O que encontramos na vacina MMRV (Priorix Tetra)?

O que encontramos na vacina MMRV (Priorix Tetra)?

Queremos fazer um balanço da situação junto com você. Oito meses se passaram desde julho de 2018 e, nesse período, alcançamos resultados extremamente satisfatórios. Apresentamos um programa de pesquisa e, em relação à análise de vacinas, podemos fazer um ponto de referência, com os objetivos alcançados, aqueles que estão sendo finalizados e os que estão sendo planejados apenas por enquanto.

Para começar, as análises de 2 compostos para cada vacina foram verificadas por meio de padrões, usando padrões de controle certificados com uma concentração na ordem de microgramas / mL. Os compostos que escolhemos estão entre os conhecidos por seu perfil de risco crítico. Estamos falando de uma quantidade cumulativa, uma quantidade total daqueles reconhecidos como identidades e aqueles a serem identificados, que podem ser estimados na ordem de 50 microgramas / mL, em contraste com as diretrizes da EMA / FDA.

Estes testes deram resultados positivos e, portanto, confirmam completamente o método de análise! As contaminações observadas provavelmente se devem a fenômenos e tópicos diferentes e variáveis ​​do processo de fabricação. O que foi observado no decorrer dos estudos é uma variação da composição entre lotes, o que nos leva a supor que existem algumas etapas ao longo de todo o processo de fabricação do produto que são difíceis de controlar.


Tabela de resumo mostrando os resultados das análises (Priorix tetra)

  1. Antígenos - 3 em cada 4 vírus atenuados foram identificados e sequenciados. A rubéola foi detectada em um número muito baixo de cópias. Os vírus da varicela, caxumba e sarampo têm mutações mais altas, provavelmente derivadas da atenuação de um grande número de variantes menores (quase-espécies).

  2. Contaminantes químicos (sinais) - 115-173 (29-43% conhecido)

  3. Toxinas químicas - NÃO

  4. Contaminantes de proteínas - Proteína de ligação ao cálcio da sarcoplasmina, Actina e Vimentina

  5. Contaminantes peptídicos livres - NÃO

  6. DNA / RNA residual derivado de células cultivadas - Quantidade total de DNA: 1.7-3.7 μg / dose, dos quais 80% eram humanos (DNA / RNA fetal humano da linha celular MRC-5). Outra quantidade de DNA: frango

  7. Vírus adventícios - Retrovírus endógeno humano K, vírus da anemia infecciosa dos equídeos, vírus da leucose aviária, HERV-H / env62

  8. Outros contaminantes microbianos - Proteobactérias, nemátodes-helmintos

  9. Processar resíduos de material genético - NÃO

Informações detalhadas sobre as vacinas analisadas

Priorix Tetra (GlaxoSmithKline) 1 Estudo do perfil da composição química 2

  1. O lote 1 e o lote 2 são diferentes em muitos aspectos, 115 sinais vs. 173 sinais detectados. Uma quantidade muito diferente de 3 sinais 4 (Compostos).

  2. O que deveria nos interessar é sim o que descobrimos, que são os sinais conhecidos, mas também e acima de tudo aqueles que não são identificáveis ​​porque estamos no campo das hipóteses e podem ser qualquer coisa. (entre 29 e 43% é conhecido)

  3. Ambos os lotes contêm vestígios que podem ser quantificados entre nanogramas e microgramas como uma ordem indicativa de magnitude, ou seja, acima do limite normalmente definido como residual (abaixo dos nanogramas). Esses dados são importantes porque alguns compostos são altamente tóxicos, outros são alérgenos conhecidos e outros são provavelmente moléculas farmacêuticas que, se presentes nas vacinas, devem ser relatadas na folha de dados e quantificadas.

  4. Nos dois lotes de produtos, foram detectadas proteínas potencialmente provenientes do processo de purificação, de origem humana e animal, que podem gerar fenômenos de hipersensibilidade e alergia, principalmente com reforços, mas também com autoimunidade devido à semelhança com as proteínas humanas.

  5. Ambos os lotes contêm traços que podem ser associados a diferentes antibióticos (alguns dos quais não são permitidos, por exemplo, derivados da penicilina e cefalosporina por serem altamente alergênicos), herbicidas, acaricidas e metabólitos da morfina.

Estudo do perfil metagenômico 5

Os testes metagenômicos da vacina "Priorix Tetra" apresentaram uma população de vírus mutantes, para cada vírus atenuado, chamados quasispecies. As variantes genéticas dos antígenos da vacina podem alterar significativamente a segurança da vacina e sua eficácia. Além disso, existem sérios dilemas, não apenas de natureza médica e científica, mas também de natureza ética; listamos abaixo os pontos que são mais relevantes para nós:

  1. A quantidade de DNA: A presença de DNA fetal foi confirmada em grandes quantidades: 1.7 μg no primeiro lote e 3.7 μg no segundo lote, cerca de 325 vezes maior que o limite máximo de 10 nanogramas e 325,000 vezes maior que o limite mínimo de 10 picogramas, limites que a EMA nos disse para nos referirmos apenas a células conhecidas por atividade carcinogênica. 6-7

  2. Tamanho do DNA: Determinamos com mais precisão o tamanho dos fragmentos de DNA detectados e foi estabelecido que o DNA contido tem um peso molecular de 20,000 / 60,000 bp. Isso significa basicamente que não existem "fragmentos" de DNA dentro dessa droga, isto é, degradados, mas um genoma intacto, pertencente a um ser humano masculino, confirmado pela comparação entre o DNA fetal da vacina.
    e o da linha celular MRC-5 utilizada para a produção da vacina.

