Mas quantos realmente são reconhecidos e danificados na Itália? Nós não somos informados

Mas quantos realmente são reconhecidos e danificados na Itália? Nós não somos informados

Como muitos de vocês sabem, nossa associação apresentou uma nos últimos meses série de acessos aos documentos de acordo com a FOIA (Lei da Liberdade de Informação).

Tudo começou com uma pergunta parlamentar de 2015 do senador Gian Marco Centinaio à ex-ministra Beatrice Lorenzin, que indicou 9.000 indenizações gerenciadas diretamente pelo Ministério da Saúde mais outras 16.000 indenizações pelas regiões e, em 31 de março de 2015 bem 631 beneficiários da compensação adicional prevista na lei 229/05, na medida em que sejam reconhecidos como danificados por vacinações compulsórias (609 beneficiários mais 22 cuja posição foi encerrada após a morte).

A partir daqui, começamos com nosso pedido de acesso aos documentos de acordo com o FOIA, porque o Lei 229/05, deu a oportunidade de solicitar uma anuidade apenas aos que foram prejudicados pelas vacinas que já haviam recebido indenização da Lei 210/92, mas a questão mais interessante permaneceu sem resposta:

"Quantas vítimas de vacina sofreram na Itália desde a primeira compensação, Lei 210/92, até o momento? Para quais vacinas? Quais patologias eles relataram? Quantas mortes?"

E aqui estão nossos pedidos:

  • saber quantos casos de morte por vacinação obrigatória e não obrigatória foram reconhecidos com indenização;
  • saber quais patologias as vítimas de vacinação compulsória e não compulsória reconhecidas com indenização haviam contraído;
  • saber quais vacinas foram pagas pela compensação;
  • conhecer o valor total da indenização paga pelas vacinas feridas ou mortas;
  • conhecer os dados acima divididos por ano de reconhecimento com remuneração;
  • conhecer os dados acima divididos por faixa etária do sujeito reconhecido com remuneração;
  • conhecer os dados acima, divididos por região de competência;
  • Conhecer os dados acima, separados dos dados sobre indivíduos lesados ​​por complicações irreversíveis devido a transfusões e produtos derivados de sangue reconhecidos com indenização.

Os pedidos foram enviados às instituições regionais da região de Veneto e ao Ministério da Saúde.

A Região Veneto, por meio de seu ULSS 6, entidade competente para a resolução regional de 2001 a hoje para o pagamento das indenizações reconhecidas pela Lei 210/92, respondeu nos termos da lei e, finalmente, notificamos uma primeira número oficial, 40 sujeitos indenizados no Veneto de 2001 a 2015, com uma média de quase 3 indenizados a cada ano, dos quais 3 após uma morte.

O outro lado, o Ministério da Saúde, respondeu algo que definir o super-pincel é o mínimo, portanto, tendo avaliado todas as alternativas possíveis, decidimos apelar tanto à Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos na Presidência do Conselho de Ministros quanto à ANAC.

Sem ir muito longe no labirinto da lei, o art. 5, parágrafo 7, do Decreto Legislativo n. 33/2013, fornece aqueles que podem recorrer da pessoa que solicita acesso aos documentos, em caso de recusa parcial ou total. Em palavras simples, com quem você deve "lutar" caso a AP não responda.

Aqui está quem perguntamos e o que eles responderam:

  1. Ao escritório de transparência do Ministério da Saúde, que não respondeu.
  2. À ANAC, que respondeu que "não é competente na revisão do acesso generalizado formulada por outra Administração".
  3. À Comissão encarregada da Presidência do Conselho de Ministros, que respondeu que nosso pedido é "inadmissível por incompetência", "e também inadmissível com referência à pergunta formulada".

Vamos analisar melhor a resposta do primeiro-ministro: sendo os únicos que gastaram em uma explicação, por mais apressada que seja. A Comissão sustenta que o nosso pedido contém principalmente um pedido de informações e, como tal, é inadmissível, além de não ser apoiado por qualquer motivo e, portanto, não é adequado para provar um interesse qualificado (...).
Isso nos dá uma pergunta simples e banal: Se o pedido não foi justificado, por que a região de Vêneto (mas também outras que virão a seguir) responderá? Talvez, e é uma pergunta legítima, porque eles têm dados precisos e concretos, e, portanto, são capazes de fornecê-los em um curto espaço de tempo?
Mas então, se essa foi a motivação que leva o Ministério e a Comissão a nos negar os dados, como um ministro poderia diminuir e / ou negar o número de vítimas? Porque é isso que acontece, o ministro Grillo respondeu com estas palavras, filmadas pelas câmeras, às perguntas de uma mãe: «Conheço crianças que morreram de sarampo, crianças que morreram com a vacina não as conhecem. Você sabe disso? Não. Então não faça essa desinformação porque as pessoas morrem de sarampo, as pessoas morrem de meningite, elas não morrem da vacina, por isso eu não decido ». Estas são as palavras de Grillo.
Seria interessante e também certo que o ministro argumentasse com respeito aos dados venezianos acima mencionados. Como é possível que o Ministro Grillo NÃO SAIBA a morte da vacina, quando há três reconhecidos somente em Veneto e somente nesse período de tempo? Quantos serão no resto da Itália? se eles não podem nos responder, como podem dizer com segurança que não existem ???

Infelizmente, essas perguntas caem em ouvidos surdos, e é uma pena, porque quando você diz que deseja se concentrar na transparência e na correção das informações, esses são exatamente os comportamentos a serem evitados. É necessário ser correto e transparente quando se trata da vida das pessoas, das crianças; é dever dar respostas e não se esconder atrás de um dedo quando os cidadãos pedem.

Estas são as atualizações mais recentes da frente do FOIA. Informamos que ainda não publicamos todas as "não-respostas" ou negações por incompetência, porque reservamos a possibilidade de recorrer mais judicialmente e esse tópico será discutido primeiro com nossos advogados e depois com os Membros da Corvelva, tendo em vista a custos e cenários.

Nós damos uma última sugestão: quando alguém diz que "não há produtos danificados pela vacina", você pergunta se eles pediram conselhos ao Divino Otelma, porque a idéia de que instituições, burocratizadas ao extremo, está começando a piscar em nossas cabeças não sei.