do uso de vacinas em doses múltiplas, recomenda o uso de vacinas de dose única, dada a possibilidade concreta de que o militar, dada a idade adulta, já está imunizado contra alguns antígenos contidos nas vacinas em doses múltiplas ".
"Especial atenção ainda é recomendada ao histórico pré-vacinal e aos testes considerados necessários em casos duvidosos ou para qualquer imunização prévia".
Para nossas crianças, não só não há possibilidade de encontrar vacinas de componente único, mas também não há possibilidade de ter testes de anticorpos prescritos para verificar a imunização anterior.

A vacina pode causar autismo?

Dada a questão delicada, acreditamos que é correto simplesmente relatar o que foi escrito pela Comissão e deixar as conclusões para o indivíduo:
Estudos científicos demonstraram os efeitos neurotóxicos do alumínio27 em quantidades muito inferiores às listadas acima. A esse respeito, consulte o seguinte estudo publicado no Journal of Toxicol 2014; 2014: 491316. Doi: 10.1155 / 2014/491316. Epub 2014 2 de outubro, intitulado "Entropia induzida por alumínio em sistemas biológicos: implicações para doenças neurológicas" por Shaw CA para outros. O estudo também mostra que: “O alumínio forma complexos tóxicos com outros elementos, como o flúor, e interage negativamente com mercúrio, chumbo e glifosato. O Al tem um impacto negativo no sistema nervoso central em todas as espécies estudadas, incluindo seres humanos. A AL tem um impacto negativo no sistema nervoso central em todas as espécies estudadas, incluindo seres humanos ". Além disso, de acordo com as conclusões da comissão na leitura dos dossiês fornecidos pelas empresas farmacêuticas, esclarece que os seres humanos estão cada vez mais expostos ao alumínio de várias fontes, incluindo vacinas. Também nos referimos ao estudo publicado no Journal of Trace Elements in Medicine and Biology no Volume 46, em março de 2018, nas páginas 76-82, intitulado: "Alumínio no tecido cerebral no autismo" de Matthew Molda, Dorcas Umar, Andrew Kingc, Christopher Exley28, sobre a presença de alumínio no tecido cerebral de crianças que sofrem de doenças neurológicas. O estudo descobriu que "... O conteúdo de alumínio no tecido cerebral em indivíduos autistas era consistentemente alto. O conteúdo médio de alumínio (desvio padrão) em todos os 5 indivíduos para cada lobo foi de 3,82 (5,42), 2,30 (2,00), 2,79 (4,05) e 3,82 ( 5,17) μg / g de peso seco para os lobos occipital, frontal, temporal e parietal, respectivamente. Esses são alguns dos valores mais altos para o alumínio no tecido cerebral humano [até agora] registrados e é preciso se perguntar por que, por exemplo, o conteúdo de alumínio do lobo occipital de uma criança de 15 anos seria 8,74 (11,59) μg / g de peso seco .... ". Embora a Comissão esteja ciente do fato de que as reações adversas diferem entre adultos e crianças, considera apropriado não subestimar a quantidade total de alumínio administrado aos militares em toda a profilaxia da vacina, uma vez que, em adultos, o maior grau de desenvolvimento dos sistemas imunológico e nervoso no momento da vacinação, e as possíveis formas de autoimunidade fisiológica, podem favorecer a indução de reações do tipo linfoproliferativo e doenças autoimunes, como mostra a lista de efeitos indesejáveis, reações adversas e contra-indicações, contidas nas fichas técnicas preparadas pelas empresas farmacêuticas.
Como muitas das vacinas utilizadas são produzidas com culturas de células e animais (embriões de galinha) ou humanos (tecidos fetais, linhas celulares), essa contaminação apresenta sérios riscos à saúde humana, pois pode ser responsável por reações auto-imunes ao DNA humana. Em particular, é apropriado relembrar o estudo do thiole "Relação Epidemiológica e Molecular entre Fabricação de Vacinas e Prevalência de Desordem do Espectro do Autismo" por Deisher TA, et al. Edições Law Med. 2015, cujas conclusões lemos: “As vacinas produzidas em linhas celulares fetais humanas contêm níveis inaceitáveis ​​de contaminantes de fragmentos de DNA fetal. O genoma humano contém naturalmente regiões suscetíveis à formação de quebra de fita dupla e mutagênese do DNA insercional. O "choque Wakefield" criou um experimento natural que pode demonstrar uma relação causal entre vacinas fabricadas a partir de linhas celulares fetais e a prevalência de TEA "36. A Comissão observa que o estudo é o resultado de análises laboratoriais realizadas com uma vacina incluída na lista de documentação entregue pela AIFA, mas na qual nenhuma menção é feita a esse componente.

