#IoNonDimentico - Emiliano Rapposelli

Emiliano Rapposelli

#EU NÃO ESQUEÇO

ionondimentico_1.jpg

Em 6 de novembro de 2001, nasceu Emiliano Rapposelli e, em 14 de fevereiro de 2003, morreu da vacina MPR Morupar.

Em 6 de novembro de 2001, nasceu Emiliano Rapposelli, uma criança normal em uma família veneziana normal. Os pais, ambos enfermeiros, não tinham dúvidas particulares sobre a prática da vacinação e, como muitas outras famílias, submeteram o pequeno Emiliano à vacinação hexavalente, a fim de cumprir a obrigação de 4 vacinas. Tudo prosseguiu normalmente, nenhuma reação à vacinação apareceu e Emiliano continuou a crescer calmamente como muitas outras crianças.
Em 2003, após um recall da ASL competente para realizar a vacinação contra sarampo, rubéola e caxumba, os pais procuraram o pediatra e, como acontece hoje, foram avisados ​​ao se depararem com o espectro das epidemias. De fato, em 2002 - como também relatado pelo pediatra de Emiliano - na Campânia, ocorreram 1.633 casos de sarampo nos primeiros 7 meses, 3 mortes entre crianças e 1 menino de 22 anos. A família Rapposelli, absolutamente não cética em relação às vacinas, ouvira a opinião do pediatra, estando "convencida" do perigo das complicações das doenças pelas quais "protegeria" seu filho com a vacinação e confiava nas garantias do pediatra sobre 'segurança absoluta da vacina, a fim de decidir realizar a vacinação, então opcional, MPR.

Na manhã de 14 de fevereiro de 2003, a vacina MPR Morupar foi inoculada e 9 dias depois, em 23 de fevereiro, Emiliano morreu em seu berço. A partir daqui começa uma parede de borracha real.

- Fomos informados em detalhes do momento em que os pais descobriram que Emiliano havia morrido, mas, por respeito ao momento de muita dor, não relatamos essa parte -

- NB. A vacina Morupar MPR foi retirada do comércio em 2006, como pode ser lido em Comunicado de imprensa n. 27 publicado no site da AIFA, para a quantidade de reações adversas relatadas -

Em 14 de fevereiro de 2003, dia da vacinação, o pai de Emiliano (que acompanhou a criança) informou o médico que a criança não estava bem, estava com febre e tosse e pediu conselhos sobre a mudança da vacinação, mas, com certeza, "sem contra-indicações" , quanto ao estado de saúde da criança, bem como a falta de tempo permitida entre anamnese e inoculação (menos de 5 minutos) não davam espaço e tempo para assimilar e refletir.

A sintomatologia subsequente proposta pelos médicos "em uma semana terá alguma linha de febre" teve uma expiração perfeita, mas um fim trágico.

Poucos dias depois de sua morte, chegou o telefonema que talvez mudasse de perspectiva para a família Rapposelli, o serviço de higiene chamado a mãe de Emiliano, tranquilizando-a diretamente sobre o resultado da autópsia, que excluiu totalmente a vacinação como causa ... O telefonema abriu uma brecha adicional pelas dúvidas da família Rapposelli.
Corvelva interveio imediatamente e o Dr. Miedico, contatado e nomeado médico legista, cita frequentemente "o caso Rapposelli", pois foi o caso que levou a família a confiar em Corvelva e ele, que pediu para manter as amostras de tecido a ser analisado congelando-os, e não em formaldeído como prática, uma vez que este último, devido às qualidades químicas específicas, teria cancelado qualquer resíduo bacteriano ou viral.

As primeiras análises do Istituto Superiore di Sanità, solicitadas pelo Dr. Silvano Zancaner, especialista em medicina legal da Universidade de Pádua, apontaram a meningite como causa da morte, já que o genoma do meningococo foi encontrado em uma amostra de tecido enviada. .
Foi fácil para o Dr. Miedico refutar essas análises e pedir formalmente, em nome da família, para prosseguir com a investigação.
O relatório do Dr. Miedico mostrou que o trato genoma detectado pelo Istituto Superiore di Sanità era muito "pequeno" para permitir a identificação do meningococo.
Para a família, foi uma verdadeira zombaria do Estado, não a última, infelizmente.

Finalmente, o último resultado da autópsia, após nove meses de investigações médico-científicas, do Istituto Superiore di Sanità, destacou a presença do genoma do vírus Schwarz nos tecidos cerebrais do pequeno emiliano.
A vacina MPR Morupar, no que se refere ao componente sarampo, foi produzida pela atenuação do vírus vivo do sarampo, especificamente o vírus Schwarz. As análises confirmaram a tipificação do vírus da vacina.

Uma autópsia chegou 9 meses após a morte de Emiliano Rapposelli, que "certificou" o nexo de causalidade entre a inoculação da vacina MPR e a morte.

O juiz investigador do Tribunal de Pádua solicitou um novo relatório de especialista e encomendou ao Dr. Benciolini que ele confirmou definitivamente a conexão entre MPR e morte, "exonerando", no entanto, o pessoal de saúde que havia praticado a vacinação, "não sendo anômalo". reação previsível ": mesmo que a família tivesse informado a saúde da criança, ela não poderia ter previsto isso ...

Em 2006, a Comissão Médica Hospitalar - que pela lei 210/92 é realizada pelo setor militar em um hospital militar - reconhece a morte por vacinação.

Mas essa morte não aparece nos relatórios subsequentes do Green Channel.


A família Rapposelli, juntamente com outras famílias venezianas, tentaram comunicar a morte de seus filhos a Canale Verde. Corvelva, apoiando famílias direta ou indiretamente, há anos tenta forçar as forças políticas a terem mortes no Canal Verde e Ferdinando Donolato, presidente Corvelva, recentemente entregou ao conselheiro Coletto uma autópsia do pequeno Emiliano à mão. a documentação que atesta o nexo de causalidade entre MPR e morte, documentação composta por evidências científicas e não o resultado apenas da "verdade processual".


A resposta mais comum que Canale Verde deu às famílias que solicitam a inserção estatística da morte - famílias já certificadas pela lei 210/92, já indenizadas, não é paga mais nenhuma vantagem se presentes nesses canais de farmacovigilância - sempre foi categórica: o primeiro relatório que o ULSS competente envia a Canale Verde é o único cientificamente correto, independentemente de as evidências científicas e objetivas chegarem posteriormente e de o Ministério da Saúde reconhecer a correlação entre dano / morte e vacinação, portanto, independentemente no geral, se a primeira resposta foi uma correlação NÃO, o "caso" nunca será relatado nos relatórios do Green Channel.

A família Rapposelli nunca parou, durante a entrevista nos contou como sempre tentou mudar a política regional sem sucesso. Sara, mãe de Emiliano, conta-nos e-mails enviados ao conselheiro Coletto em agosto de 2017 com a documentação referente ao caso de Emiliano. De 2003 a 2017, 14 anos após a morte de Emiliano, a família Rapposelli lutou para ver a morte de seu filho reconhecida por Canale Verde e pela região de Veneto e o fez por respeito a Emiliano. Mas nós, pais que hoje lutamos por nossa liberdade de vacinação, não podemos ignorar que a batalha dele também é nossa.

Obrigado Sara, de Corvelva, Ferdinando Donolato e mais de 35.000 venezianos