República: 130 médicos especialistas se posicionam?

República: 130 médicos especialistas se posicionam?
(Tempo de leitura: 4 - 7 minutos)

Comunicado de imprensa n ° 1/2019

Vamos começar bem o ano, aprendendo com as páginas do jornal nacional "La Repubblica" que até 130 "médicos especialistas" se posicionariam contra os "alarmes falsos", após a análise de algumas amostras de vacinas.

Curiosamente, nas mesmas horas, recebemos o convite oficial para apresentar nossos resultados ao parlamento polonês em Varsóvia (a nomeação é para 8 de janeiro https://goo.gl/JDHsaq).
Já aqui surgem as primeiras dúvidas, pois, embora nossa associação tenha escrito às autoridades nacionais encarregadas do controle de saúde e drogas muito antes da controvérsia da mídia que eclodiu nos últimos dias, NENHUMA dessas instituições havia nos dignado a receber um sinal mínimo de feedback; é, portanto, inevitável notar um fato: na Polônia, onde certamente a situação regulatória não é melhor que a nossa, há uma aparência de democracia que permite a discussão pública e, acima de tudo, o diálogo da política com os cidadãos; na Itália, até o momento, tudo isso está faltando. Falta o menor interesse pelo diálogo, faltam respostas aos pedidos (públicos ou privados) de seus cidadãos, enfim, faltam os fundamentos da democracia.

Mas voltemos ao artigo de La Repubblica, que cuida de informar que 130 especialistas se posicionaram contra a disseminação de dados de análise.
Segundo o jornal, esses especialistas são compostos por figurões de universidades italianas, da ISS e de 15 instituições estrangeiras. Excelente, por nossa parte, observamos que NINGUÉM deles havia dado algum sinal de interesse para nossos e-mails (destinados à Aifa, ISS, Ministério da Saúde e também à Universidade de Pádua após as últimas controvérsias que surgiram após a doação da ONB a nossa associação).

Para dizer a verdade, o único órgão que deu respostas, embora incompletas e insatisfatórias para nós, foi a Ema, que, além disso, em sua resposta solicitou à Aifa a maioria dos esclarecimentos solicitados (link answers https://goo.gl/JZz3xm).

Bem, o que devemos deduzir disso? Por exemplo, que ninguém se importou com nenhum desses resultados ou mesmo deu uma opinião autorizada sobre eles, antes que eles acabassem nas páginas de um jornal? Ou que ninguém tenha se preocupado ou preocupado com os resultados por si só, porque evidentemente a única coisa que causa preocupação é que os mesmos resultados sejam divulgados? Portanto, parece que o mais importante para eles é que nada se sabe sobre o que surgiu. É claro que a justificativa para esse estado de coisas é dada, segundo eles, pelo fato de que essas análises não teriam "nada de científico, transparente, reprodutível".

Palavras pesadas, grandes palavras, mas elas são fundadas?
O que está escrito é verdade?
Primeiro de tudo, como você pode dizer que essas análises não são reproduzíveis?
Eles tentaram reproduzi-los?

De fato, um de nossos pedidos é precisamente que eles são reproduzidos e, para esse fim, por exemplo, as metodologias referentes às análises metagenômicas foram publicadas, e o mesmo acontecerá em breve para os químicos.
Em segundo lugar, se não for transparente publicar os resultados assim que os tivermos, enviando-os também para as agências nacionais e europeias de drogas, bem como para o ministério e outros órgãos responsáveis, o que é? Mas talvez nossos heróis da medicina moderna tivessem preferido que tivéssemos mantido nossas dúvidas, sem deixar escapar nada, até encontrarmos uma revista científica disposta a nos publicar, e claramente naquele momento não seria suficiente porque a revista não teria. tinha o "fator de impacto" apropriado. Não, a associação Corvelva, esse patife, divulgou os dados, esclarecendo que se trata de uma análise de primeiro nível, realizada por laboratórios certificados, cujo nome será declarado publicamente somente após as publicações "cobiçadas" - somente por eles - porque você sabe, nestes tempos de caça às bruxas e incêndios na mídia, é melhor ter cuidado ... ninguém jamais iria querer que esses laboratórios pagassem o preço de aceitar o trabalho encomendado pelos clientes errados ... ninguém iria querer, não é?

Terceiro ponto: CIENTIFICIDADE. Pedimos a esses senhores que definam CIÊNCIA e depois esclareçam, seguindo a definição, como a medicina pode ser considerada uma ciência exata e como podemos avançar em uma ideologia que não permita réplicas de um tratamento preventivo de saúde que de uma maneira completamente não científica, ela afirma ser considerada "de segurança e eficácia comprovadas" e tornar essa ideologia uma obrigação legal e, portanto, um TRATAMENTO OBRIGATÓRIO DE SAÚDE.

Para facilitar a tarefa, relatamos um extrato da enciclopédia Treccani, sob o título "ciência":

"Foi concebido (principalmente com G. Galileu - sim, o mesmo que arriscou a estaca porque o que ele professava era considerado herético) como uma concepção de conhecimento alternativo aos conhecimentos e doutrinas tradicionais, como uma síntese de experiência e razão, aquisição. conhecimento verificável e discutível publicamente (e, portanto, isento de qualquer princípio de autoridade) ". "Aquisição de conhecimento verificável e para ser discutido publicamente" "livre de qualquer princípio de autoridade".

Portanto, é bastante cômico que somos acusados ​​de ser contra a ciência, se não formos confrontados com um obscurantismo preocupante de que a mídia do regime contribui para a divulgação, uma vez que a acusação vem precisamente daqueles que recusam o confronto e o publicam. discussão de resultados, não idéias, dados, não crenças.

Renovamos nosso convite a todos: realizemos rotineiramente as análises que você diz que são realizadas (possivelmente não as dos fabricantes, mas, na ausência de qualquer outra coisa, também ficaremos satisfeitos com elas) que refutam os dados das análises que encomendamos. Dê sua evidência científica de que o que é relatado é falso. Repita as análises com laboratórios independentes ou entre em contato com a pessoa que as encomendou e discuta os dados.

Se as únicas respostas que você pode dar são "nada é verdade", reenviaremos em breve quando tudo será publicado e suas acusações serão negativas, em nível científico. A propósito, como é que ninguém disse nada e ninguém fala sobre a quantidade de DNA fetal humano detectado nas análises metagenômicas? No entanto, cientificamente falando, de 1.7 a 3.7 microgramas de DNA fetal humano na vacina destinada à população pediátrica, existem muitos. Algum comentário? Sobre as mutações encontradas no genoma do sarampo? Sobre os presentes no antitifico? Sobre a ausência de rubéola? Algum estudo que decreta inofensividade? Talvez apenas respondamos ao que é facilmente "manipulado". Talvez nenhum deles realmente se importe em comentar OS RESULTADOS.

As respostas para aqueles que adicionam "falácia" nas técnicas de laboratório também chegarão em breve, mas enquanto isso, ONDE ESTÃO SEUS DADOS?

Uma última pergunta: esses 130 nomes, eles colocam seus rostos em nome e sobrenome ou precisamos ficar satisfeitos com a menção de uma dúzia de especialistas e com os outros em que confiamos? Os médicos que ousaram colocar o rosto na frente de suas opiniões pessoais infelizmente pagaram o preço com radiação, enquanto não têm nada a temer: onde estão as assinaturas?

Obrigado, feliz ano novo, Corvelva


Comunicado de imprensa em resposta a este artigo: https://www.repubblica.it/salute/medicina-e-ricerca/2019/01/01/news/vaccini_la_protesta_degli_scienziati_basta_con_gli_allarmismi_-215645993/