Em conclusão

Entre as várias páginas do relatório, que merece a leitura completa do Anexo 1, estão ocultas, más práticas médicas, total ou parcial falta de bom senso na prática de vacinação. O que mais deixa consternado é a total ausência de comunicação dos meios de comunicação de massa, exceto em casos muito raros, da publicação do relatório final e de seu conteúdo, omitindo efetivamente a parte relacionada às vacinas.



As perguntas que Corvelva e os venezianos fazem há 25 anos são as mesmas que os membros da Comissão se colocam. Esperamos não ter que esperar mais 25 anos para que o PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO seja aplicado.



Referências

  1. «As vacinas individuais administradas às forças armadas, que lembramos serem as mesmas autorizadas pela AIFA para o setor civil, contêm adjuvantes, conservantes e contaminantes, dentro dos limites das autorizações para comercialização individual. Quando um medicamento é autorizado, ele é levado em consideração individualmente e os parâmetros, bem como os critérios, para determinar o limiar além do qual um componente se torna tóxico, são determinados pelo fato de o medicamento ser tomado sozinho. No entanto, no presente caso, somos confrontados com a administração de um calendário de vacinas para profilaxia obrigatória, e não com uma única vacinação; portanto, os medicamentos e seus componentes se somam. A verificação de que essa soma ainda respeita os limiares da vacina individual é fundamental, pois, se não fosse assim, os militares estariam expostos a riscos desnecessários de imunossupressão e reações adversas (causadas precisamente pelos componentes estranhos do princípio ativo e pelo próprio princípio ativo) »(Página 156)
  2. «A partir dos cálculos efectuados pela Comissão, constatou-se que, no final da profilaxia da vacina, a quantidade de contaminantes ingeridos (calculada como adjuvantes + contaminantes + excipientes) situa-se entre 8,32 e 8,42 g. Entretanto, esse valor é subestimado, pois contaminantes biológicos - vírus, bactérias, micoplasmas e micobactérias, além de DNA humano fetal e DNA animal - provenientes de tecidos de cultura de vacinas não foram testados34. A esse respeito, no artigo já existente nos documentos da Comissão (Novas investigações de controle de qualidade em vacinas: micro e nanocontaminação), há uma foto da contaminação de uma vacina com células humanas / animais do tecido da cultura "(página 164)
  3. "(...) a quantidade cumulativa dos vários componentes das vacinas excede o limite permitido para a autorização de introdução no mercado de cada vacina (...)" (página 152)
  4. "À luz do que surgiu nos documentos, a Comissão considera a necessidade de usar vacinas mais purificadas, para que o limite dos componentes em quantidades cumulativas fique dentro do limite permitido para o componente individual de cada vacina, nos termos em que os estudos prodrômicos para as AMs individuais as reconheceram como não perigosas para a saúde "(página 153)
  5. "A partir da análise dos prospectos, verifica-se que as vacinas com alto conteúdo de componentes em termos quantitativos, mas também com variedade de componentes estranhos, exibem mais reações adversas" (página 137).
  6. "A Comissão concluiu que a prescrição de vacinas monovalentes e de dose única, além dos dois MPR e TDP trivalentes, parece ser respeitada. Pelas razões já expressas no relatório intermediário e reiteradas nos parágrafos acima, o fornecimento de dose única dos dois últimos também está em conformidade com o princípio da precaução "(página 184).
  7. «Como pode ser visto na tabela acima, em vez de uma avaliação da tolerabilidade de cada elemento individual, a escolha de realizar uma avaliação geral da tolerabilidade da vacina a ser administrada pode ser praticável. Isso também destacaria a possível intolerância ou hipersensibilidade aos alérgenos combinados entre si "(página 172)
  8. "Na confirmação da necessidade de adotar precauções para reações adversas, observa-se finalmente que as empresas farmacêuticas exigem testes e verificações proporcionalmente maiores, mais elas contêm componentes não relacionados ao princípio ativo" (página 184)
  9. "Para esse fim, a Comissão sugere que toda a vacina seja levada em consideração na metodologia de avaliação da hipersensibilidade, e não no componente individual, a fim de verificar os efeitos da administração do medicamento considerado em sua totalidade. A avaliação da hipersensibilidade a toda a droga poderia ser realizada em analogia à relativa às intolerâncias alimentares, estudando a reação linfocitária no sangue dos vacinados, (...) "(página 184)
  10. "Existem 22 indicações para realizar testes pré-vacinais com o objetivo de excluir a existência de quaisquer estados de imunossupressão, 7 aqueles que requerem avaliação preventiva da eficiência ou ineficiência do sistema imunológico, 3 aqueles referentes à necessidade de excluir doenças autoimunes, 9 doenças oncológicas e, por várias razões, 11 que requerem uma análise real da possível imunodeficiência "(página 168)
  11. "(...) a hipersensibilidade indicada nos dossiês de registro e nos anexos técnicos das vacinas, mesmo que sejam considerados individualmente, confirma a necessidade de análises pré-vacinais" (página 152)
  12. "Em todas as vacinas analisadas e incluídas na profilaxia da vacina militar, além do ingrediente ativo da vacina, existem 81 elementos para os quais está prevista uma avaliação de sensibilidade ou alergia" (página 168)
  13. "Em segundo lugar, a Comissão insiste na necessidade de reduzir o risco devido ao procedimento de administração, desde que sejam confiados à estrutura nacional de saúde e que, no momento da inscrição, os soldados que falhem nos testes pré-vacinais sejam excluídos. Esses testes devem detectar quaisquer alterações no sistema imunológico e hipersensibilidade "(página 153)
  14. "Em particular, as empresas farmacêuticas solicitam a aplicação de precauções apropriadas para o uso da vacina e, entre outras coisas, a verificação do estado de saúde do vacinador e a ausência das doenças listadas abaixo no momento da vacinação" (p. 166 e posterior)
  15. «À luz dos elementos recolhidos, a Comissão confirma que existe uma associação estatisticamente significativa entre as patologias neoplásicas e linfoproliferativas e outras patologias (por exemplo, as autoimunes) e a administração de vacinas segundo a profilaxia vacinal militar. A Comissão considera que não pode excluir o nexo de causalidade. " (página 154)

