Corvelva renuncia à contribuição da Ordem Nacional dos Biólogos

Corvelva renuncia à contribuição da Ordem Nacional dos Biólogos

Comunicamos que tomamos a decisão de prosseguir com o retorno da doação da Ordem Nacional de Biólogos.

Essa decisão foi tomada por uma razão simples, para demonstrar a todos aqueles que exploraram a doação da ONB, que lembramos ser uma pequena parte do investimento em análises qualitativas em produtos farmacêuticos, que nós, pais, podemos seguir sozinhos.

Como não queremos reacender a controvérsia, simplesmente observamos que nos últimos meses ninguém solicitou às instituições encarregadas de provar a segurança dos medicamentos que testamos; portanto, reconhecemos que a comunidade científica não solicita respostas científicas, mas prefere usar outras ferramentas para justificar suas convicções e continue defendendo nossa reclamação sobre a alegada não conformidade de produtos farmacêuticos de empresas privadas.

Pena que teria sido uma excelente oportunidade para demonstrar cientificamente o que sempre alegaram: "as vacinas são medicamentos seguros e eficazes, eis a evidência científica que nega a Corvelva", analisa oficialmente a mão. Mas não, da análise nem mesmo um traço, dos pedidos, nesse sentido, nem da sombra, apenas tanta fanfarra e fúria sobre aqueles que consideraram importante investigar independentemente e buscar as respostas que não nos são dadas.

Tomamos nota de viver em um país que finge ser democrático, mas, de fato, responde aos pedidos de clareza e transparência de seus cidadãos, pondo em movimento a bem conhecida máquina de lama que serve para silenciar aqueles que ousam pedir e enterrar qualquer sombra de dissidência ou dúvida .

Bem, no exterior isso acontece, nos mesmos dias:

WASHINGTON, DC, 11 de fevereiro de 2019 - Em resposta a uma ação da Lei de Liberdade de Informação (FOIA), a FDA admitiu, pela primeira vez, que agências governamentais, incluindo o CDC, recomendam vacinas para mulheres grávidas sem que elas foram licenciadas por mulheres grávidas pelo próprio FDA, nem testadas quanto à segurança em ensaios clínicos. A ação, movida pelo advogado de Defesa da Saúde da Criança (CHD), Robert F. Kennedy Jr. em nome da Rede de Ação de Consentimento Livre e Esclarecido (ICAN), uma equipe de defesa de segurança de vacinas, buscou todos os dados dos ensaios clínicos utilizados. pela FDA para aprovar vacinas contra a gripe em mulheres grávidas. A resposta concisa da FDA:
"Não temos gravações que respondam aos seus pedidos." Os dados do CDC mostram que as mulheres que receberam vacinas contra a gripe de 2010 a 2012 tiveram um risco 7,7 vezes maior de aborto do que as mulheres que não receberam essas vacinas. O CDC publicou o estudo sobre Vaccine, mas omitiu essas descobertas em seu comunicado de imprensa. (https://goo.gl/gkHGnC)

Agradecemos à Ordem Nacional dos Biólogos, na pessoa de seu presidente, Dr. Vincenzo D'Anna, pela disponibilidade e transparência das intenções; também percebemos que os cidadãos deste país precisam lidar com isso sozinhos: a comunidade científica não permite que instituições dispostas a ajudá-los; portanto, sentimos culpa por ter pensado em morar em um país normal, com mídia normal e cientistas normais.

Esperamos sinceramente que isso acabe com esse ridículo tumulto da mídia e permita que nos concentremos na consolidação dos dados preliminares já publicados para chegar rapidamente a um ponto fixo; o fim polêmico em si nunca nos interessou, estamos procurando evidências científicas usando um método científico, estamos convencidos de que um dia a AIFA, a ISS e a Ema terão que discutir os dados que estamos carregando, e nesse dia talvez possamos voltar a discutir propaganda científica e não-cientista.

Funcionários da Corvelva