  3. Não detecção do vírus da rubéola: com o nível de sequenciamento utilizado para a triagem, não foi possível detectar o vírus da rubéola. Como havia dúvida de que houve um erro no procedimento usado, o nível de seqüenciamento aumentou significativamente para uma profundidade muito alta (260 milhões de seqüências produzidas). Dessa forma, o vírus da rubéola foi detectado em 114 cópias, igual a 0.00004% do total das seqüências e, através de uma leitura manual das sequências, foi possível eliminar qualquer fonte de erro do software utilizado e confirmar definitivamente o (mínimo) presença de rubéola na amostra. Contudo, este procedimento também permitiu identificar avírus dventitious presente em números baixos de cópias, e o que foi visto é que o número de cópias dos vírus adventícios excede o número do vírus da rubéola.

  4. Portanto, havia duas outras questões muito importantes a serem resolvidas:

    1. A rubéola na vacina está em quantidade suficiente para produzir um efeito imunogênico ou pode ser considerada sublimiar (isto é, uma contaminação acidental)?

    2. Os vírus adventícios estão realmente presentes? Se sim, eles podem ser perigosos?

No que diz respeito ao ponto 1), podemos questionar fortemente a capacidade do vírus da rubéola atenuado de atuar como antígeno imunogênico, pela quantidade desprezível e pela atenuação que enfraquece ainda mais sua eficácia. Esse aspecto precisa ser investigado, pois existe um risco real de haver muitas vacinas no mercado que não imunizam e, portanto, não são eficazes, não contendo o que é indicado na folha de dados técnicos.

No que diz respeito ao ponto 2), ou a presença de vírus adventícios: para confirmá-lo, foi necessário verificar as seqüências uma a uma manualmente usando um software diferente (BLAST). Foi assim possívelconfirme a presença dos seguintes retrovírus contaminantes: 8

  • Sequências de retrovírus endógenos humanos K - 32
  • Vírus da anemia infecciosa dos equídeos - 2 sequências
  • Vírus da leucose aviária - 2 sequências
  • HERV-H / env62 - 4 sequências

Esses vírus são conhecidos por serem contaminantes adventícios da vacina e porser potencialmente perigoso, razão pela qual os fabricantes são obrigados a verificar se estão completamente ausentes da vacina.

Conclui-se que esta análise aprofundada nesta vacina confirma duas não-conformidades sobre eficácia e segurança:

  1. A presença de rubéola em um número muito baixo de cópias (sublimiar)

  2. A presença de vírus adventícios potencialmente perigosos O que atesta que não há controle adequado das vacinas, porque, se houvesse, esses elementos teriam sido detectados.

Lembre-se das diretrizes da EMA 9-10-11 qual o estado em que as leituras de vírus "estrangeiros" devem ser ABSENTES, portanto, nem uma cópia é permitida.
Além disso, a presença de uma quantidade não residual de DNA fetal humano é reconfirmada, de modo a tornar essa impureza um constituinte real da vacina, que deve ser relatado na folha de dados técnicos e quantificado.


Referências:

  1. https://drive.google.com/file/d/1cNtdBczAX1-xowPEDep1kZOjy84IypAB/view
  2. Por "conhecido" significa que os sinais relacionados a um composto com um dado peso molecular, presente nas bases de dados, geram uma ou mais associações possíveis com estruturas químicas conhecidas.
  3. o espectro de massa representa a abundância relativa de íons em função de sua razão massa / carga; um composto pode gerar mais íons e, portanto, mais sinais, em particular quanto maior o peso molecular da molécula, mais sinais ela gera.
  4. https://drive.google.com/file/d/1isH0XIWLCF0zEaossjrvmltEdNpXoBN-/view
  5. Deisher TA, Doan NV, Koyama K, Bwabye S. Relação Epidemiológica e Molecular entre Fabricação de Vacinas e Prevalência de Transtorno do Espectro do Autismo. Issues Law Med. 2015 Spring; 30 (1): 47-70. PubMed PMID: 26103708.
  6. Jarzyna P, Doan NV, Deisher TA. Mutagênese de inserção e doença induzida por autoimunidade causada por toxinas residuais fetais e retrovirais humanas em vacinas. Issues Law Med. 2016 Fall; 31 (2): 221-234. PubMed PMID: 29108182.
  7. https://drive.google.com/file/d/185ItJ01AN7dEEvSq1VLKopTgdwZOCdry/view
  8. https://www.ema.europa.eu/en/documents/scientific-guideline/ich-q-5-r1-viral-safety-evaluation-biotechnology-products-derived-cell-lines-human-animal-origin_en.pdf
  9. https://www.ema.europa.eu/en/documents/scientific-guideline/guideline-virus-safety-evaluation-biotechnological-investigational-medicinal-products_en.pdf
  10. https://www.ema.europa.eu/en/documents/scientific-guideline/ich-q-6-b-test-procedures-acceptance-criteria-biotechnological/biological-products-step-5_en.pdf