  16. «As reações adversas indicadas nos dossiês de registro e nos anexos técnicos das vacinas, mesmo se consideradas individualmente, confirmam a necessidade de uma avaliação personalizada dos riscos na profilaxia da vacina e a necessidade de monitoramento periódico a longo prazo de cada indivíduo vacinado.» (Página 152) )
  17. "Embora a Comissão esteja ciente do fato de que as reações adversas diferem entre adultos e crianças, considera apropriado não subestimar a quantidade total de alumínio administrado às forças armadas durante toda a profilaxia da vacina, uma vez que em adultos o maior grau de desenvolvimento do sistema imunológico e nervoso no momento da vacinação, e as possíveis formas de autoimunidade fisiológica, podem favorecer a indução de reações do tipo linfoproliferativo e doenças autoimunes, como mostra a lista de efeitos indesejáveis, reações adversas e contra-indicações, contidas nas fichas técnicas desenvolvidas pelas empresas farmacêuticas . A esse respeito, consulte o parágrafo específico Efeitos indesejáveis, reações adversas e contra-indicações deste relatório. "(Página 158)
  18. «Como já destacado no relatório provisório de julho, a vacinação envolve riscos em termos de problemas de imunossupressão, hiperimunização, autoimunidade e hipersensibilidade. Essa alegação foi confirmada pela análise de documentos públicos sobre vacinas, como folhetos informativos e fichas técnicas (ver ponto 4.4 do RCM fornecido pela AIFA), conforme resumido na tabela abaixo. "(Página 166)
  19. «A partir da análise dos efeitos indesejáveis, das reações adversas e das contra-indicações, surgiram informações importantes. No total, as reações pesquisadas totalizaram 240, com uma frequência variando de 10% à "frequência desconhecida". "(Página 172)
  20. "Também vale ressaltar que os dados transmitidos pelos fabricantes mostram a indicação de uma série de doenças auto-imunes (indicadas em negrito e com um asterisco na tabela) como efeitos indesejáveis ​​ou reações adversas à vacinação." (Página 183)
  21. "Deve-se enfatizar que o monitoramento de reações adversas é realizado em um período muito limitado após a vacinação, razão pela qual as reações adversas imediatas são muito mais frequentes, enquanto reações raras estão relacionadas a patologias a longo prazo e que requerem uma amostra de população muito grande, muitas vezes não alcançada na fase de autorização de introdução no mercado. Por esse motivo, reações adversas não agudas são significativamente subestimadas. "(Páginas 183-184)